Convivendo

Construções ecológicas: bom pra você, melhor ainda para o planeta

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Quando o assunto é a moradia perfeita as construções sustentáveis são o destaque da vez. Além de causar menos impacto ao meio ambiente, garantem redução de custos na manutenção diária.

Unir o útil ao agradável, foi isso que fez Colin Usher

colin usherO arquiteto construiu sua casa em 2014, o imóvel está inserido em um modelo de casa econômica, inspirado em um projeto de origem alemã, durante as décadas de 80 e 90. Denominado como “casa passiva”, a construção em West Kirby, subúrbio de Liverpool, ganhou em 2015 o prêmio nacional de energia Building and Energy Efficiency Awards.

A casa foi feita com alvenaria isolante, o que limita a passagem de calor pelas paredes, reduzindo o custo com ventilador e ar condicionado. Os vidros das janelas também conservam a temperatura. As lâmpadas são todas de LED. No total, o imóvel consome 3453 kw/hora por ano, mas gera 3338 kw/hora com seus painéis solares. O mais impressionante, é a conta de luz anual que fica em torno de R$ 90 reais.

De acordo com o Passivhaus Institute, ONG responsável pelo movimento por imóveis energicamente eficientes, há 37 mil casas “passivas” em todo o mundo.

Casa ecológica gerou custo de apenas R$600

michael buck houseMichael Buck, foi ainda mais radical na sua construção em Oxfordshire, na Inglaterra. O agricultor de 59 anos construiu sua própria casa em oito meses utilizando materiais naturais e produtos encontrados no lixo. No total, o gasto foi de 150 libras, o equivalente a R$ 600 (180 euros)

O inglês juntou materiais durante dois anos e para construção utilizou apenas terra, areia, palha, argila e água. O único material não biodegradável da casa são as janelas que foram construídas com os para-brisas de um caminhão.

A casa também não possui eletricidade. A iluminação é composta por velas e lanternas, o aquecimento provém de um forno a lenha, posicionado estrategicamente em um local que aqueça toda a casa, a geladeira é uma espécie de poço raso e a água também é natural, vem de um cano posicionado no exterior do imóvel.

Durante a construção, Michael Buck pode contar com a ajuda de alguns amigos que ficaram encantados com o projeto e como homenagem, a casa leva em suas paredes os nomes de todos os envolvidos. Marigold, Crystal e Mist, também foram lembradas, as vacas de estimação contribuíram com o esterco para o reboco natural.

A ideia do agricultor é provar que não é necessário pagar contas pelo resto da vida para ter onde morar. Segundo ele: “Quis mostrar que as casas não têm de custar nada. Nós vivemos numa sociedade em que passamos a nossa vida a pagar hipotecas, algo de que muita gente não gosta”.

Atualmente, a casa está alugada para uma senhora e como pagamento ela oferece leites e natas.


  • Escrito por Natália Nocelli da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]