Autoconhecimento

Criatividade: dom ou prática?

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Muitas pessoas são apontadas como naturalmente criativas, passando a ideia de que a criatividade é uma característica adquirida exclusivamente no nascimento. Não é verdade, tanto é que o brasileiro não tem a fama de ser “mestre das gambiarras”? Por mais que esse “título” seja usado de maneira pejorativa, ele reflete não só um sinal de criatividade, mas também que essa qualidade pode ser adquirida de acordo com as circunstâncias em que a pessoa se situa no momento da necessidade de ser criativa.

Por mais que não seja perceptível no dia a dia, a criatividade é uma resposta subjetiva de cada um de nós para superar desafios que nos deparamos. Pelo fato de alguns desses desafios parecerem mínimos, as soluções promovidas por nós passam despercebidas no cotidiano, mas não deixam de ser sinal de pura criatividade. Vamos citar, como exemplo, o ato de colocar palha de aço na antena da televisão para melhorar a qualidade da imagem transmitida pelo aparelho.

Embora as antenas que ficavam em cima dos televisores não estejam mais tão em alta como outrora, a prática de utilizar a palha de aço busca a resolução do problema da imagem ruim. O fato da palha de aço não ter sido desenvolvida para essa finalidade, a tentativa de colocá-la na antena para tentar melhorar o sinal é uma forma de resolução do problema. A forma mais eficaz para resolver essa questão seria a compra de uma nova antena e/ou televisor, porém a impossibilidade dessa ação, seja lá qual for o motivo, nos desperta a necessidade de resolver o problema através da maneira possível para chegar ao resultado positivo.  

shutterstock_163180895

Segundo o professor de design gráfico Brad Hokanson, da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, o desafio na resolução de um problema é responsável diretamente pelo aprimoramento de nossa criatividade. O fato de termos a sensação de que um problema é impossível de ser solucionado nos impede de tentar tomar qualquer atitude, assim bloqueando a nossa mente de buscar alguma inovação para algo que a gente não sabe lidar naquele presente momento.

Uma sugestão para estimular a criatividade que existe dentro de cada um de nós é a exposição a ambientes, coisas e pessoas diferentes. Algumas pesquisas mostram que nossas memórias e experiências em lugares diferentes podem nos ajudar a resolver os problemas de onde vivemos. E isso segue o princípio básico da Lei da Evolução, no qual a gente se adapta às mudanças. Nós temos muito mais capacidades do que imaginamos, basta que sejam estimuladas.


  • Escrito por Diego Rennan da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]