Cultura

Novos Horizontes de Doctor Who

Se você é fã de seriados, certamente já assistiu a pelo menos um episódio das inúmeros temporadas de “Doctor Who”, o seriado com mais temporadas já lançadas — e que ainda está no ar. Além de sua importância história, a série, produzida pela emissora britânica BBC, tem uma importância social. Entenda tudo sobre os novos horizontes de “Doctor Who”!

A escolha do Doutor, que é o protagonista da série e que muda de tempos e tempos, é bastante importante e causa bastante impacto entre os fãs de séries e do cinema como um todo. Recentemente, os produtores têm se preocupado em escolher atores que representem o público LGBTQIA+ e outros grupos identitários, como negros.

Explore esse seriado e a importância da mudança no padrão da escolha do ator que vai interpretar o Doutor neste artigo!

O que é “Doctor Who”?

“Doctor Who” é o seriado mais longevo de todos os tempos. Original da Inglaterra e produzido pela tradicional emissora BBC, a série ganhou seu primeiro episódio em 1963 e teve 26 temporadas consecutivas até 1989. Anos depois, em 2005, uma nova temporada foi produzida e a série não parou — já são 13 novas temporadas e a 14ª está a caminho. Ou seja, foram 40 temporadas até o ano de 2022.

Na série, acompanhamos as aventuras de um Senhor do Tempo, que atende apenas pelo nome de Doutor. Ele fugiu de seu planeta, Gallifrey, em uma TARDIS (abreviação em inglês para “Tempo e Dimensões Relativas no Espaço”), uma espécie de cabine telefônica que permite que ele viaje pelo tempo e pelo espaço.

O Doutor tem a habilidade de se regenerar e ganhar uma nova aparência quando é ferido mortalmente. Por isso vários atores interpretaram o Doutor desde então, já que o protagonista é trocado conforme o roteiro da história.

Longevidade da série

Contudo, em um mundo em que tudo muda o tempo todo e toda semana começa com o lançamento de uma nova série, como um seriado consegue se manter no ar por tanto tempo? Não existe ao certo uma resposta para essa pergunta, mas podemos discutir alguns fatores.

O artigo “Através do Tempo e Espaço: A Longevidade na Série Britânica ‘Doctor Who’, de autoria de Giovana Abreu, Stephany Lins e Mônica Gouvêa, da Universidade Federal Fluminense (UFF), publicado em 2016, fez uma pesquisa com 243 fãs brasileiros da série, que opinaram sobre as razões da longevidade dela. Confira as respostas mais comuns:

O décimo primeiro doutor, interpretado por Matt Smith na esquerda junto do décimo doutor cujo o interprete foi David Tennant
Reprodução / BBC

Proposta inovadora

Um dos principais motivos do sucesso, segundo os fãs, é a proposta inovadora. Não só a troca do ator que interpreta o protagonista, mas também o enredo de ficção científica e de viagem no tempo.

Ideias fantasiosas

“Doctor Who” se caracteriza como um seriado de ficção científica, mas flerta muito com a comédia, com a fantasia e com o absurdo. Então, diversos vilões, tramas e situações são fantasiosas e engraçadas. Portanto, nunca sabemos o que esperar das próximas aventuras do Doutor.

Noção histórica

A série também traz personagens e situações históricas, não ficando, portanto, “alheia” ao mundo, o que cativa os fãs. Em um dos episódios mais populares do seriado, por exemplo, o Doutor traz do passado o pintor Vincent Van Gogh, que morreu no anonimato, para o presente. e então, Van Gogh descobre como é famoso e reconhecido por seu talento hoje em dia, emocionando os espectadores.

Base de fãs

Ao longo de suas 40 temporadas, a série arregimentou uma grande base de fãs. O amor pela série, muitas vezes, passa de pai para filho, de irmão mais velho para irmão mais novo, entre casais e grupo de amigos. Mesmo quem abandona a série depois de um período parece manter um carinho muito grande por ela.

Jodie Whittaker, a décima terceira doutora, olhando para a cabine azul símbolo da série Doctor Who
Reprodução / BBC

Diferentes gêneros

É muito difícil precisar qual é o gênero do seriado porque ele transita por vários. Ao mesmo tempo em que é ficção científica, o humor está sempre presente, bem como pode ser classificado como aventura e muitos episódios têm traços de suspense e até mesmo de terror. Tudo isso sem deixar o drama de lado.

Troca de intérpretes

A troca de atores (e atrizes) que interpretam o Doutor também é algo que atrai atenção dos espectadores, já que a série sempre se renova e muitas participações especiais de fases anteriores acontecem. Até mesmo aqueles que não gostam do novo intérprete seguem assistindo à série, porque, afinal, um dia ele será mudado.

Impacto da décima quarta temporada

O mundo no qual “Doctor Who” foi criado, lá em 1963, é bem diferente do mundo atual. Como a série tem bastante ironia e pode até ser considerada progressista, ela acompanhou os tempos atuais e inseriu em suas temáticas alguns assuntos sensíveis e pertinentes atualmente.

Governos autoritários, racismo e discriminação, misoginia e preconceito de gênero são apenas alguns dos temas que apareceram desde que a série foi continuada nessa nova fase, que começou em 2005, e a escolha dos atores tem grande importância nisso!

Assim como o personagem James Bond, da saga “007”, por exemplo, o Doutor é um personagem que se renova, trazendo sempre um ator diferente. Ao contrário de “007”, porém, que sempre escala atores homens, brancos e heterossexuais, “Doctor Who” tem tentado se diferenciar.

Desde 2005, 6 pessoas interpretaram o Doutor. As primeiras 4 pessoas eram homens brancos e heterossexuais, mesmo padrão da primeira fase da série, entre os anos 1960 e 1980. Interpretaram o Doutor os atores Cristopher Ecclestone, David Tennant, Matt Smith e Peter Capaldi.

Ncuti Gatwa, o próximo interprete de Doctor Who, como Eric no seriado Sex Education da Netflix
Reprodução / Netflix

Todavia as coisas mudaram em 2017, quando seria escalado o novo Doutor, o 13º Doutor desde o início do seriado. A escolhida foi a atriz Jodie Whittaker, que foi a primeira mulher a interpretar o Doutor, conhecida como Décima Terceira Doutora.

A mudança desagradou uma pequena parcela de fãs mais conservadores, mas foi vista com bons olhos para o público em geral. E, em 2022, foi escolhido o ator que interpretará o Décimo Quarto Doutor, que é Ncuti Gatwa, o primeiro ator negro no papel, além de africano, pois nasceu em Ruanda.

E a 40ª temporada, além de ter um Doutor negro, também terá mais relevância para o público LGBTQIA+, já que a atriz Yasmin Finney, transgênero e negra, será parte do elenco, depois de chamar bastante atenção no seriado “Heartstopper” e no app TikTok.

Dessa forma, a 40ª temporada de “Doctor Who” tentará manter a essência da história, que trouxe o seriado até aqui, mas também se mesclará a temas atuais, como grupos identitários LGBTQIA+ e a comunidade negra. E, olha, as expectativas estão lá no alto!

Você também pode gostar

Enfim, essas são as principais informações sobre a escalação do novo Doutor, protagonista do seriado “Doctor Who”, e os fatos mais relevantes sobre o seriado e a história dele. E aí, ansioso para a próxima temporada da série mais longeva de todos os tempos?

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br