Espiritualidade

Estrada Iluminada – Sintomas da mediunidade

Mulher segurando as mãos sobre a esfera brilhante de luz.
Nilton C. Moreira
Escrito por Nilton C. Moreira
Muitos nos procuram informando mal-estar, tristeza inexplicável, mesmo quando a vida está nos conformes e não sabem o motivo de ficarem assim. Normalmente quando algo de anormal acontece conosco buscamos a medicina para resolver, mas acontece que muitos desconfortos apenas são minimizados em seus sintomas com a ingestão de medicamentos, e acabamos voltando ao médico várias vezes, chegando mesmo acreditar que o profissional teria se equivocado no diagnóstico, quando não é verdade.

Muitos medicamentos na mesa de cabeceira no quarto com mulher deitada passando mal em cama ao fundo

O que acontece é que a ciência trata o sintoma quando não aparece a causa física.
Geralmente, nos casos que envolvem comportamento como angústia, desânimo, depressão, a receita é medicamento para as manifestações, e a pessoa vai levando a vida até acreditando que seu estado é normal e que nunca voltará a ser como era antes.

Por trás disso tudo, está muitas vezes a chamada mediunidade, que a ciência não reconhece como causadora de certos sintomas, mas que é bem explicada e estudada por certas religiões, já que mediunidade não se trata de algo limitado a crenças e sim algo inerente ao ser humano: Já nascemos com esta aptidão.

A mediunidade pode causar sonolência, enjoo, náusea, tristeza, euforia, distúrbio comportamental, visões, cheiros, efeitos físicos como movimento de objetos, barulhos como batidas, arranhões, e também desmaios entre outras particularidades. Quando isso ocorre, é necessário buscar um médico para avaliação, mas também procurar-se numa das religiões que tratam o assunto a sério para um parecer. 

Não existe uma idade específica para que o médium sinta aflorar esta particularidade. Esta aptidão normalmente já está acertada de acontecer quando ainda estamos na espiritualidade, preparando a nossa vinda ao corpo físico. Lá, juntamente com os benfeitores espirituais, traçamos metas a serem atingidas aqui depois do nascimento e uma delas é a tarefa de desenvolver a mediunidade no sentido de ajudar as pessoas que necessitam.

Homem rezando, meditando em harmonia e paz ao pôr do sol.
Muitos acreditam que ela é algo ruim que nos acontece visto que gera sintomas desconfortáveis, mas, na realidade, mediunidade é benéfica, pois possibilita que com esta capacidade ajudemos pessoas, e com estudo aprendemos a lidar com ela. 

A mediunidade, equivocadamente como muitos pensam, não é para beneficiar quem a tem e sim para propiciar que trabalhemos em benefício de outrem, pois modalidades como a vidência e a psicofonia estão mais ligadas a auxiliar com esclarecimento em relação aos desencarnados (pessoas que partiram), para que se encontrarem no mundo espiritual.

Toda pessoa que tiver aflorada a mediunidade e não procurar o tratamento espiritual para ou livrar-se do compromisso ou exercer a nobre tarefa, poderá ser envolvido por patologias, muitas vezes, graves.

É necessário para tal muito estudo e também disciplina. “Ser médium é servir de intercâmbio entre o plano físico e o espiritual”. 


Você também pode gostar de outros artigos do autor: Vida além da Vida – Reforma íntima

Sobre o autor

Nilton C. Moreira

Nilton C. Moreira

Policial Civil, natural de Pelotas, nascido em 20 de maio de 1952, com formação em Eletrônica, residente em Redentora (RS), religião Espírita, casado.
Email: [email protected]
Facebook: /Nilton-C-Moreira