Coaching Comportamento Convivendo

6 passos para transformar desconhecidos em contatos

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
O networking não tem que ser uma tarefa. Com a abordagem certa, aquela pessoa no elevador pode se tornar seu futuro parceiro de trabalho, o contato que te ajudará a mudar de emprego ou um amigo de longa data.

Dois anos atrás, a coach de apresentação Deborah Grayson compareceu a um evento em Nova York. Vestindo um único colar que comprou enquanto ensinava sobre comunicação executiva em Pequim, ela decidiu conhecer alguém que estivesse vestindo alguma peça de ouro. Ela diz: “Encontrei uma mulher usando um lindo óculos verde e um colar de ouro, então andei até ela para cumprimentá-la. Acontece que ela era uma recrutadora procurando um bom instrutor de habilidades de apresentação especializado em trabalhar com estudantes chineses de MBA. Por eu ter conversado com uma estranha, acabei tendo um dos melhores shows da minha vida”.

Fazer conexões é a chave para o seu sucesso.

A história de Riegel é um bom exemplo para a máxima, “Não é sobre o que você conhece, é sobre quem você conhece”. Mas quando isso acontece tanto nos negócios quanto na vida, a maioria de nós conversa com estranhos apenas 2% ou 3% do tempo, diz Judy Robinett, autora de How to Be a Power Connector (McGraw Hill, Abril 2014). “É triste porque a maioria dos segredos de um futuro de sucesso é esperar do lado de fora seu contato imediato. É onde o ouro está escondido”, ela diz.

Robinett se considera uma pessoa tímida. Trabalhando com gerência para uma das 300 melhores companhias dos EUA, ela diz que se escondia durante os grandes eventos. Ambiciosa e querendo avançar no mercado, ela percebeu que fazer conexões seria a chave para o seu sucesso.

“Precisava diminuir o meu medo. Nunca fui um conector ou extrovertida. Eu, eventualmente achava que a maioria das pessoas era incrível e se você focar nelas, isso entorpece seu medo”.

Trinta anos depois, Robinett, conhecida por sua “Rolodex de titânio”, é fundadora e presidente do JRobinett Enterprises e ela combina os capitalistas em risco com as empresas em fase inicial. Ela diz que com uma reunião cara a cara, por telefone ou online, você tem um pequeno espaço de tempo para se conectar com alguém antes de se tornar outro rosto esquecido.

Ela oferece 6 dicas para transformar um estranho em um conhecido ou amigo:

1) Pareça acessível

Todos nós já vimos alguém andando de cabeça baixa ou se sentando na mesa entretido com o telefone. O corpo fala e ele envia sinais de que não quer ser incomodado. Ao invés disso, se interesse pelas pessoas ao seu redor, Robinett diz. “Um sorriso indica que você está aberto para conversar”.

2) Diga: olá

Parece simples, mas um rápido “olá” já quebra o gelo. O Marriott Hotels tem uma “regra 15-5” com seus empregados. Se um funcionário estiver a 15 pés de alguém do hotel, ele deve reconhecer o convidado com contato visual ou assentir amigavelmente. Se a pessoa estiver a 5 pés, então o funcionário deve sorrir e dizer olá. Robinett sugere que você aplique essa regra na sua vida: “Experimente isso no supermercado ou em qualquer lugar que você tenha um público simpático”.

3) Assuma que as outras pessoas são tímidas

70% das pessoas se consideram tímidas, diz Robinett. Saber disso te coloca no mesmo barco!

“Você não precisa ser extrovertido com um estranho, todos somos super preocupados com o que as outras pessoas podem pensar da gente. A verdade é que ninguém se importa porque cada um está preocupado consigo mesmo”, ela diz.

Ao invés disso, tire o foco de você e coloque-o no outro. “Os melhores conectores que conheço vão te dizer que são tímidos, mas isso não os impedem de criar poderosos networks. Eles simplesmente sabem que precisam de outras pessoas para atingir seus objetivos e saem de suas zonas de conforto”, diz Robinett.

4) Encontre algo em comum

Seja um amigo, lugar, experiência ou ponto de vista, encontre algo em comum com a outra pessoa e comece uma conversa. Enquanto o tempo é sempre uma opção segura, você também pode perguntar para as pessoas se elas têm filhos ou animais de estimação. Ou preste atenção ao seu ambiente. Robinett que cresceu em Idaho, diz que uma vez fez um novo contato só porque ela percebeu que ele também tinha uma placa de lá. “É realmente fácil encontrar algo em comum. Posso ter grandes conversas com pessoas em aviões ou aeroportos simplesmente porque ambos estamos em trânsito”.

5) Esteja completamente presente e ouça

Dê sua atenção completa para as pessoas quando estiver com elas! “Bill Clinton é conhecido por sua habilidade de estar completamente presente até mesmo quando está com alguém por poucos segundos. O intervalo de atenção média é de 8 segundos. Prestar atenção faz com que você seja mais memorável e sua comunicação mais rica”, diz Robinett.

6) Decida se quer ou não avançar para o próximo passo

Se você está conversando com alguém em um estacionamento, provavelmente não encontrará essa pessoa novamente, diz Robinett, mas caso exista algum interesse, então está tudo bem pedir o cartão de visita dela.

“Dentro de 24 horas envie um e-mail dizendo simplesmente obrigado”, ela diz. “Dentro de uma semana, envie algo de valor, como um artigo que acha que a pessoa gostaria de ler. O foco está em deixar de serem estranhos para construir uma relação”.

A verdade é que nem sempre é fácil dar o primeiro passo, já crescemos com os nossos pais nos ensinando “filho, não fale com estranhos”. Mas a realidade não é exatamente essa, conhecer gente nova pode enriquecer tanto sua vida pessoal quanto a profissional. Deixe esse ensinamento dos seus pais um pouco de lado e aprenda com essas 6 dicas de Robinett a dar um level up no seu networking e na sua vida.


Escrito por Amanda Prieto da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]