Convivendo

O que são os sonhos?

Mulher branca deitada numa cama.
fizkes / 123rf
Escrito por Sonho Astral

Apesar de sonhar não ser exclusivo aos humanos, sendo algo que outros mamíferos também vivenciam, essa é uma experiência humana de certa forma comum, sendo alvo de inúmeros estudos e teorias desde a Antiguidade.

No antigo Egito, os sonhos eram tidos como mensagens divinas vindas de um mundo sobrenatural, assim como para os gregos, que os utilizavam na prática da medicina. Apenas a partir do século V a.C. que os sonhos começaram a ser estudados como algo concebido pela psique humana, com a hipótese de Heráclito.

Na atualidade, a visão freudiana é a mais aceita e difundida para explicar o sonhar. Para Freud os sonhos tratam de desejos reprimidos sendo “cumpridos”, ou externados, através do subconsciente em forma de sonhos.

Vale ressaltar que o caráter espiritual dos sonhos ainda é levado em consideração por muitas religiões, que os têm como frutos de experiências extracorpóreas adquiridas durante o sono físico.

Como o estudo dos sonhos pode influenciar na sua vida?

Encarando os sonhos como expressões de nosso subconsciente, temos uma importante ferramenta para o entendimento de situações que, conscientemente, não percebemos.

Ao estudar e entender os sonhos, passamos por uma espécie de autoanálise noturna, onde pensamentos e ideias são processados e sedimentados, servindo de alertas e influenciando situações presentes ou futuras.

Por mais surreais ou bizarros que os sonhos muitas vezes possam parecer, eles necessariamente carregam significados específicos. O contexto de vida do indivíduo é peça-chave para entender, de fato, o que tal sonho quis dizer, portanto é necessário um estudo mais minucioso para, de fato, compreendê-lo.

Acompanhe, a seguir, um pouco mais sobre a história e o estudo dos sonhos. Veja também a interpretação dos sonhos e a teoria de seus significados.

História dos sonhos

Desde que foi criada a linguagem escrita, existem relatos sobre os sonhos. Os babilônios os encaravam com tamanha seriedade que, antes de decisões importantes, repousavam em templos na espera de sonhos reveladores que pudessem indicar suas ações.

Mulher branca deitada numa cama com pedras coloridas ao redor da cabeça.
elinadjan / Reshot

A visão espiritual e de origem divina prevalecia na interpretação dos sonhos durante a antiguidade. Para os gregos, durante o sonho a alma vagava fora do corpo e eles tinham, no sono, formas de receber instruções divinas quanto a tratamentos de saúde.

Já os egípcios encaravam os sonhos com seriedade, confeccionando livros acerca de seus significados e os tendo como comunicação com os deuses.

Atualmente os sonhos são encarados por um aspecto mais científico, tendo como expoente máximo o psicanalista Sigmund Freud e sua obra “A interpretação dos sonhos” (1900). Na visão de Freud, durante o sono o cérebro se vê mais livre podendo, então, processar e exprimir desejos reprimidos do inconsciente.

Para a neurologia os sonhos lúcidos (sonhar tendo consciência e controle total do sonho) são fundamentais ferramentas para o entendimento e cura de diversas doenças neurológicas, sendo alvo de inúmeros estudos científicos.

Estudo dos sonhos

A ciência do estudo sobre os sonhos, chamada onirologia, busca mapear o cérebro em suas etapas de vigília e do sono. Com esse mapeamento é possível analisar quais hormônios são relacionados a cada etapa, com estímulos que identificam quais áreas cerebrais foram ativadas ou desativadas.

Por meio desse tipo de estudo, concluiu-se que, ao sonhar, o cérebro humano entra em um estágio altamente ativo, em uma fase do sono chamada REM (rapid eye movement) ou MOR (movimento ocular rápido).

A característica de movimentos rápidos dos olhos deu nome a essa fase do sono e, com o uso de eletroencefalogramas, provou-se que a atividade cerebral é comparada à de uma pessoa totalmente acordada.

Essa etapa do sono ocorre mais ou menos de 90 em 90 minutos e pode durar cerca de meia hora. É nessa etapa que se acredita acontecerem com maior intensidade os sonhos, mas estudos neurológicos demonstram que em fases de menor atividade cerebral eles também ocorrem.

Interpretação dos sonhos

Seja qual for a base cultural, intelectual ou religiosa de um indivíduo, os sonhos despertam imensa curiosidade. As interpretações dos sonhos variam bastante de acordo com cada pessoa e seus respectivos contextos de vida.

