Convivendo

Enxergar o caminho

Silhueta de mulher em campo com sol ao fundo
123RF | Elina Zolotareva
Vander Luiz Rocha
Escrito por Vander Luiz Rocha

Quase sempre nos sentimos caminhar no desconhecido. Vemos coisas, objetos, formas… Não as identificamos.

O que é isso? E aquilo? Não sabemos, foi de repente que nos encontramos nessa trilha, éramos bebês, hoje estamos adultos. Que trilha é essa? Por que estou nela?

Somos cegos sem apercebermos que enxergamos. Nos passos que damos em nossa existência terrena, não nos vemos com olhos interiores, os da alma, mas por darmos atenção ao imediato, avaliarmos a nossa estrada com os olhos do corpo, repudiáveis distorções atingem o pensamento, fazendo-nos andarilhos privados da visão.

Mulher de perfil com olhos fechados  em ponte alta com cidade ao fundo
Sean Kong / Unsplash

É necessário ouvir o silêncio para que enxerguemos. É pelo mutismo das emoções que ouviremos nosso íntimo e por ele aguçarmos para a razão do nosso caminhar nesse planeta.

Buscamos ver nos outros modos que justifiquem nossos desacertos e assim nos pautamos sem que vejamos, nessa trilha, as pedras, os buracos e os espinhos de cujas feridas lamentamos, choramos e praguejamos.

Vamos seguindo nos entregando às emoções, ensejando, mais ainda, que a treva cubra o nosso interior, degenerando a percepção.

Virtudes não são vistas, os males, contudo, destacam; bênçãos Divinas recebem interpretações impróprias.

Ao encontramos alguém elegante, atiramos-lhe a pecha da vaidade.

Entendemos o amor como desejos carnais, tanto é que se diz fazer amor e não fazer sexo.

Àquele que se dedica à política pública, lhe apedrejamos com as alcunhas impróprias.

Se encontramos quem não é perdulário, que usa o dinheiro com proveito e por isso possui bens, costumamos acreditar ser posses escusas.

O ciúme destrói amizades, lares, afeto. A inveja tolhe a iniciativa, a suspeita calunia o inocente, a malícia produz maldade. São infecções das quais devemos prevenir não permitindo que a nossa consciência se contagie.

É lamentável que percamos o nosso viver ao pigmentarmos os aspectos de fora com o escuro do nosso entendimento, onde não há cores, apenas tonalidades de cinza.

É tratando de nós, espírito, que erguemos a saúde do corpo físico, para seguirmos com aprumo pela estrada que nos compete caminhar.

Estrada de terra entre árvores iluminada por raios de sol
Patrick Fore / Unsplash

Somos animais racionais e não seres emocionais, sendo necessário, pois, que sejamos alunos aplicados das lições de acerto que nos são ministradas no curso de nossas vidas, clareando o entendimento para que possamos ouvi-las e compreendê-las.

Meditemos nas oportunidades perdidas quando a misericórdia nos chamou para o auxílio e não a atendemos.

Recordemos dos passos inúteis quando, pelo revide, desperdiçamos o enriquecimento interior pelo perdão.

Pensemos na perda da luz do amor quando, a desprezando, preferimos o ódio por quem nos feriu.

Você também pode gostar

Atinemos para as atitudes vãs que se foram sem qualquer aproveitamento para o espírito.

Quanta dor deixamos de aliviar por optarmos pela indiferença?

São bons momentos que perdemos por dedicarmos ao desamor, obscurecendo a visão do caminho que, pelo acerto, devemos trilhar.

Ainda há tempo para tirar dos olhos a venda que impede a luz, é só ter coragem.

Obrigado por me ouvir.

Sobre o autor

Vander Luiz Rocha

Vander Luiz Rocha

Vander Luiz Rocha, nascido na cidade de Conselheiro Lafaiete, estado de Minas Gerais, Brasil, em 1939.

Criado dentro dos princípios da tradicional família mineira, teve no catolicismo a sua primeira religião.

Na adolescência, dos 7 aos 14 anos, fez, como interno, o Seminário Menor da Ordem dos Redentoristas, na época em Congonhas do Campo, MG. Naqueles momentos o cenário de vida foi o barroco e o fundo musical o canto gregoriano.

Deixando o seminário, tornou-se não religioso e se dedicou aos estudos e ao trabalho em Belo Horizonte. Inicialmente se formou em contabilidade, e posteriormente graduou-se em administração, com o título de bacharel. A sua vida privada foi alimentada por essas profissões.

Em 1973 mudou com a família, esposa e três filhas para São Paulo, indo residir no ABC Paulista, em São Caetano do Sul, trabalhando em empresas da região, tendo se interessado pelo espiritismo, adotando-o em 1976 como escola de vida.

Após preparar-se em cursos feitos sob supervisão da Federação Espírita de São Paulo, SP, tornou-se servidor, no segmento palestrante, e expositor de cursos em casas de socorro espiritual, e com os socorridos muito aprendeu.

Nos dias atuais continua a se dedicar à filosofia espiritualista, adaptando as palestras para textos escritos.

Possui várias obras editadas e ganhou prêmios literários.

Contatos:
Email: [email protected]
Site: nossosliteratos.blogspot.com
Facebook: vanderluiz.rocha
Instagram: @vanderluizrocha
Instagram: @vanderluizrocha
Youtube:
Vander Luiz Rocha