Espiritualidade

Espiritualidade hoje

Recorte de uma mão orando com o pôr do sol ao fundo.
PopNukoonrat / 123RF
Maria Ivone Torres
Escrito por Maria Ivone Torres

Nestes tempos de grandes transformações, em que somos chamados a reflexões, a revisões comportamentais e, inevitavelmente, a prestar atenção aos outros, temos o recurso da espiritualidade que, em linhas gerais, tem a ver com atividade religiosa, misticismo, transcendência, elevação…

Opa, achamos um significado que pode servir à grande maioria de nós, pois elevação tem a ver com alteamento, alcançar um ponto superior, promoção, que nos remetem aos nossos anseios de sermos pessoas melhores e de melhorarmos o mundo, independentemente de como desenvolvemos nossa religiosidade e de abraçarmos ou não alguma religião.

A questão é como lidamos com a inquietação inerente aos seres pensantes, quanto ficamos atentos aos sinais internos e externos que reclamam a coragem do movimento transformador; que importância damos aos potenciais disponíveis no Universo, ao alcance de todos; como está nossa percepção das reais necessidades e carências de todos nós.

Uma mulher sentada no balanço admirando a natureza.
pexels / pixabay

Se estivermos atentos a esses detalhes, se aguçarmos nossos sentidos na captação dos sentimentos que decorrem destes tempos trabalhosos, é possível criarmos um canal direto e eficaz com o caminho da felicidade possível aqui na Terra, alcançando confiança e leveza para seguir nesta jornada.

Aí, então, o processo de espiritualização estará em curso, pois sempre que nos preocupamos uns com os outros e nos ocupamos das ações conjuntas, servindo e colaborando, confiando e impulsionando o bem, a vida responde, há ecos de prosperidade e bem-estar, de alegria e entendimento, numa onda crescente de amor.

Você também pode gostar

É o amor que nos garante o eterno poder de escolha, entre observar o mundo ou ignorar o humano, compreender as razões alheias ou confundir as lições recebidas, assumir nossas responsabilidades ou repassar possíveis culpas, cuidar muito bem de nós mesmos ou terceirizar nossa felicidade.

É o amor responsável que nos permite renovar, recomeçar, trabalhar e seguir com coragem, firmes, fortes e livres.

Sobre o autor

Maria Ivone Torres

Maria Ivone Torres

Secretária e analista aposentada pelo Metrô de São Paulo.

Palestrante e dirigente de cursos no Semeador – Instituto de Desenvolvimento Humanitário, de Alphaville.

Escreveu artigos para o “Jornal Sementes de Luz”, do Semeador.

Fez diversos cursos sobre autoconhecimento e individuação.

Contato:
Email: [email protected]