Convivendo

Dança Materna: união entre bebê e mãe

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Tatiana Tardioli é graduada em Geografia pela USP (Universidade de São Paulo). Seu interesse pela dança começou ainda durante o curso, quando voltou seu radar para a feminilidade. Dançando profissionalmente e ministrando aulas desde 1998, Tatiana desenvolveu a Dança Materna em 2008, após a gestação da sua primeira filha, Nina.

Ela utilizou os conhecimentos adquiridos nos cursos “Crianças de Zero a Três – Formação de Profissionais para as Infâncias no Brasil”, pelo Instituto Singularidades, “A Arte do Brincante para Educadores”, do Instituto Brincante, na participação do projeto “Alfabetização Corporal”, coordenado pela fisioterapeuta Denise de Castro e também de suas pesquisas em dança contemporânea e popular, estudos de educação somática, fisioterapia e transdiciplinaridade.

O que é?

O Dança Materna é um projeto de atenção, onde mãe e bebê são acompanhados até os três anos da criança. A mãe recupera o peso, melhora a postura, fortalece e tonifica os músculos. O bebê relaxa – devido ao contato com a mãe – dorme melhor e tem menos cólicas. Os pais são convidados a participarem, para estreitarem ainda mais os vínculos familiares e mostrarem-se atuantes na criação desde os primeiros momentos.

Recomendações: roupas leves para mãe e bebê.

Dança materna para mães e bebês engatinhantes

É voltada para bebês até um ano. Mulheres que tiveram parto normal com bebês a partir de um mês e meio podem participar. Mães que passaram por cesariana podem participar também, após um mês e meio. Nas aulas são exigidos o sling ou qualquer tipo de carregador.

Dança Materna para mães e bebês andantes

Aulas voltadas para bebês até 3 anos. As mães fazem aquecimento e alongamento, enquanto os bebês observam e brincam. A modalidade para bebês andantes combina movimentos de chão, colo e carregador. As novas habilidades dos pequenos são estimuladas para aumentar o vínculo com a mãe e os outros bebês.

Onde fazer?

Em São Paulo, as aulas são realizadas nos seguintes espaços:

Casa Moara,

Quintas-feiras às 14h30 com Tatiana Tardioli

Rua Guararapes, 643 – Brooklin – Zona Sul

Informações e inscrições pelo e-mail: [email protected]

Espaço Dança Materna na Casa do Brincar
Quartas-feiras às 16h15
Rua Ferreira de Araújo, 388 – Pinheiros

As aulas da Dança Materna também são ministradas em outros estados:

Pernambuco – Recife (Com Luciana Brito)

Sábados às 14h00

No anexo da clínica CENEL

Rua Zé Maria, 855 – Rosarinho, Recife

Informações e inscrições:
[email protected]

(87) 98105-1751

EM BREVE:  Terças-feiras às 19h00 e aos sábados às 9h00

Espaço Sementinhas
Rua João Cardoso Ayres, 555 – Setúba

Informações no site: dancamaterna.blogspot.com.br

Mato Grosso do Sul (Com Filó Souza)

Informações pelos telefones (67) 9295-4367 e (67) 9959-8664

Amazonas – Manaus (Com Thati Gobeth, 1ª professora da região norte certificada por Tatiana Tardioli)

Rua Natal 601, Adrianópolis

Informações pelos telefones (92) 3345-5905 e (92) 98114-7343

Instagram: @espaco_conviver e @dancamaterna

Veja onde mais acontecem as aulas:

  • Balneário Camboriú (SC)
  • Belo Horizonte (MG)
  • Belém (PA)
  • Betim (MG)
  • Brasília (DF)
  • Campo Grande (MS)f
  • Catalão (GO)
  • Contagem (MG)
  • Florianópolis (SC)
  • João Pessoa (PB)
  • Macaé (RJ)
  • Niterói (RJ)
  • Osasco (SP)
  • Presidente Prudente (SP)
  • Resende (RJ)
  • Rio de Janeiro (RJ)
  • Salvador (BA)
  • Santo André (SP)
  • São Bernardo do Campo (SP)
  • São Caetano do Sul (SP)
  • São José do Rio Pardo (SP)

Já conhecia a Dança Materna? Fale para a gente o que achou. Se pratica, conte o que acha. Para mais informações, visite o site da Dança Materna. 


Texto escrito por Sumaia de Santana Salgado da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]