Convivendo

Novembro Roxo: O Bebê Prematuro

O Novembro Roxo é uma campanha de conscientização sobre a prematuridade. Entre os objetivos da data, está a prevenção do parto prematuro e a instrução das gestantes sobre uma gravidez segura. Mas por que isso é importante?

O desenvolvimento completo de um feto, até se tornar um bebê, leva de 37 a 42 semanas. Por causa disso, os partos ocorrem aproximadamente nesse período, com muitos nascimentos na 39ª ou na 40ª semana de gestação.

Entretanto, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Ministério da Saúde, 11,7% dos partos brasileiros são prematuros (dados de 2013). Ou seja, eles acontecem antes da 37ª semana de gestação. Infelizmente o Brasil é o 10º país do mundo a ter mais partos prematuros.

Uma das maneiras de lidar com essa triste realidade é por meio da informação. Então aproveite o conteúdo que preparamos para aprender mais sobre o bebê prematuro. Por que ele nasce antes da hora? O que fazer para ajudá-lo? Entenda, a seguir!

Características do bebê prematuro

Existem três níveis de prematuridade que um bebê pode apresentar. Cada um deles pode ser diferenciado por características específicas, apresentadas a seguir. Informe-se:

1) Bebê prematuro extremo

O nascimento ocorre antes de 28 semanas de gestação. Embora os órgãos já estejam formados, eles ainda não estão completamente desenvolvidos. Nesse caso, os pulmões exigem ainda mais atenção do que outras partes do corpo. Apesar disso, é possível que o bebê sofra de paralisia cerebral, surdez ou cegueira.

2) Bebê muito prematuro

Nessa situação, o bebê nasce entre a 28ª e a 34ª semanas. Ainda que os órgãos estejam com um desenvolvimento mais avançado, ele pode enfrentar problemas para regular a temperatura do corpo. Também terá dificuldade para se movimentar, para respirar e para aprender, no futuro.

3) Bebê prematuro tardio

O bebê prematuro tardio é aquele que nasce entre a 34ª e a 37ª semanas. Com a formação do corpo quase concluída, as características que ele pode apresentar incluem baixo peso, respiração irregular e um pouco de dificuldade no processo de aprendizagem.

O que leva ao nascimento prematuro de um bebê?

Bebê branco segurando dedo de adulto branco.
Lisa / Pexels

Não há um só fator que pode levar ao parto prematuro de um bebê. Por isso, é importante realizar o acompanhamento pré-natal desde o começo da gestação, para identificar possíveis problemas que culminem nesse resultado.

Levando isso em consideração, existem algumas causas que podem levar a um parto prematuro. A prática de um esforço físico intenso, o uso de drogas ilícitas e a ingestão de bebidas alcoólicas, por exemplo, são fatores de risco para uma gestação.

Além disso, doenças como sífilis, tuberculose, anemia, infecção renal e mioma no útero podem comprometer a duração completa da gestação. Isso também acontece no caso de enfraquecimento do colo uterino, ruptura da bolsa amniótica, descolamento da placenta e uma malformação fetal.

É importante ressaltar que um nascimento prematuro não é culpa da mãe, ou de qualquer pessoa que esteja envolvida nesse processo. Afinal, são inúmeros os fatores que podem levar a isso, e todos eles devem ser investigados com atenção.

Cuidados que evitam que o bebê nasça prematuro

Como apontamos anteriormente, existem muitas causas possíveis para um parto prematuro. No entanto, a maioria delas apresenta alguns sinais durante a gestação. Por esse motivo, o acompanhamento médico é fundamental.

O profissional de saúde responsável pela gestante deverá checar o coração da mãe, os índices de açúcar no sangue dela, a pressão sanguínea, a quantidade de líquido amniótico e a posição da placenta. Há outros exames que vão identificar a presença de doenças pré-existentes que poderiam prejudicar o nascimento.

Somado a esse acompanhamento, a gestante deve prestar atenção ao corpo dela. Isso porque se ela estiver sofrendo de contrações uterinas muito frequentes e regulares, de cólica intensa e de aumento do corrimento vaginal, talvez esteja prestes a entrar em trabalho de parto.

Uma pressão no fundo da barriga, dor no fundo das costas e um aumento da vontade de urinar também são indicativos de um possível parto prematuro. Caso um desses sintomas se manifeste, basta procurar auxílio médico. Um profissional saberá como ajudar!

Meu bebê nasceu prematuro. O que eu faço?

Quando um bebê nasce prematuro, ele permanece no hospital, sob cuidados médicos, até que esteja mais desenvolvido. Nesse período, tranquilize-se, sabendo que ele está em ótimas mãos. Depois disso, a criança já pode ir para a casa, com a família. Mas isso não significa que o bebê não vai exigir alguns cuidados especiais.

Você também pode gostar

Em primeiro lugar, tenha em mão o contato de um médico, caso precise tirar dúvidas sobre algum problema. Dessa forma, você vai sentir mais tranquilidade se algo inesperado acontecer e saberá a quem recorrer.

Em segundo lugar, dedique um cuidado especial à proteção do bebê. Para isso, não fume dentro de casa, não frequente locais fechados ou com muitas pessoas, lave as mãos sempre que possível e não deixe que as visitas beijem a criança.

Também é importante manter a vacinação em dia, proporcionar o aleitamento materno, trocar as fraldas a cada três horas e dar banho com um sabonete neutro, sem usar bucha ou esponja. Na hora de dormir, o bebê deve ser deitado com a barriga para cima.

Além desses cuidados, é possível perguntar ao profissional de saúde que acompanhou a criança sobre as necessidades específicas dela. Lembre-se de que os médicos têm o dever de dar todas as explicações necessárias para que o bebê fique bem em casa, como estava bem no hospital!

Com base nas informações apresentadas, podemos concluir que um bebê prematuro exige cuidados específicos, mas pode ter uma vida plena e feliz se receber a assistência correta. E aprendemos que o acompanhamento pré-natal é fundamental para identificar possíveis sinais de um parto prematuro, garantindo o bem-estar da mãe e da criança. Dissemine estas informações essenciais!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br