Convivendo Espiritualidade

Religião e Espiritualidade

Religião e Espiritualidade
Roberto Guelfi
Escrito por Roberto Guelfi

A maioria das religiões não dogmáticas e as filosofias esotéricas, tanto do Oriente como do Ocidente, admitem, mesmo que não explicitamente, que a razão da existência do homem sobre a face da Terra é a oportunidade que a vida lhe oferece para desenvolver sua consciência.

As lições de amor e sabedoria trazidas pelos líderes espirituais, em todas as épocas, tratam de induzir a humanidade ao amor ao próximo, ao congraçamento, à solidariedade, à generosidade, à compreensão das Leis Universais e ao louvor a Deus, cuja concepção depende do estado de consciência de cada um.

Desde os primórdios da humanidade o ser humano tem sido compulsivamente atraído pelo sobrenatural, pelo desconhecido, pelo imponderável, como se a vida material, a realidade prática da simples satisfação de suas necessidades não fosse suficiente para lhe trazer plenitude, sendo os deuses os grandes gestores deste mundo supra terreno que influenciam e julgam cada ato do ser humano sobre a Terra.

Mulher em pé de costas admirando o pôr do sol.

O legado da sabedoria milenar sobre os princípios cósmicos universais, compreendidos e observados numa época remota em que o homem se sabia de natureza divina, foi transformado numa visão dogmatizada, dramatizada e poética, mas pouco elucidativa, pelas civilizações mais recentes, particularmente as do Ocidente.

São poucas as instituições religiosas ou espiritualistas que guardam esses conhecimentos em sua estrutura original ou que se dispõem a divulgá-los.

De resto, o que permeia os preceitos das religiões modernas é a simbologia que, como um cofre inviolável, procura reter a essência do verdadeiro conhecimento. No entanto, longe de preparar o discípulo para o entendimento dessa simbologia, as instituições religiosas preferem utilizá-la como dogma, interpretando-a em seu próprio benefício, pretensamente mantendo o poder exclusivo sobre o conhecimento que ela representa, para, com isso, exercer seu domínio religioso sobre os menos esclarecidos.

Mãos de um padre em preto e branco segurando uma hóstia.

Ora, o conhecimento sagrado, combustível cuja função é a de induzir o avanço espiritual do discípulo, desprovido de seu comburente imprescindível, o Amor, torna-se tão inócuo quanto o nutriente, cujo metabolismo não ocorre pela falta do oxigênio.

A crença de que a religião deva ser praticada através de uma instituição religiosa é uma imposição da necessidade de se congregar sob um único teto todos aqueles aos quais a “verdade institucional” será proclamada pelos “representantes da divindade na Terra”.

A libertação espiritual depende da convicção de que cada ser humano é um habitáculo da divindade, e portanto, contém em si total competência para o desenvolvimento de sua espiritualidade.

Você também pode gostar

Religião é um termo de origem latina cujo verbo significa “religar” (o homem a Deus). Só é possível religar, algo que no passado já esteve ligado. O empenho primordial das religiões, portanto, deveria ser o de despertar a consciência dessa ligação que, embora nunca tenha deixado de existir, pois a essência humana é divina, fugiu à percepção do homem por sua excessiva identificação com a matéria.

No entanto, as religiões dogmáticas tratam a divindade como uma entidade distinta do homem, que deve ser adorada, respeitada e obedecida, sob pena de sofrer ele os castigos impostos pelo rancor divino. Como então pedir ao pecador que se ligue a seu algoz?

Em seu significado original, o termo religião pode ser considerado sinônimo de espiritualidade. Mas tendo sido desvirtuado através dos tempos, hoje não seria apropriado utilizá-lo, de forma corrente, para significar o empenho no desenvolvimento da consciência humana.

Figura de entidade religiosa Ganesha.

Autônomo que é, o homem depende apenas de si próprio para o processo de sua evolução espiritual. Os líderes, em torno dos quais as religiões foram criadas, de colossal estatura espiritual, tiveram missões muito mais relevantes que estabelecer instituições destinadas à sua própria adoração.

A presença desses líderes, verdadeiros representantes do plano divino (Avataras), se dá pelo impacto de suas energias cósmicas com os corpos sensíveis de cada ser humano, canalizadas através de seu Eu interior, a individualização da divindade no homem. Nenhuma instituição ou congregação organizada é necessária para que este processo se estabeleça.

Qualquer instituição “religiosa” somente será útil à evolução da humanidade quando se propuser a prover a motivação autêntica, a facilitar o processo evolutivo autônomo e a incentivar o “ousar saber”!

Crianças budistas com vestimenta tradicional laranja.

Ao contrário, se chamar a si a propriedade da verdade, e em nome dela, impuser seus dogmas e regras de conduta, esta organização estará apenas criando uma população dependente de sua autoridade, incapaz, portanto de promover a própria evolução espiritual “sustentável”.

Assim, a ninguém é dado o direito de atribuir a responsabilidade pelo despertar de sua consciência a qualquer instituição religiosa, por mais que frequentá-la acalente suas emoções mais profundas. Emoção e êxtase, produzidos em qualquer culto religioso, podem ser resultados autênticos de conexões sutis, mas também de efeitos químicos e de manipulações psíquicas. Em nenhum dos casos, no entanto, são sinônimos de evolução espiritual.

Evolução é transformação! É um processo alquímico, é um processo quântico! É um processo dialético inexorável.

Sobre o autor

Roberto Guelfi

Roberto Guelfi

Espiritualista, escritor, revisor literário, músico amador. Seu trabalho é divulgado na mídia digital e por meio de livros que propaguem a Luz.

De formação profissional na área de gestão de empresas e na área acadêmica, particularmente em finanças, desde muito jovem tem se lançado ao desafio de seguir o roteiro, imposto pela consciência de olhar para cima, para fora do sistema socioeconômico-cultural (a matrix), fazendo do desenvolvimento da consciência seu projeto de vida, o que só parece fazer sentido se compartilhado com quem quer que se coloque na trajetória dessa intenção.

Contatos:
Email: [email protected]
Facebook: Roberto Guelfi
Página do Facebook: ousarsaber.rguelfi
Livro: Ousar Saber