Convivendo

Estrada Iluminada – Natureza se vinga

Escrito por Nilton C. Moreira

Vemos a destruição do meio ambiente, às vezes pela parcela de habitantes que é relaxada ou até nem sabe avaliar a importância do equilíbrio ambiental, mas também temos a destruição em razão da ambição de arrecadar cada vez mais, tendo como bojo principal o poder econômico, exemplificado nas florestas que são derrubadas para criação de gado.

À medida que mexemos com a natureza, ela se vinga, e isso está bem demonstrado nas catástrofes acontecidas de um tempo para cá, onde parte para o outro plano grande quantidade de vidas.

Na alimentação vemos adulterações e produtos armazenados inadequadamente, o que causa problemas à saúde humana e até a morte, como noticiado a respeito da água, contaminada por agrotóxicos sem controle e, às vezes, contrabandeados.

Mas tudo faz parte da transformação e, certamente, a natureza se cobra por meio da justiça Divina.

Nas leituras da madrugada, me deparei com uma mensagem de Santo Agostinho, psicografada, com o seguinte contexto:

O progresso é lei da Natureza. A essa lei todos os seres da Criação, animados e inanimados, foram submetidos pela bondade Deus, que quer que tudo se engrandeça e prospere.

A própria destruição, que aos homens parece o termo final de todas as coisas, é apenas um meio de se chegar, pela transformação, a um estado mais perfeito, visto que tudo morre para renascer e nada sofre o aniquilamento. Ao mesmo tempo em que todos os seres vivos progridem moralmente, progridem materialmente os mundos em que eles habitam. Quem pudesse acompanhar um mundo em suas diferentes fases, desde o instante em que se aglomeraram os primeiros átomos destinados a constituí-lo, vê-lo-ia a percorrer uma escala incessantemente progressiva, mas de degraus imperceptíveis para cada geração, e a oferecer aos seus habitantes uma morada cada vez mais agradável, à medida que eles próprios avançam na senda do progresso.

Marcha assim, paralelamente, o progresso do homem, o dos anima00is, seus auxiliares, o dos vegetais e o da habitação, porquanto nada na Natureza permanece estacionário.

Quão grandiosa é essa ideia e digna da majestade do Criador! Quanto, ao contrário, é mesquinha e indigna do seu poder a que concentra a sua solicitude e a sua providência no imperceptível grão de areia que é a Terra e restringe a humanidade aos poucos homens que a habitam!

Segundo aquela lei, este mundo esteve material e moralmente num estado inferior ao em que hoje se acha e se alçará sob esse duplo aspecto a um grau mais elevado. Ele tem chegado a um dos seus períodos de transformação, em que, de orbe expiatório, mudar-se-á para planeta de regeneração, onde os homens serão ditosos, porque nele imperará a lei de Deus”.

Possamos todos refletir em relação ao que queremos para a nossa Terra.

Muita paz, amigos.


Você também pode gostar de outros artigos desse autor. Acesse: Estrada Iluminada – Insubstituível Mãe

Sobre o autor

Nilton C. Moreira

Policial Civil, natural de Pelotas, nascido em 20 de maio de 1952, com formação em Eletrônica, residente em Redentora (RS), religião Espírita, casado.
Email: cristaldafonte@gmail.com
Facebook: /Nilton-C-Moreira