Comportamento

A importância da utopia

Luis Lemos
Escrito por Luis Lemos

Você sabe o que é utopia? Sabe para que ela serve? Vamos conversar um pouco sobre essa palavrinha? Antes de tudo, faz-se necessária a definição do termo “utopia”. Para isso, lançaremos mão de um texto do renomado sociólogo brasileiro Pedrinho Guareschi, extraído de seu livro “Sociologia Crítica – Alternativas de Mudança” (2002, p. 162-163). Ei-lo: Utopia é a qualidade do ser humano ainda não embrutecido pela fraqueza ou pela realidade tremenda. É a liberdade que o homem se reserva de opor às situações decepcionantes e injustas uma força contraditória: a esperança. Esperança de que aquilo que não é, não existe agora, pode vir a ser, tornando realidade presente aquilo que precisa acontecer. A utopia é a imaginação criadora, existente, que faz presente o futuro real, a partir do presente passível de ser transformado e melhorado”.

Segundo Guareschi, há diferença entre profecia e utopia. Ei-la: “A profecia é visualização do não sabido, do desconhecido. A imaginação utópica é a projeção do sabido, do consciente. A utopia luta pela materialização de um desejo presente. Ela ‘projeta’, isto é, ‘lança adiante de si’ as coisas que devem acontecer e poderão acontecer se o homem quiser. A imaginação utópica dá à luz o que já está presente no seio das coisas”.

homem imaginando

Ainda segundo o mesmo autor, há diferença também entre burocracia e utopia. Ei-la. “Para os burocratas, só é bom o que é presente e só são possíveis mundos inteiramente ordenados e previsíveis; eles veem no exercício da imaginação utópica um perigo a suas vontades totalitárias. Para os utópicos, a imaginação é uma função própria e constante do ser humano, que deve ser exercida a todo momento, na escola, na política, na vida amorosa. Num mundo em que, pela vontade consciente de alguns e pela omissão da maioria (como demonstra a insânia nuclear, a ‘pacífica’ e a militar), o homem vem demonstrando, senão uma tendência para o suicídio, pelo menos uma resignação com a possibilidade do aniquilamento total, é importante agitar a ideia multicolorida da utopia”.

Você também pode gostar de:

Por fim, e não menos importante, o autor convoca-nos a sermos utópicos: “Não nos deixemos amarrar e aprisionar pelo que está aí. O que está aí é apenas a parte da verdade e da realidade. O futuro também faz parte da verdade e da realidade. E o futuro está sendo gerado no presente. Depende de nós fazê-lo nascer, torná-lo presente. Tudo é possível a quem quer. Essa a nossa consciência, a nossa convicção. O futuro nos pertence. O impossível não existe para nós”. O convite está feito: sejamos utópicos, exijamos o impossível!

Sobre o autor

Luis Lemos

Luis Lemos

Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA); Graduado em Filosofia pela Universidade Católica de Brasília (UCB); Bacharelado em Filosofia pelo Centro do Comportamento Humano (CENESCH).

Professor de Ciências Naturais na Secretaria Municipal de Educação de Manaus (SEMED/AM). Professor de Filosofia da Educação, Ética e Filosofia Jurídica na Faculdade Martha Falcão/Devry Brasil.

Tem experiência na área de Filosofia da Ciência, com ênfase em História da Filosofia, atuando principalmente com os temas: Educação, Ensino de Ciências, Epistemologia, Ética e Ética Profissional.

Autor dos livros: O primeiro olhar – A filosofia em contos amazônicos (2010); O segundo olhar – A filosofia em temas amazônicos (2012); O terceiro olhar – A filosofia em lendas amazônicas (2014); O homem religioso - A jornada do ser humano em busca de Deus (2016).