Convivendo Instituições de Ajuda Sustentabilidade Trabalhos Sociais e Voluntários

Fazenda de alimentos orgânicos contrata apenas moradores de rua

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Unir trabalho social e questões ambientais é uma prática extremamente positiva, porém dificilmente é executada. Para Verde Community Farm & Market, em Miami, nos Estados Unidos, isso é possível!

Criada em 2008, a Verde trata-se de uma fazenda sem fins lucrativos com certificação orgânica USDA, operada pela Carrfour Supportive Housing, como parte da Comunidade Verde Gardens.

No local, são produzidos alimentos orgânicos e o cultivo fica por conta dos moradores de rua, juntando-se aos estabelecimentos locais para gerar emprego. A horta é a principal fonte de renda para mais de 145 famílias. Além de trabalho remunerado, também é disponibilizada moradia para os trabalhadores.

Reprodução

Os alimentos produzidos na fazenda são vendidos para os restaurantes locais e os clientes garantem a qualidade dos produtos. Parte do dinheiro das vendas é destinado à contratação e treinamento dos colaboradores, a outra parte é utilizada na construção e manutenção da infraestrutura.

Para quem tiver interesse em conhecer a fazenda e viver a experiência de trabalhar na horta, o local é aberto para visitação.

De boa intenção o mundo está cheio. De boas práticas também!

Atitudes como essa nos enchem de esperança para acreditar num mundo melhor. E não para por aí! Ali mesmo, nos EUA, em Washington, o casal Brad e Kim Lancaster cederam seu quintal para abrigar moradores de rua.

A ideia teve início depois de o casal deparar com uma família com quatro crianças dormindo na rua. Os Lancaster fizeram o convite para que utilizassem um espaço nos fundos do terreno e eles aceitaram. Motivados e com as melhores intenções, os donos da casa criaram um camping em seu quintal, que hoje abriga cerca de 20 moradores.

Reprodução

Bread é advogado e tem ciência de que acampar moradores em seu quintal é algo ilegal, mas está lutando por essa causa. Os moradores são extremamente gratos e demonstram diariamente sua satisfação. Motivados, alguns deles já encontraram emprego e até conseguiram se mudar para uma casa melhor, cedendo lugar para outras famílias necessitadas.

Michael Gallo, um dos moradores, declarou que “alguns vizinhos começaram a aparecer e conhecer-nos como realmente somos. Viram que não somos todos viciados em drogas, alcoólatras e pessoas desabrigadas e horríveis. Nós somos pessoas que estão passando por tempos difíceis em nossas vidas”. Aaron Ervin, outro integrante do camping, disse: “Para nós, é importante sermos vistos apenas como pessoas, sem o título de moradores em situação de rua. Nós não somos de outro planeta”.


Escrito por Natalia Nocelli da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sua opinião é bem-vinda, sempre que colocada com a educação e o respeito que todos merecem. Os comentários deixados neste artigo são de exclusiva responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]