Autoconhecimento

Fobia: muito além de um medo qualquer

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

De acordo com uma pesquisa realizada no ano passado, cerca de 25% da população tem ou já teve fobia de alguma coisa. A doença geralmente costuma ter longa duração, provocando inúmeras reações físicas e psicológicas comprometendo diretamente a qualidade de vida da pessoa.

A fobia consiste em um medo inconsciente de um determinado animal, objeto, atividade ou qualquer outra coisa que represente pouco ou nenhum perigo explícito, mas que mesmo assim desperta pânico e ansiedade extrema. Diferente do medo, que surge geralmente como resposta a algum perigo ou situação de ameaça, a fobia não condiz com o perigo que tal coisa possa oferecer e a única lógica para explicar tal problema é a presença de um sistema inconsciente que vive dentro da mente humana, trabalhando de forma independente do racional.

Antigamente, os quadros de fobia e pânico não costumavam ser tratados e como consequência as pessoas que sofriam com a doença se afastavam e viviam isoladas

Hoje, com o avanço dos tratamentos psicológicos e uso de medicamentos o problema pode ser amenizado ou curado com mais facilidade. E é por isso que o número de pacientes que possuem algum medo patológico tem aumentado consideravelmente nas clínicas.  Para detectar se seu medo é comum ou é fobia existem algumas maneiras de diferenciação: a fobia não possui causa específica; não tem base na realidade concreta; provoca ansiedade fora do comum geralmente acompanhada de sintomas físicos como suadores e falta de ar; além de que o paciente tem consciência de que o medo que ele sente é absurdo.

Causas e fatores de risco

A fobia não possui uma causa específica, mas pode estar relacionada a históricos familiares ou algum trauma sofrido no passado que ainda não foi superado.

  • Idade

A fobia geralmente surge na infância, mas não elimina a possibilidade dela aparecer ao longo da vida, geralmente até os 35 anos de idade.

  • Histórico familiar

Se alguém da sua família tiver fobia de alguma coisa, a possibilidade de você desenvolver a mesma fobia aumenta. De acordo com especialistas, uma criança pode ter pânico de alguma coisa por ver a reação dos pais ou parentes diante da situação.

  • Temperamento

As pessoas mais tímidas e com dificuldade para se relacionar socialmente estão mais tendenciosas a crises de pânico.

  • Traumas

Passar por um problema mal resolvido ou uma situação marcante é um dos quesitos mais propícios para desencadear a fobia.

Sintomas

Os sintomas são diferentes de acordo com a fobia. Mas, algumas características estão presentes independentes do caso:

  • Medo incontrolável diante de alguma situação que apresenta pouco ou nenhum perigo.
  • Obrigação de evitar alguma situação, pessoa, animal, objeto ou o que te aflige.
  • Problemas para encarar a vida devido a este medo.
  • Ter ciência de que o medo é exagerado e ainda assim não conseguir controlá-lo.
  • Reações como suadores, falta de ar, ansiedade, tremedeira e taquicardia.
Possíveis complicações
  • As pessoas que possuem fobia estão mais sujeitas a desenvolver depressão.
  • Dependência química, vícios como cigarros e álcool, além de uso excessivo de medicamentos.
  • Mais chances de cometer um suicídio.
  • Isolamento social.
Ajuda médica

Se o medo estiver comprometendo a qualidade de vida é preciso buscar ajuda especializada, os mais indicados para detectar a fobia são: psiquiatras, psicólogos, neurologistas e pediatras.

O diagnóstico é feito por meio do lado clínico, não existe exames para detectar a doença. Para que o problema seja tratado como fobia é preciso se enquadrar em critérios estipulados pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, publicado pela Associação Americana de Psiquiatria.

Durante a consulta o médico fará uma série de perguntas, como:

  • O medo aumentou com o passar do tempo?
  • Você considera seu medo comum ou desproporcional?
  • O que as outras pessoas dizem sobre o medo que você sente?
  • O que te faz ter medo?
  • Quais os sintomas que você apresenta quando sente medo?
  • Este medo, de alguma forma, atrapalha sua vida?
  • Você foi diagnosticado com alguma condição de saúde mental? Qual?
  • Você tem algum parente próximo que sofra de alguma fobia?
Tratamento

Os médicos geralmente seguem três tipos de tratamento: psicoterapia, uso de medicamentos ou em casos extremos os dois métodos.

Entre as medicações mais recomentadas constam os sedativos, antidepressivos e betabloqueadores. Sendo os mais comuns: Anafranil, Cloxazolam, Clomipramina e Olcadil.

Vale ressaltar que os medicamentos só devem ser ingeridos com prescrição médica.


Texto escrito por Natália Nocelli da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]