Palavra "dream" escrita num vidro embaçado.
stephaniemhicks / Reshot

Antes de buscar significados específicos sobre algo que sonhou, tenha em mente que eles refletem pensamentos e sentimentos contidos em nosso subconsciente. Seja qual for a linha de pensamento seguida para interpretá-los, eles são sempre carregados de significados e avisos.

Atente-se aos detalhes do sonho e busque em si mesmo, como em uma espécie de viagem de autoconhecimento, de que forma o sonho se relaciona com algo que esteja vivendo no momento ou que já aconteceu em sua vida.

Teoria dos significados dos sonhos

Para a psicanálise moderna o sonho traz à tona as ansiedades e desejos mais profundos, geralmente vindos de memórias e obsessões reprimidas da infância, como disse Freud em sua aclamada obra sobre a teoria dos sonhos em 1900.

Para ele, praticamente todos os assuntos relacionados aos sonhos também representam a liberação da tensão sexual.

A psicologia acrescenta ainda que os sonhos desempenham um importante papel de equilíbrio entre consciente e inconsciente. Através deles somos capazes de nos tornarmos conscientes de nosso próprio “eu”, o que só é possível através da integração dos processos conscientes aos processos inconscientes.

A interpretação dos sonhos, mesmo que sejam pesadelos, permite alcançar curas interiores, desde que sejam interpretados como mensagens do inconsciente.

A chamada imaginação ativa, na interpretação dos sonhos, permite um aumento exponencial na criatividade do indivíduo além de trazer à tona a realidade de nossos próprios desejos e realizações profundas de nosso ego.

Teoria dos sonhos bizarros

Por mais que se tenha estudado os sonhos ao longo dos séculos, ainda não se sabe com certeza absoluta o que de fato nos faz sonhar. Com os avanços notáveis da ciência, teorias nada convencionais sobre os sonhos têm surgido.

Um exemplo é em relação aos sonhos bizarros, aqueles que fogem a qualquer lógica e que contém elementos fantásticos e surreais. Baseando-se nas redes neurais de inteligências artificiais, que aprendem ao longo do tempo, o neurocientista americano Erick Hoel criou a teoria do cérebro superdimensionado.

Segundo esta teoria, sonhos que fogem totalmente à realidade são nada mais que mecanismos que o cérebro cria para ampliar suas redes neurais. Em outras palavras, o cérebro de certa forma quebra parâmetros corriqueiros com o objetivo de ampliar processos perceptivos, nos tornando mais preparados para situações inesperadas e novas.

Curiosidades sobre os sonhos

Quando o tema é sonho, o que não faltam são teorias e curiosidades. Confira no restante do artigo se as pessoas sonham todas as noites e se sonhar é um privilégio exclusivo dos seres humanos.

Veja também se os sonhos acontecem em qualquer fase do sono, quais os fatores que podem influenciá-los, se é possível manipular um sonho, e para que eles servem.

As pessoas sonham toda noite?

Desde a mais tenra idade até a fase adulta e mesmo na velhice todos os seres humanos sonham. Em grande parte das vezes o sonho ocorre na fase REM (movimento ocular rápido), onde há um relaxamento completo dos músculos do corpo, evitando reflexos motores enquanto sonhamos.

Levando-se em conta que temos de cinco a seis ciclos de sono, formados pelas fases 1, 2, 3 e sono REM, acredita-se que em média o ser humano sonha 5 ou 6 vezes por noite.

Sonhar é uma exclusividade dos seres humanos?

Estudos neurocientíficos já comprovaram que sonhar não é algo único dos seres humanos. Comprovou-se que principalmente mamíferos e aves também passam pelo sono REM, durante o qual ocorrem os sonhos.

Mulher branca num balanço.
dantes1401 / Reshot

Ainda há muito para se pesquisar em relação aos sonhos e aos animais, mas acredita-se que experiências, memórias e demais processos cerebrais importantes também são desenvolvidos pelos animais por meio dos sonhos.

Os sonhos acontecem em qualquer fase do sono?

Representando estados fisiológicos distintos, o sono se divide em 5 estágios que em média duram 90 minutos cada. Um ciclo de sono em média é repetido cerca de 5 vezes por noite.

No primeiro estágio se iniciam as primeiras sensações de sono, e é nesta fase que podemos mais facilmente ser acordados. Na segunda etapa há uma significativa redução de batimentos cardíacos e temperatura corporal. É nesta fase, que dura de 5 a 15 minutos, que os músculos relaxam, e se torna mais difícil de despertar a pessoa.

