Convivendo

Os estímulos das relações humanas

Pessoas de mãos dadas em um círculo.
Thales Kroth de Souza
Eu confio em você. Poucas frases são tão encorajadoras. Podemos ver em anúncios, publicidade, informações gerais nos noticiários, mas não nos passará tanta credibilidade quanto ouvirmos de uma pessoa próxima ou quem se conhece.

Em um incêndio, por exemplo, o qual há uma pessoa dentro de uma casa, claro que vai confiar no bombeiro. O seu papel é de salvá-la, amenizar a sua dor. Em um ato de confirmação de fé, outro exemplo, um pastor ou padre também possui a missão de levar paz, uma boa palavra de sabedoria ou conselho, uma opinião sobre um assunto, isso pode acalmar os ânimos de quem sofre.

Não pararia aí: um professor que ensina aos seus alunos, um médico que cuida de seus pacientes, um cobrador que avisa sobre crédito para os seus clientes, um salva-vidas, uma cozinheira, um gari, um advogado, um juiz, etc…

Homem médico segurando a mão do paciente.

Tudo isso significa que as profissões têm o seu papel social. Ninguém faz nada sozinho, ninguém faz a economia girar só, precisa-se de vários fatores para a credibilidade de um país receber uma boa nota pelas agências de classificação de risco (rating) no cenário internacional, da mesma forma funciona com os relacionamentos humanos.

As empresas possuem uma conversa diferenciada para os seus colaboradores.
 Precisa-se manter determinada seriedade, porém, às vezes, é necessário um pouco de descontração. Uma ferramenta para influenciar os grupos dentro da organização à melhoria de seu relacionamento é a competição corporativa. Elencar metas e dividir resultados, seja em premiações, rendimentos ou comemorações, aquecem quaisquer cenários e apazigua os ânimos de qualquer setor.

Dinâmica de grupo é mais uma ferramenta, assim como seminários ou aprendizagens. Empresas que têm a ideia de desenvolver os seus funcionários valorizam o seu ideal e o mercado de trabalho. Colaboradores que impulsionam sua formação complementar, acadêmica e experiências, dão passos preciosos para o destaque curricular. Todos ganham em processos de relacionamentos, a quebra de paradigmas é a principal barreira a ser pulada.

Mãos unidas formando uma espécie pirâmide.

Quem não teve dúvidas referentes ao seu modo de falar, tom de voz, vocabulário eleva o seu ego ao máximo. Todos erram “em alguma vírgula” quando o assunto é português, seja em qualquer sentido. O passo humano é esse: errar é normal e cabível de correção, aprender com os erros faz parte ainda mais quando se trata de algo que se aprende com o tempo. Igual à profissão, os relacionamentos vão melhorando também, só é preciso estudar o tema, realizar correções e boas maneiras de negociar atritos.


Você também pode gostar de outro artigo desse autor. Acesse: Onde está o emprego?

Sobre o autor

Thales Kroth de Souza

Thales Kroth de Souza

Gaúcho de coração, formado em Técnico em Contabilidade pelo Instituto Rubén Darío, graduando em Gestão Financeira e Administração pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Palestrante pela ODAC - Organização do Aluno Consciente, Voluntário na ONG Parceiros Voluntários e profissional com experiência nas áreas financeira e bancária.
Amante de corrida, gostar de malhar, leituras e manter-se informado.
Solteiro, procura o amor nas entrelinhas da vida.

Email: [email protected]
Facebook: thales.desouza.9655
Linkedin: thales-kroth-de-souza