Autoconhecimento

O que significa exatamente a morte

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Com o avanço da medicina em que o prolongamento da vida está alcançando níveis nunca antes vistos na história, um tabu permanece até hoje: como definir a morte de uma pessoa? Nas conversas populares, uma resposta comum para essa pergunta tem duas bases, geralmente: o coração da pessoa parou ou ela teve “morte cerebral”. Embora essas respostas muitas vezes são levadas como verdades absolutas, casos recentes registrados podem trazer a necessidade de rever esse conceito sobre a morte.

O tempo de 20 minutos em que um indivíduo fica com o coração parado, impossibilitando o cérebro de receber oxigênio, costuma ser o prazo para definir a morte do paciente. A questão é que alguns casos da medicina divulgados recentemente mostram que a delimitação entre a vida e a morte não é tão fácil de se delimitar como era imaginado até então, ou seja, há relatos de pacientes que ficaram mais de quatro horas sem batimentos cardíacos e foram reanimados sem nenhum dano cerebral.

shutterstock_85784923-1Segundo o professor Sam Parnia, diretor de pesquisa em ressuscitação da Universidade Stony Brook, em Nova Iorque (EUA), o cérebro entra em uma espécie de “hibernação” após o coração parar. É como se o cérebro se protegesse da morte e, para alcançar esta atividade, diminuísse ao máximo suas ações à espera de melhores condições para ser reativado, explica Parnia.

Para que o corpo “volte à vida” sem sequelas após o prazo de 20 minutos, Parnia aponta que são necessárias técnicas de ressuscitação adequadas para que o corpo possa voltar ao normal depois que o coração retome seus batimentos. Por exemplo, realizar a aplicação do processo após baixar a temperatura corporal do paciente para que o cérebro retome suas funções de forma lenta e gradativa, evitando que entre em colapso na tentativa de voltar a funcionar.

De qualquer forma, com o desenvolvimento de novas tecnologias, este século ainda pode ser marcado por novas descobertas para trazer pessoas de volta à vida.
Quem sabe até a realização de um transplante de cérebro com êxito, um sonho narrado por livros de ficção científica e que atualmente já é cogitado, de acordo com as últimas revistas científicas de medicina. Ao mesmo tempo em que se deve sonhar com novas descobertas, também é necessário refletir se a medicina deve ter o objetivo primordial de oferecer qualidade de vida às pessoas ou focar em prolongar a vida delas.


  • Artigo escrito por Diego Rennan da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]