Buscadora do Despertar da Consciência, Psicanalista Clínica, Empresária, Mãe.

Em certa altura da vida, senti o chamado para descobrir o que havia além da rotina, da vida material, do físico. Foram muitos os caminhos trilhados, muito estudo, muitas vivências e descobertas, muitos desafios, vários mestres. Gratidão a cada um deles.

Autoconhecimento, espiritualidade, física quântica, o universo, yoga, budismo, doutrinas, meditação, retiros, silêncio, corpo, mente, alma, o Ser, o Amor Maior.

Ser livre do mundo externo, do sofrimento de Maya, a ilusão.

Torna-se co-criador da própria realidade.

Colocar em prática o  Dharma, o dom e recursos recebidos em prol da sociedade, privilegiar o Todo, trabalhar, estudar, compartilhar, amar, evoluir, sem apego ou aversão.

Despertar para o Divino em cada um de nós. Aprender a enxergar o Ego e deixar que ele apenas trabalhe a favor dos propósitos do Todo, aprender a praticar o desapego e a aceitação… tem que buscar, tem que querer, e eu quero!

Assim como eu, muitos estão nessa jornada, e com este propósito de nos juntar, criamos o Eu Sem Fronteiras, projeto amoroso de compartilhamento e ponte entre quem quer dar e quem busca receber todo tipo de informação e conhecimento, livre de dogmas, julgamentos e crenças, para que cada leitor aproveite o que desejar em cada momento de sua vida.

Transformar conhecimento em sabedoria.

Trabalhoso, mas tem muita gente vibrando na mesma sintonia e disposta a compartilhar o que sabe, e nessa nova era onde o coletivo impera sobre o individual, conseguimos uma equipe linda de profissionais em sinergia com nosso projeto para juntar todo o bem e todo o bom aqui neste portal.

Aprender a perdoar, se perdoar, nos libertar de sentimentos negativos, mágoas, culpas e tudo que gera padrão negativo. Há muitas formas e ferramentas, mas precisa trabalho e enfrentamento.

Quanto maior a massa crítica vibrando positivamente  no amor universal, mais rápida a transformação deste planeta.

Queremos participar!


silvia-grande

Depois dos dois primeiros anos do Eu Sem Fronteiras, resolvemos atualizar nossas informações e isso foi um belo exercício de reflexão!

Nosso propósito sempre foi ajudar as pessoas na busca do autoconhecimento e eu, pessoalmente, não fiquei isenta disso.

Em meu perfil anterior disse: “olhando para trás percebo que, em minha vida, as coisas sempre aconteceram de maneira fluida, sem muito planejamento, embora tenha verdadeira admiração pelo planejamento ‘das coisas'”.  Hoje entendo que foi o foco no presente que me fez seguir o fluxo da vida em muitos momentos, sem me preocupar com o ontem ou com o amanhã. As coisas caminharam como deveriam ser.

Minha paixão pela publicidade se transformou na paixão por pessoas, comportamentos, sentimentos, atitudes e, principalmente, na capacidade e necessidade do ser humano de se comunicar, compartilhar e crescer. Minha formação acadêmica em Publicidade não mudou, mas minha formação humana tem sofrido diversas e importantes mudanças no sentido de compreender que sozinhos não chegaremos longe. Somos um sistema e como tal, precisamos uns dos outros.

Minha capacidade analítica e observadora, aplicada à Pesquisa Qualitativa de Mercado que, até então, me serviu para compreender o comportamento de consumo das pessoas e grupos, agora parece muito mais voltada a me compreender, a olhar para dentro de mim e buscar minha essência verdadeira. É praticamente impossível ficar ilesa, isolada e desconsiderar tantas informações e conteúdos com os quais lidamos no dia a dia de nossa redação.

Hoje entendo que o trabalho em áreas comerciais, marketing de empresas, agências de publicidade e a atuação em pesquisa de mercado estavam me preparando para esse mergulho no autoconhecimento. Nada é coincidência!

A curiosidade pelo mundo espiritual, pela meditação, pela metafísica, pela energia vital está se transformando em novos conhecimentos e práticas: Reiki, Apometria, Constelação Familiar, Thetahealing, PNL, EFT, Florais e tantas outras técnicas. Sigo acreditando que o questionamento, a busca de informação e a vivência me levarão a conhecer minha missão de vida, meus caminhos e minha plenitude.

Trabalhando no Eu Sem Fronteiras desde 2014, tenho aprendido muitas coisas, vivenciado outras tantas e não sei onde isso chegará! O que me importa é continuar nessa busca. É um caminho sem volta no qual o grande objetivo é aceitarmos que somos sujeitos de nossa própria vida, os únicos capazes de transformá-la.

Grande abraço e muita luz!

 

nati-grande

Escolheu cursar Design Gráfico por sentir paixão por materiais gráficos. O cheiro do papel, da tinta, as cores… Tudo isso chamava atenção desde pequena, principalmente quando era dia de aula de artes! Depois de se formar em Design, resolveu se aventurar na Publicidade. Desde os 18 trabalha na área criativa, sempre buscando passar da melhor maneira a mensagem final. É crítica com seu trabalho e ainda mais consigo mesma. Se encantou com a ideia de se envolver com o Eu Sem Fronteiras, pois se apaixonou pelo fato de trabalhar e ao mesmo tempo aprender cada dia mais sobre si mesma, e quem sabe melhorar diversos defeitos e aspectos da vida.

Tem paixão pelas pessoas, em conhecê-las e admirá-las, mas também tem amor incondicional pelos animais. Tem um senso de justiça aguçado, fala sem parar, além de ser chamada de “mãe” por alguns amigos. Quando pode, tenta ser objetiva. Mas, quando não consegue, é emocional até demais.

Tenta todos os dias enfrentar novos desafios, quebrando seus próprios tabus. As palavras: aprender, pesquisar, planejar, amar, se aventurar, viajar, dar risada( e fazer os outros rirem) são algumas de suas preferidas.

 

gabi-grandeCom pouco mais de oito anos de idade decidiu que seria jornalista. A escrita, a leitura e as longas conversas faziam parte do seu dia a dia e parecia certo que se manteriam pelo resto da vida. Com incentivo de muitos professores, muitos livros e muita dedicação, está a um semestre de realizar o maior sonho de sua vida: ser jornalista.

A vida, então, lhe surpreendeu mais uma vez e lhe concedeu a chance de conhecer e noivar com um jornalista. E assim, as palavras continuam a lhe rodear.

No meio digital, encontrou a forma mais acessível e simples de mostrar sua própria opinião e, com o Eu Sem Fronteiras, encontrou o caminho para se conectar a outras pessoas e transmitir paz, harmonia e energia positiva.

A cada dia compreende mais seu papel no mundo: o de se autoconhecer e levar o conhecimento a todos.

 

redatores