Convivendo

Carreto na Segunda-feira

santo
Marisa Pretti
Escrito por Marisa Pretti
Hoje eu vi um Anjo. Ou era um Santo? Sei que ele brilhava e eu não estava com enxaqueca e nem ressaca.

Não sei dizer bem ao certo, mas era um Ser de Luz intensa que transbordava.

Acordei tão tristinha, tão sem vontade de nada, cansada mesmo de tentar e não acertar. Pensando que Deus bem podia me mandar algum acalanto. E Ele manda mais: Manda logo um Santo!

Um Santo Anjo atípico: IMENSO, negro e forte.

Não havia leveza e ele não levitava. Pisava pesado suado e desajeitado. No lugar das asas, tinha escápulas bem definidas, aparentes na pele ressecada, rachada.

Claro que era um Anjo ou Santo. Como descrevi, era diferente dos protótipos de anjos. Sem louros cachinhos nem olhos azuis. Não rezava e nem cantava, eu mal entendia o que ele falava.

santo

Veio até a minha casa logo cedo. Entrega de pedras, plantas, flores, terra, adubo, minhoca, coisas de obra e jardim.

Sete horas da manhã: foi a hora da aparição do Santo Anjo.

O caminhão estacou na frente da minha casa e ele desceu.

O Santo Anjo tinha um olhar fundo de quem acordou cedinho e já atrasado subiu na caçamba do caminhão de carreto.

Caminhão do patrão. Quem sabe até, sem pão nem café.

Olhar vago, de quem prevê um longo dia de cansaço.

O Santo Anjo era belo. Beleza que você só vê, se aprendeu a ler a história da alma e não registra as impressões da superfície.

santoFoi entrando como um trator. Pisoteando e amassando a grama esmeralda, delicada, já plantada na frente da minha casa.

Por um momento, tive vontade de berrar irada: Cuidado com o meu jardim, ô moço! Mas segurei, engoli as palavras. Eu olhava ainda mais fundo, e via nele alguma referência de flor.

O Santo Anjo parecia uma legião, mas era só um.

Dava medo pensar na força que ele tinha se antes Santo, fosse um demônio. Lembrava um Djin, gênio dos contos árabes. Mas eu não estava com medo e não havia três pedidos à serem feitos.

E, sem pedir, eu já havia recebido mais do que podia imaginar numa manhã sem sol de uma segunda chata e sem sal.

Quando abri o portão, logo notei que uma Luz entrou junto. Clareou.

O dia estava nublado, chuvoso, mas, por um segundo, vi o sol dourando a fachada da minha casa.

Se acha que exagerei, tudo bem, mas eu sei, foi bem assim.

Carreto entregue.

Servi um café com leite só para ver se o Santo Anjo era gente.

E porque percebi a tristeza no olhar era fome também.

Entrei para pegar algum trocado e depois fiquei sem graça, pois aos Santos dá-se a reza e o agradecimento. Timidamente agradeci.

Vi uma lágrima desprender do seu olho esquerdo e pingar na altura do coração.

O dia estava nublado como eu disse, mas não chovia.

santo

Ouvi, uma única frase, em uma voz rouca sumida já saindo pelo portão: -“Deus lhe abençoe, dona, e dê em dobro a toda sua família”.

Tentei sem conseguir segurar a lágrima que agora era a minha.

A benção ficou e o Santo Anjo carregador foi embora sentado na caçamba.

Alastrou-se no ar um cheiro de esterco úmido, misturado às flores e terra vermelha. O perfume do Santo Anjo Peão. Impossível de esquecer!


Você também pode gostar de outro texto da autora: 

Sobre o autor

Marisa Pretti

Marisa Pretti

Amigo leitor...

Caro leitor...

Querido leitor...

Prefiro chamar você de Passageiro leitor.

Afinal, você está aqui de passagem como eu. Caminhando nesta Terra cheia de buracos e tanta água que haja braços fortes e pernas ligeiras para não se afogar.

Viver, a começar pelo ato de nascer, é para quem tem pacto fechado com a teimosia. O ar inflando os pulmões e o primeiro choro para que ninguém se engane: não estamos aqui só para sorrir, mas principalmente. Sim!

Sou mãe por vocação. Atriz por formação. Entusiasta por opção. Audiodescritora por paixão e profissão desde 2010.

Minha profissão, em uma breve descrição, se resume em traduzir imagens em palavras com o maior detalhamento possível para a pessoa com deficiência visual. Um recurso acessível também para idosos, disléxicos, pessoas com deficiência intelectual e para quem mais sentir necessidade dessa ferramenta assistiva. Simples e complicado assim. Trabalho com filmes, espetáculos de dança, teatro, vídeos, suportes empresariais, e o maior desafio foi levar acessibilidade visual ao Carnaval paulistano, desde 2017.

O mundo é visual, estímulos visuais são constantes! Por meio da audiodescrição qualquer produto pode ser traduzido em palavras.

Trabalhar com inclusão é estar atento ao outro, é ser um facilitador e igualar oportunidades.

Provavelmente foi esse gosto pelas letras encadeadas, mastigadas e saboreadas na língua como um demorado beijo que me trouxe até aqui.

Pretendo contribuir com minhas vivências e reflexões sem pretensão alguma, apenas para compartilhar alguns saberes. Uma leitura leve, um livre pensar, mas nem por isso descompromissado com a sua inteligência.

E porque creio na humanidade, na diversidade e na inclusão aceitei colaborar com o #EuSemFronteiras.

Abraços acessíveis!

OBRIGADA.

Email: [email protected]
Facebook: marisa.pretti
Instagram: @asmeninasdosolhos
Site: asmeninasdosolhos.com.br
LinkedIn: As Meninas Dos Olhos Marisa Pretti