Convivendo

Lenda do Saci Pererê

Ele usa gorro vermelho, tem uma perna só, é negro e gosta de pintar o sete e apavorar todo mundo por aí. Você não precisa de nenhuma descrição a mais para saber que estamos falando de uma das figuras mais marcantes do nosso folclore, o Saci-Pererê, né?

Mas você sabe onde, quando e como começou a se popularizar essa lenda? Sabe quais são as principais características e curiosidades sobre o Saci? Então preparamos este artigo com todos os principais detalhes sobre a lenda do Saci-Pererê. Portanto confira!

Origem do Saci-Pererê

Em resumo, os principais estudiosos do nosso folclore estimam que a lenda do Saci tenha surgido em algum momento entre os séculos XVIII e XIX, porque simplesmente não existem relatos sobre o Saci anteriores a esse tempo, como do Curupira, que existem desde pelo menos 1560.

Muitos pensam que o Saci é uma lenda das regiões Norte e Nordeste, mas estão enganados, porque o Saci surgiu na região Sul do país, com o nome çaa cy perereg. Este é um termo tupi-guarani, idioma falado pelas tribos sulistas guaranis, onde ele nasceu.

Uma ilustração do Saci-Pererê em meio a um luar.
ASCOM Prefeitura de Votuporanga, CC BY 2.0 / Wikimedia Commons / Canva

Por isso, como é uma lenda mais recente, que surgiu depois do início do contato entre os indígenas e os colonizadores, os folcloristas tendem a pensar que mitos europeus influenciaram a figura do Saci, a exemplo da lenda portuguesa do trasgo, uma pequena criatura que faz maldades diversas.

Os primeiros relatos da lenda do Saci dão conta de uma criatura que protegia as florestas, uma nítida influência da lenda do Curupira, por exemplo. Conforme foi se espalhando, a lenda do Saci foi ganhando contornos e características próprias, que serão mais exploradas no próximo tópico.

Lenda do Saci-Pererê

Em suma, o Saci-Pererê é uma criatura lendária que habita florestas, é muito travesso e gosta de pregar peças nas pessoas. Ele é descrito como um ser pequeno, com menos de um metro e meio de altura, sem uma perna, negro, que está sempre fumando cachimbo e usa um gorro vermelho em sua careca.

É importante ressaltar que a lenda não fala sobre um único Saci, mas descreve o Saci como um tipo de criatura, portanto existem muitos Sacis por aí. Segundo a lenda, um Saci vive no máximo 77 anos, transformando-se em seguida em um cogumelo.

O Saci tem uma fascinação por cavalos e costuma incomodar esse animais, especialmente à noite. Ele suga o sangue dos cavalos e também dá nós e faz tranças em suas crinas.

Outro alvo comum do Saci são os viajantes, especialmente na estrada. O Saci costuma dar um assovio bem estridente para incomodar os viajantes e distrai-los com o som. Os preferidos dele são os viajantes a cavalo. Ele costuma derrubar os chapéus usados pelos viajantes, danificando o freio das carroças, entre outras travessuras.

Quando invade as casas das pessoas, o Saci queima ou deixa a comida azeda, some com objetos, apaga velas e luzes, entre outras travessuras. Frequentemente, ele se transforma num redemoinho que espalha folhas e sujeira.

E esse é o único momento em que é possível capturar um Saci, lançando sobre o redemoinho uma peneira, então é preciso retirar o gorro da cabeça dele e aprisioná-lo numa garrafa com uma cruz desenhada.

Saci-Pererê no Brasil

Por ter se espalhado pelo país, o Saci ganhou diferentes características e versões com pequenas ou grandes variações. Então confira algumas delas:

Um desenho da representação mais popular do Saci-Pererê.
sunnyrabbit / Canva

Em alguns lugares do interior da região Sudeste, o Saci é descrito como tendo olhos muito vermelhos, que usa para assustar e atrapalhar viajantes em estradas vazias, causando acidentes.

Já em alguns lugares da região Norte, em vez de um anão ou de uma criatura bem pequenina, o Saci é descrito como um ser colossal de 3 ou mais metros de altura.

Em alguns lugares, especialmente na região Nordeste, o Saci é também chamado de “endiabrado”, por estar sempre fazendo travessuras e maldades com todos.

Em algumas cidades e regiões do Sudeste e do Centro-Oeste, em vez de virar um cogumelo quando morre, o Saci vira uma orelha-de-pau, nome popular do fungo Pycnoporus sanguineus, também conhecido como urupê.

Curiosidades sobre o Saci-Pererê

Confira algumas curiosidades sobre a figura mitológica do Saci-Pererê:

O Saci é conhecido por andar sempre fumando um cachimbo. Mostrando a mistura que é a criação desse mito, essa parte do fumo é influência da cultura africana, vinda ao Brasil com os escravizados da África. Além disso, a lenda conta que o Saci teria perdido a perna numa luta de capoeira, outra influência da cultura negra africana.

A lenda do Saci se espalhou para outros países próximos da região Sul do país. No Paraguai, ele é conhecido como yacy-yateré. Lá, ele não é careca, tem cabelos loiros, um bastão de ouro que funciona como varinha mágica, fica invisível e usa chapéu de palha. O yacy costuma fazer maldades com crianças, mas maldades mesmo, como deixá-las loucas e surdas.

O Saci também chegou na Argentina, com o nome yasi. Por lá, ele faz maldades de outro tipo. Parecido com o nosso boto cor-de-rosa, ele atrai moças solteiras para engravidá-las, então assume sua forma assustadora de yasi e desaparece.

Saci-Pererê nos filmes, séries e livros

Por ser uma figura muito popular do nosso folclore, extremamente conhecida por todos os brasileiros, obviamente o Saci já apareceu em livros, filmes, séries e outras obras da cultura nacional. Confira algumas delas:

Uma representação cinematográfica do Saci-Pererê realizada na série Cidade Invisível.
Reprodução / Netflix
  • “Sítio do Pica-Pau Amarelo” (1918): foi no livro “O Saci”, publicado em 1918, que o escritor Monteiro Lobato acrescentou o Saci-Pererê às lendas que colocava nas histórias do famoso Sítio do Pica-Pau Amarelo, que foram eternizadas também em um seriado da Rede Globo, que foi ao ar no início dos anos 2000.
  • “Cidade Invisível” (2021): neste seriado produzido pela Netflix, um investigador da Polícia Civil descobre um boto rosa em uma lagoa no Rio de Janeiro e a investigação o leva a entrar em contato com muitas criaturas do nosso folclore, como o Saci-Pererê, que se chama Isac e tem uma perna mecânica.
  • “O pequeno saci” (2014): este livro digital disponível gratuitamente online apresenta uma versão do Saci mais amistosa, especialmente direcionada para o público infantil e até mesmo infanto-juvenil. O interessante é que a história mostra um jovem Saci que tenta combater o consumo excessivo de tabaco em sua aldeia.

Você também pode gostar

Enfim, essas são as principais características da criatura mitológica conhecida como Saci-Pererê, certamente familiar para quase todos os outros brasileiros. Se você quiser se aprofundar ainda mais na lenda dele, consuma o conteúdo que indicamos no último subtítulo!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br