Cidadania Convivendo

Uma cidade sem político ou classes sociais. Sim, é possível!

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Imagine viver em uma sociedade completamente em paz. Não existem políticos, nenhuma espécie de hierarquia ou classe social. Todos são iguais em relação a todos. Você tem um trabalho digno, que beneficia todos os outros da vizinhança, e recebe o suficiente para suprir suas necessidades. Não existe violência nem grandes problemas. Parece uma utopia, não é? Pois saiba que essa cidade existe e você até pode morar nela, se quiser.

Estamos falando de Auroville, na Índia. É uma comunidade fundada pelo casal Sri Aurobindo e Mirra Alfassa, em 1968, e reconhecida oficialmente pela Unesco e pelo governo da Índia. São cerca de 2 mil pessoas vivendo em paz, mas a capacidade da cidade é de receber até 50 mil habitantes. Pra isso, eles recebem pessoas interessadas em morar lá, mas só aprovam a mudança definitiva após um ano de observação da índole e das atitudes da pessoa.

Para morar em Auroville é necessário comprar uma casa com valor médio de R$ 12 mil. Caso você não possua esse dinheiro, é possível negociar e pagar por meio de algum trabalho que a comunidade esteja precisando. Lá, atualmente, moram pessoas da Alemanha, dos Estados Unidos, de Israel, da Rússia e até mesmo do Brasil.

Os princípios são os mais básicos possíveis. Se não existe muita desigualdade, não existe motivo para criminalidade. Se todos fazem sua parte, não existe motivo para desavenças. Se todos praticam paz, amor e empatia, não existe motivo para nenhuma grande desavença.

Com profissionais dos mais variados campos, não existe escassez de mão de obra em quase nenhuma área. Todos têm empregos formais, mas também ajudam na manutenção da cidade, de alguma forma. Tudo é para o bem de todos que trabalham, o coletivo cuida do individual. Quando algum problema surge, assembleias são realizadas para decidir a melhor saída, pois também não existe nenhuma espécie de governança ou hierarquia.

A liberdade é a grande arma de Auroville, pois é por meio delas que as pessoas se sentem mais encorajadas a ser o que realmente são, sem precisar representar nenhum papel. Se ninguém tem grandes riquezas, também não existem motivos para inveja, sonhos irreais ou a criação desnecessária de vontade de ter o que o outro conseguiu.

É um verdadeiro reduto e exemplo do que todos os lugares deveriam ser, porém é um conceito que só é possível seguir por se tratar de um seleto grupo de pessoas de espiritualidade desenvolvida e grande autoconhecimento. Basta uma fruta podre para azedar toda a fruteira. Logo, em grandes cidades o conceito seria praticamente impossível de ser aplicado, uma vez que muitas pessoas de com discernimento reduzido não conseguiriam seguir uma vida pacífica. Em alguns lugares, o conflito já está tão arraigado que não conseguimos mais reduzi-lo.

No entanto, cidades como essa podem servir de inspiração para que cada um de nós reflita sobre nossos papéis na sociedade, pensando também no que podemos fazer para conseguir viver de forma mais pacífica, menos luxuosa e muito mais amorosa e feliz. Quando for lidar com seu vizinho, pense em Auroville e faça sua parte pela paz da vizinhança.


Texto escrito por Roberta Lopes da Silva da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]