Autoconhecimento Psicologia

Escutar também é amar

Patricia Carvalho
Escrito por Patricia Carvalho

“Falar é uma necessidade, escutar é uma arte.”

Goethe

Saber escutar é uma arte, já dizia Goethe, ainda mais num mundo onde muitos falam e poucos escutam.

A grande maioria apenas ouve. É o que fazemos a maior parte do tempo: ouvimos e não escutamos. E qual a diferença entre ouvir e escutar?

Apesar de não haver um consenso entre os estudiosos, independentemente do termo empregado, aqui vamos levar em conta a seguinte definição.

Ouvir remete à audição propriamente dita, é o que nosso ouvido, nosso aparelho auditivo, capta. Ouvir é receber os sons, os estímulos sonoros, como uma música, uma campainha ou um grito.

Agora, escutar é algo bem diferente e vai muito além. Em poucas palavras, seria ouvir com atenção e processar a informação internamente até a total compreensão.

Em outras (e mais) palavras é escutar plenamente. E esse escutar plenamente implica em usar outros tantos sentidos também. É colocar-se próximo do outro, lado a lado, e abrir-se para o que recebe; esvaziar-se e receber o outro em palavras.

Envolve uma doação, pois não escutamos apenas com os ouvidos. Há, no escutar, a percepção da linguagem corporal de todos os códigos e sinais emitidos pelo outro, que serão decodificados pela sua escuta plena.

O corpo fala, mas você o escuta?

Quando atuava em clínica, por diversas vezes, ouvia algo que saía da boca dos pacientes, sua fala, mas seu corpo e suas expressões corporal e facial me diziam outra. E, quando indagados sobre essa divergência, muitos se demonstravam surpresos com a minha constatação como se, diante deles, estivesse uma vidente ou uma bruxa que leu seus pensamentos e sentimentos. Mas não. Bastava escutar plenamente o que diziam com a boca e o que diziam com o restante de si.

“Saber escutar é uma arte, já dizia Goethe, ainda mais num mundo onde muitos falam e poucos escutam”

Nos manifestamos não apenas com palavras, mas também e principalmente com nossos gestos, expressão e entonação de voz.

Dentro do mundo dos negócios, o modo como uma pessoa se expressa pode representar a permanência ou não no seu emprego. Em recursos humanos, muitas técnicas são utilizadas para medir a capacidade de expressão de um concorrente a uma vaga. E considera-se um bom profissional aquele que sabe escutar.

Um bom líder é um bom ouvinte (ou “escutante” e talvez “escutador”) já que, para gerir pessoas, é preciso saber escutar; todo bom líder sabe disso.

Escutar é uma habilidade que construímos, é um exercício saudável e solidário. Para aprender a escutar o outro, primeiro, precisamos aprender a escutar a nós mesmos. É necessário um espaço interno preparado para isso. Ao escutar nosso próprio eu, abrimos esse espaço interno e estaremos mais disponíveis para escutar o outro. Escutar com empatia.

E por que parece tão difícil? Por várias razões:

  • Hábitos que criamos de interromper a fala do outro e tomarmos conclusões próprias e precipitadas do assunto;
    Para fugirmos da realidade quando o outro não fala o que queremos ouvir;
  • Pela falta desse espaço interno— não consigo ouvir a mim mesmo, portanto não tenho espaço para o outro;
    Para dominar o diálogo, competitividade, “eu sei mais do que você”;

E, por último, estudos comprovam que nosso pensamento trabalha quatro vezes mais rápido que as palavras emitidas oralmente, por isso, às vezes é difícil se concentrar.

E quais benefícios a escuta plena e solidária traz?

Um bom motivador para aprender a escutar seria o fato de isso ser um divisor numa entrevista de emprego ou em sua carreira profissional. Saber o que o orador está realmente querendo ao dizer algo, suas reais intenções, pode ser o diferencial procurado pela empresa, o que pode garantir uma vaga ou alavancar sua carreira e gerar um crescimento dentro da empresa.

Dentro do convívio com os outros, você poderá doar sua escuta e, esquecendo um pouco de si mesmo, demonstrará a capacidade de aceitação, reconhecimento e consideração com o próximo. E, com tudo isso, você estará obtendo um grande crescimento pessoal.

Ao abrir essas portas, você terá a oportunidade de conhecer novas formas de comunicação, estará próximo de si mesmo e do outro, obtendo grande crescimento emocional.

Escutar é dizer o quanto o outro é importante, é respeitar o próximo e a si mesmo. É perceber sentimentos por trás das palavras e dos gestos, é abrigar o outro nesse espaço interno e gerar novas formas de compreensão e amor. Escutar é uma bela forma de demonstrar amor. Porque, em determinados momentos, a única coisa que o outro necessita é de alguém que o escute.

Num mundo onde todos falam e ninguém escuta, aprender a escutar é um gesto de generosidade, sabedoria e humanidade.

Sua opinião é bem-vinda, sempre que colocada com a educação e o respeito que todos merecem. Os comentários deixados neste artigo são de exclusiva responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

Sobre o autor

Patricia Carvalho

Patricia Carvalho

Meu nome é Patricia Carvalho (Patty Carvalho) sou formada em psicologia e atuei em clínica durante alguns anos, atualmente não estou exercendo a profissão, porém o ser humano e seu poder de crescimento pessoal, emocional e espiritual ainda me fascinam; crescer e evoluir são coisas que me move.

Uma libriana, mãe de menino, que não vive sem massas (e doces) e que adora filmes e livros.

Ler é uma paixão, já escrever é um "hobbyterapia" que descobri recentemente e espero poder continuar praticando em meu benefício e de quem mais eu possa auxiliar com minhas palavras.

Blog: O Pouso da Borboleta
Facebook: facebook.com/opousodaborboletaazul2
Instagram: @o_pouso_da_borboleta
E-mail: [email protected]