monica-grande2Empresária, com formação original em administração de empresas, que após a maternidade conheceu a aventura de ser mãe e o tal do amor incondicional, ou quase… e que a certa altura da vida percebe que existe uma razão maior de existirmos, que vai além da vida rotineira que lhe foi ensinada, despertando para o início de uma busca por autoconhecimento, espiritualidade e por uma forma de interação harmoniosa entre eles. E quando  descobre que não é corpo, nem é mente. Começa então, sua jornada pelo despertar, pela conexão com o Eu Maior, com o Eu Sou, Deus, que habita seu personagem nesta existência.

Nesse caminho recebeu muita ajuda, teve muitos mestres e curiosa, conheceu muitas coisas. Formou-se em Shiatsu, técnica de medicina oriental e compreendeu sobre as energias, como o corpo físico é uma máquina perfeita, além de uma grande antena por onde podemos sintonizar o Universo.

Visitou religiões, aprendeu a meditar, fez retiros, recebeu a Krya Yoga do Mestre Shibendu Lahiri Mahasay, é praticante de Yoga e encontrou muitas respostas em Budha: a aceitação, apego e aversão, e a causa do sofrimento. O medo que do sofrimento emana. O amor não é apego. Sem apego ou aversão o caminho é livre.

Atualmente conclui a formação em Psicanálise Clínica, na qual descobriu como a mente pode ser maravilhosa quando usada como ferramenta ou destrutiva quando fixada no passado. E que as almas adoecidas refletem sua dor em seus  corpos e como é linda e libertadora essa cura emocional pela palavra. Freud, Jung e a medicina da alma, tão preciosa quando aliada a medicina do corpo.

Transformada em buscadora do seu próprio mundo interior, da paz de espírito que independe do externo e consciente da responsabilidade de criar sua própria realidade, percebeu em muitos outros a mesma busca, e finalmente compreendeu que esta tudo interligado. Segue explorando, errando, caindo e levantando, ciente de ser um humano em formação. Eterna.

O  Eu Sem Fronteiras é fruto da ideia amorosa de ajudar, cuidar, compartilhar e disseminar os conhecimentos a todos os curiosos de si mesmos, que perceberam que não adianta buscar a paz fora, porque nada vai sanar esta inquietude. A resposta esta do lado de dentro e somente sera encontrada através do autoconhecimento, e tudo isso sem dogmas ou restrições, de verdade, sem fronteiras, e da forma como cada um achar melhor em cada momento de vida.

Conhecer a si mesmo, observar, perdoar e nos refazer a cada dia é tarefa árdua.
É preciso estar ciente de que tudo o que pensamos e fazemos move muitas energias e é transformador tanto para o bem  como para o mal. Um caminho evolutivo nos aguarda.

Tem muita gente disposta a ajudar o mundo, a compartilhar conhecimentos que nos transformam em seres humanos melhores. Uma nova era se forma: a do coletivo que impera sobre o individual.

Somos o elo de ligação entre as pessoas que querem dar e as que querem receber. Uma vitrine de coisas boas e sempre cientes de que estamos todos juntos nessa viagem. 🙂

 

silvia-grande

Olhando para trás percebe que, em sua vida, as coisas sempre aconteceram de maneira fluida, sem muito planejamento, embora tenha verdadeira admiração pelo planejamento “das coisas”.

A capacidade que a publicidade tem de apresentar produtos e serviços convencendo a maioria das pessoas que aquilo é necessário para suas vidas sempre foi uma questão intrigante. Seguindo esse encantamento, resolveu estudar Publicidade e Propaganda no colégio técnico e na faculdade.

Sempre foi muito observadora e analítica. Olhava para as pessoas e estava sempre tentando compreender as razões, os porquês de suas atitudes e, claro, tentando entender as suas próprias. Muitas vezes pensou em estudar psicologia porque queria entender melhor as motivações e sentimentos humanos.