Na terceira etapa atinge-se um sono profundo ligeiramente mais leve que o estágio 4, onde o indivíduo encontra-se em completo relaxamento muscular e estado profundo de sono. Após a fase 4, o indivíduo retorna à fase 3, depois à etapa 2, e então entra na fase REM.

É na etapa REM em que há maior atividade cerebral, porém os sonhos também podem ocorrer, com menor frequência, nas demais etapas do sono. Acredita-se que é durante o sono REM que processos cerebrais importantes relacionados à memória acontecem.

Quais os fatores que influenciam nos sonhos?

Levando-se em conta a característica subconsciente dos sonhos, nosso estado emocional influencia diretamente sobre eles. Situações vividas, experiências mal processadas pelo consciente e preocupações podem ditar o tipo e a intensidade de nossos sonhos.

Outros aspectos também são abordados quanto às suas influências sobre os sonhos. A posição em que se dorme, por exemplo, pode influenciar em níveis de oxigenação cerebral, o que pode acarretar em alteração no sono e consequentemente nos sonhos.

Outro fator de relevância é a interação dos sentidos fisiológicos durante o sono como olfato e audição. Estudos comprovam que cheiros ou melodias podem influenciar o corpo durante a fase de REM acarretando ou influenciando sonhos.

É possível manipular um sonho?

Os sonhos lúcidos, aqueles em que temos lembrança e controle sobre o que é sonhado, são bastante raros. Estima-se que ao longo da vida um indivíduo consiga ter apenas 10 sonhos lúcidos.

Estudos científicos recentes demonstram que é possível controlar os sonhos lúcidos desde que esta interferência seja feita em uma etapa específica do sono chamada “hipnagogia”.

Você também pode gostar

Nesta fase do sono, que ocorre antes do sono profundo, o cérebro ainda responde estímulos externos, porém não está totalmente acordado. Desta forma, estimular o cérebro de forma específica durante esta etapa de sono semiconsciente, demonstrou ser eficaz na sugestão dos temas sonhados, assim como controle sobre o sonho em si.

Para que servem os sonhos?

Muito se acreditou no aspecto sobrenatural e profético dos sonhos ao longo da história. Atualmente a ciência os classifica como manifestações de processos cerebrais importantes, como processamento da memória, que ocorre durante o sono.

A psicanálise moderna dedica longos estudos sobre os sonhos os relacionando com o mundo subconsciente que todos nós carregamos. Seriam formas figuradas que o cérebro encontra para trazer à tona sentimentos e desejos ocultos à tona.

Há ainda a linha de pensamento espiritualista que vê nos sonhos lembranças de experiências extra corpóreas através de desdobramentos espirituais.

Seja qual for a interpretação dos significados e utilidade dos sonhos, uma coisa não se discute: eles são importantes mecanismos fisiológicos e psicológicos, auxiliando em processos de autoconhecimento importantes para a vida de um indivíduo.

Conhecer o significado dos sonhos pode auxiliar na sua vida?

Qualquer processo ou mecanismo que permita o autoconhecimento é benéfico ao ser humano. Por ser uma experiência de caráter individualista e intimista, os sonhos trazem um forte senso de “mergulhar em si mesmo” e é isso que causa um grande fascínio perante os sonhos.

Apesar de existirem inúmeras publicações acerca de significados específicos dos sonhos, eles são singulares, se diferenciando de indivíduo para indivíduo. Desta forma podemos dizer que não existe metodologia ou guia específico para compreensão dos sonhos. O entendimento de seus significados é de propriedade única de quem sonha.

Por mais que pareçam sem sentido, eles necessariamente estão cheios de significados. Portanto esteja atento, reflita sobre os detalhes específicos do sonho, e tenha paciência, pois muitas vezes leva-se anos para de fato entender seus reais significados.

Com toda a certeza o entendimento das mensagens e alertas vindas através dos sonhos irá auxiliar sua vida na tomada de decisões ou mudanças de padrões de comportamentos de um modo geral. Para saber mais sobre como interpretar seus sonhos, clique aqui.

Sobre o autor

Sonho Astral

O Sonho Astral é um portal dedicado ao significado dos sonhos e à espiritualidade que tem o principal objetivo de informar e auxiliar no autoconhecimento e no desenvolvimento pessoal por meio da interpretação dos sonhos. Buscamos sempre fornecer informações acuradas e com o máximo de detalhe possível.

Email: sonhoastralinfo@gmail.com