Autoconhecimento

O medo que paralisa

Sol Felix
Escrito por Sol Felix

E se arriscar fazer diferente?!

Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o que, com frequência, poderíamos ganhar, por simples medo de arriscar”

& #8211; William Shakespeare.

Faz alguns anos que, toda manhã, Mari acorda e ainda na cama faz o planejamento de todo o dia. Ao colocar o pé esquerdo no chão, parte do plano desmorona. No banheiro, desiste do batom e do adereço de cabelo, que já havia separado na noite anterior. Agora, ela acha que eles são chamativos demais.

Também trocou o modelo de blusinha por um mais folgadinho, pois disfarça “as gordurinhas”. Antes de ir para a cozinha, manda 3 mensagens para o boy que a ignora há 1 mês. Ela havia jurado para si mesma que não o procuraria. Neste trajeto, desiste de pegar a sacola com a roupa e os tênis da academia que separou junto com a blusinha rosa que ela não usou.

Sim! Pegou a caneta e o caderno que carrega exaustivamente há 18 dias na esperança de ter uma ideia genial e registrá-la. Há 17 dias, o caderno está em branco. Não meditou porque ficou ansiosa esperando a resposta do “boy”, que só chegou 3 horas depois. Ela está esperando o “momento certo” para deletar o contato do carinha da agenda.

Close-up portrait of young woman scared, afraid and anxious biting her finger nails, looking straight into camera with wide opened eyes isolated on yellow background. Human emotions concept. Copy space text.

Na cozinha, alimenta o cachorro com um punhado de ração e um cafuné apressado. Não percebe que ele não comeu a ração de ontem à noite. Mari “belisca” o que está fácil no armário, já que não tem tempo para comer e, mesmo assim, apenas neste período da manhã enquanto vai da cozinha até a garagem, estoura a quantidade de pontos que ela deveria consumir durante todo o dia.

Quando finalmente colocou os pés na rua, Mari se deu conta que aumentou mais um pouquinho a bola de neve de frustração que cultiva há anos. Estava prestes a ter um surto de ódio de si mesma (mais um). Decidiu fazer diferente: conteve-se, respirou fundo e parou ali mesmo no meio da calçada e da garoa. A moça respirou mais algumas vezes, mesmo se sentindo um cocô, como já era de hábito.

O milagre que a mudaria instantaneamente não aconteceu. Porém, teve uma ideia e, o principal: uma atitude. Hoje, Mari foi trabalhar a pé (e evita planos que não pode cumprir).

Sua opinião é bem-vinda, sempre que colocada com a educação e o respeito que todos merecem. Os comentários deixados neste artigo são de exclusiva responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

Sobre o autor

Sol Felix

Sol Felix

Atriz formada pela Fundação das Artes de São Caetano do Sul e Designer Gráfico (Universidade Paulista). Nesta vida, resido em São Paulo desde sempre. Não sou viciada em tecnologia e amo chocolate amargo. Acredito, de forma encantada, que o ser humano é, por excelência, Arte e Artista.