Homeopatia Saúde Integral

Por que ficamos gripados? Como nos proteger da gripe H1N1 e outras doenças neste outono e inverno

Dr. Paulo Daruiche
Escrito por Dr. Paulo Daruiche

Estamos no outono, e nesta época do ano começam a surgir as doenças típicas destes meses. Em nosso meio, a atenção se volta para as doenças respiratórias infecciosas, de modo geral. A gripe é uma manifestação comum do outono e do inverno, e geralmente é uma doença epidêmica de curso benigno.

Para uma pessoa ficar doente, são necessárias algumas condições. Em primeiro lugar, é necessário que a pessoa “possa” ficar doente. Isto ocorre devido à formação embriológica do nosso corpo; não há ninguém que tenha todos os órgãos e sistemas completamente bem formados. Sempre há algum grau de imperfeição na formação dos nossos órgãos; no entanto, pequenas imperfeições não impedem o funcionamento adequado do nosso organismo.

Quando a imperfeição é grande, chamamos de má-formação.

E quando a imperfeição não é tão grande para ser classificada de má-formação, mas também não é tão pequena, temos os “órgãos de choque”, que são geneticamente predispostos a funcionar um pouco pior. Assim, só tem dor de cabeça quem pode; só tem dor de estômago quem pode; só fica com gripe quem pode. E é por isso que cada pessoa com gripe vai ter alguns sintomas comuns ao estado gripal, e outros sintomas peculiares a esta pessoa, de acordo com seus órgãos de choque fragilizados.

Em segundo lugar, temos a alteração do nosso estado de saúde. Sabemos que nosso organismo tem imperfeições; para que funcione da melhor forma possível, é necessário que a Energia Vital esteja em equilíbrio e harmonia. Quando ficamos doentes (por exemplo, gripados), a primeira alteração que ocorre é um desequilíbrio da Energia Vital. Ela não consegue mais manter o organismo em harmonia, e os órgãos e sistemas começam a falhar – como, por exemplo, o sistema imunológico.

Depois que o sistema de defesa falha, abrem-se as defesas do corpo, e só assim os vírus conseguem se multiplicar. Os vírus e bactérias tornam-se nossos “hóspedes”. Eles não são responsáveis pela doença. Eles são participantes, mas se nossas defesas estivessem boas, eles não conseguiriam entrar e se multiplicar.

Em terceiro lugar, temos as condições externas que interferem em nosso organismo. Má alimentação, excesso de afazeres, privação de sono, trabalho exaustivo, alterações crônicas do nosso estado mental, mágoas, pesares e ressentimentos continuados, exposição ou ingestão de substâncias químicas que interfiram negativamente em nosso organismo (poluentes ambientais, agrotóxicos, drogas químicas e até medicamentos), etc.

Nessa época do ano, as alterações climáticas (em nosso meio, frio/seco) são mais propícias para as doenças respiratórias, da mesma forma que no verão (calor/úmido) as diarreias são mais comuns.

Quando todas as condições se tornam propícias, a pessoa adoece. E o trabalho do organismo não é o de combater a doença, é, na verdade, o de restabelecer a saúde. Veja bem: saúde não é o contrário de doença. Uma pessoa com saúde pode até ficar gripada, mas consegue se reequilibrar e sair deste estado com maior rapidez.

Então, para evitar ficar doente (em especial a gripe, tema destes dias), precisamos levar em conta uma mudança de nossa postura frente à vida. Melhorar nossos hábitos alimentares, por exemplo, comendo mais frutas, verduras e legumes (de preferência orgânicos, sem agrotóxicos). Não adianta comprar vitamina C na drogaria, a gente compra vitamina na feira. E a vitamina C nos ajuda realmente, mas precisa de tempo para ser assimilada e metabolizada pelo nosso organismo; é algo que devemos fazer no dia a dia.

Cuidar de nossa higiene, da limpeza do nosso corpo, das roupas, das mãos. Não adianta passar álcool gel em mãos sujas! Água e sabão é bem mais eficiente do que álcool gel – inclusive, é o que uso no consultório: água e sabão. Finalmente, outras mudanças: praticar exercícios físicos com moderação (para aumentar o vigor do nosso corpo, evitando o sedentarismo), dormir bem, não trabalhar até a exaustão, não passar horas da noite em frente ao computador (que, além da privação do sono, interfere de forma negativa, desequilibrando nossa Energia Vital, por causa da radiação), e encontrar felicidade na vida. E se, mesmo assim, ficarmos gripados, as orientações gerais são: repouso, alimentação leve, beber líquidos, e (se necessário) usar um medicamento homeopático indicado por seu médico.

H1N1 written in a chalkboard referring to influenza A virus

Quanto à vacina, não recomendo aos meus pacientes. Em minha prática clínica, tenho percebido muitos casos de agravos após o uso da vacina contra gripe: faringites, laringites, pneumonias, infecções de vias aéreas superiores e inferiores. E em geral, essas condições, quando aparecem após o uso da vacina, são bem demoradas para tratar. Por isso, tenho já há muitos anos e com bons resultados, recomendado aos meus pacientes que não tomem a vacina, e os acompanho de perto.

A melhora na saúde é muito nítida. No curso do tratamento homeopático, a imunidade das pessoas é fortalecida, tanto pelos medicamentos homeopáticos que estimulam positivamente a restauração do equilíbrio da Energia Vital, como pela mudança de hábitos e condições de vida que possam ser um obstáculo à cura. E, como temos dito aqui, a homeopatia é uma excelente maneira para combater tanto a doença aguda já instalada, de modo rápido, seguro e eficiente, quanto combater epidemias (já falamos aqui no site sobre a homeopatia no combate às epidemias).

Espero que este texto possa lhe ajudar a modificar seus hábitos em direção à saúde. Procure conhecer melhor a si mesmo, e encontrar possibilidades de tornar sua vida melhor. 

Sobre o autor

Dr. Paulo Daruiche

Dr. Paulo Daruiche

Médico Homeopata e Psicanalista, formado em 1994. Mestre pela UNIFESP / Saúde Coletiva, com pesquisa sobre Homeopatia nas Epidemias. Membro do Grupo de Estudos Homeopáticos de São Paulo “Benoit Mure”, onde é professor assistente no curso de pós graduação de Especialização em Homeopatia desde 1999. Membro do Corpo Clínico e Científico do Instituto Hahnemanniano George Galvão ­(IHGG). Membro da Associação Brasileira de Psicanálise Clínica.

Atende adultos e crianças, ministra palestras, cursos e workshops abertos para o público nas áreas de Homeopatia em geral, Saúde Integral, cura e prevenção de doenças, Saúde Mental e Espiritual e Vida Saudável, e em muitos momentos dedica-­se à música, meditação, Yoga, e outras práticas.

E-mail: [email protected]
E-mail Physis Saúde Integral: [email protected]
Site: www.ihgg.com.br
Telefones: (11) 2276-0008 / (11) 98829-8607