Convivendo

A vida viva vive

A vida viva vive. Escreveu o título e ficou a pensar no que significava. A vida viva vive. Gostava de começar pelos títulos, mas nem sempre o restante do texto se compunha de imediato.

Ficou ali, a olhar os vês: vê – i, vê – a, vê – e. Vida viva vive. A frase como um vento soprando na cabeça vazia. A vida viva vive. Um substantivo, um adjetivo e um verbo precedidos de um artigo definido. Definido? Aquilo o incomodou. Talvez ficasse melhor se usasse um artigo indefinido. Uma vida viva vive. Incomodou-se também. Uma ou a? Se fosse a, pareceria uma sentença definitiva, uma abstração. A vida como todas as vidas.

Não era isso que queria dizer com vida viva vive. No entanto, se ficasse Uma vida viva vive, daria a sensação de que só aquela vida, aquela uma, a viva, e nenhuma outra, vive. Seria isso? Os olhos olhavam, as perguntas perguntavam, mas a cabeça, ainda mais vazia, só ventava. E o vento soprava, vês, vis, vas. Uma vida, a vida. Talvez mais importante do que o substantivo precedido de seu artigo, fossem o adjetivo e o verbo: viva vive. Viva poderia receber um ponto de exclamação e faria toda a diferença: Viva! Começava a delirar. Era sempre assim, quando a escrita travava, o delírio se intensificava.

Você também pode gostar

Delirava entre vas, vês, vis. Afinal, o que queria mesmo dizer? ______ silêncio. Respirou um pouco mais profundamente e voltou-se novamente para o título: A vida viva vive. Deixaria o artigo definido, não tinha forças para indefini-lo. Às vezes, pensava que era mais difícil indefinir do que simplesmente definir. Eis o título: A vida viva vive. O vento soprou mais uma vez, levando os últimos pensamentos, vês… O que era mesmo que queria dizer na crônica que escreveria com esse título? A cabeça vazia ecoou: A vida viva vive.

Sobre o autor

Nina Veiga

A artemanualista e ativista delicada Nina Veiga é doutora em educação, escritora, conferencista. Sua pesquisa habita o território da casa e suas artes, na perspectiva da antroposofia da imanência. É idealizadora e coordenadora do coletivo Ativismo Delicado e das pós-graduações: Artes-Manuais para Educação, Artes-Manuais para Terapias e Artes-Manuais para o Brincar. Desenvolve trabalhos de formação de artífices e escritores. Suas oficinas associam o saber teórico-conceitual às artes-manuais como modo de existir e à escrita como produção de si e do mundo.

Email: ninaveiga@ninaveiga.com.br
Facebook: ninaveigadra
Instagram: @ninaveigaatelier
Twitter: @AtivismoD
Skype: nina.veiga.atelier