Trabalhou em empresas e agências de publicidade, na área comercial, marketing e está há mais de 25 anos em pesquisa de mercado. Em pesquisa de mercado se utiliza de várias técnicas oriundas da abordagem psicológica. E ai está a Silvia! Trabalhando com publicidade e compreendendo o comportamento humano e social. Nada é coincidência!

Desde cedo se interessou pelo mundo espiritual e metafísico, tentando encontrar respostas para várias indagações sobre a vida, nossa origem, nosso destino e o porquê tínhamos que viver determinadas coisas (nem sempre tão positivas). Encontrou na Doutrina Espírita algumas respostas que faziam todo sentido. Para outras perguntas, ainda busca soluções. Talvez as encontre, quem sabe! De qualquer forma, participar da Doutrina lhe trouxe uma compreensão mais aprofundada das atitudes humanas e ajudou na busca pelo “eu interior”. Acredita que o importante é continuar se questionando e buscando a própria essência!

O Eu Sem Fronteiras surgiu ao final de 2014, através do convite da amiga Mônica. Fazer parte desse lindo projeto lhe deu a possibilidade de ampliar seus conhecimentos e de colocar em prática o desejo pessoal de envolver-se ainda mais com temas sobre o autoconhecimento e sobre a busca pelo equilíbrio.

O Eu Sem Fronteiras nasceu de um desejo puro e verdadeiro de compartilhar informações que apontem para a possibilidade de nos conhecermos melhor e compreendermos que somos sujeitos de nossa própria vida, os únicos capazes de transformá-la. Vamos acreditar em nossa própria capacidade de superação e desmistificar a ideia de que o outro é a causa de nossas aflições. Nada acontecerá sem esse salto qualitativo. Somos agentes e não pacientes. O Eu Sem Fronteiras está aqui para colaborar com esse processo.

Abraços, muita luz e obrigada por nos prestigiar!

 

nati-grande

Escolheu cursar Design Gráfico por sentir paixão por materiais gráficos. O cheiro do papel, da tinta, as cores… Tudo isso chamava atenção desde pequena, principalmente quando era dia de aula de artes! Depois de se formar em Design, resolveu se aventurar na Publicidade. Desde os 18 trabalha na área criativa, sempre buscando passar da melhor maneira a mensagem final. É crítica com seu trabalho e ainda mais consigo mesma. Se encantou com a ideia de se envolver com o Eu Sem Fronteiras, pois se apaixonou pelo fato de trabalhar e ao mesmo tempo aprender cada dia mais sobre si mesma, e quem sabe melhorar diversos defeitos e aspectos da vida.

Tem paixão pelas pessoas, em conhecê-las e admirá-las, mas também tem amor incondicional pelos animais. Tem um senso de justiça aguçado, fala sem parar, além de ser chamada de “mãe” por alguns amigos. Quando pode, tenta ser objetiva. Mas, quando não consegue, é emocional até demais.

Tenta todos os dias enfrentar novos desafios, quebrando seus próprios tabus. As palavras: aprender, pesquisar, planejar, amar, se aventurar, viajar, dar risada( e fazer os outros rirem) são algumas de suas preferidas.

 

gabi-grandeCom pouco mais de oito anos de idade decidiu que seria jornalista. A escrita, a leitura e as longas conversas faziam parte do seu dia a dia e parecia certo que se manteriam pelo resto da vida. Com incentivo de muitos professores, muitos livros e muita dedicação, está a um semestre de realizar o maior sonho de sua vida: ser jornalista.

A vida, então, lhe surpreendeu mais uma vez e lhe concedeu a chance de conhecer e noivar com um jornalista. E assim, as palavras continuam a lhe rodear.

No meio digital, encontrou a forma mais acessível e simples de mostrar sua própria opinião e, com o Eu Sem Fronteiras, encontrou o caminho para se conectar a outras pessoas e transmitir paz, harmonia e energia positiva.

A cada dia compreende mais seu papel no mundo: o de se autoconhecer e levar o conhecimento a todos.

 

redatores