Convivendo Espiritualidade

Passaporte da vida

PASSAPORTE DA VIDA
Luiz Guimaraes
Escrito por Luiz Guimaraes



Em cada reencarnação recebemos o “passaporte” da vida corpórea. A princípio sob o abrigo uterino, e logo depois, no convívio direto com os demais terráqueos, iniciamos a nossa trajetória previamente programada.

Lamentavelmente nenhum de nós percebe no começo da vida que o tempo de permanência na terra já começou a ser contado. Quando comemoramos os nossos aniversários e recebemos os parabéns por mais um ano de vida, na verdade trata-se de menos um ano de vida no plano físico.

Se ao longo do desenvolvimento do corpo pudéssemos avaliar a importância do crescimento espiritual, certamente enfrentaríamos mais encorajados e confiantes os desafios que encontramos em nossas incontáveis caminhadas.

A falta desse conhecimento nos leva a sérios desconfortos por não compreendermos que essa vida no Orbe terrestre, assim como em outras moradas, é passageira.
   Após o desencarne a verdadeira essência segue seu rumo na dimensão espiritual e, sendo o espírito imortal, habitará várias casas do Pai agregando carimbos no “passaporte” de nossas vidas…

As viagens terrenas são planejadas com antecedência e sabemos data e hora da largada. Contudo, a viagem obrigatória e sem data prevista é deixada em plano secundário por valorizarmos mais a vida corpórea que é efêmera, do que a espiritual que é eterna.

Ao se extinguir o corpo físico, surgem as transformações próprias das leis naturais, restando o Espírito que terá muitas outras vidas nessa caminhada incessante até que um dia possamos todos, sem exceção, desfrutar da almejada angelitude.

Nossa permanência na terra é tal qual um “estágio”, onde temos oportunidade de aprimorar o nosso desenvolvimento intelectual e moral. Em cada capítulo da nossa existência passamos por diversas provas para depuração das nossas imperfeições, cujo mérito será somente nosso. Acrescemos o que reza em Mateus 16:27:

“Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai, com seus anjos; e, então, dará a cada um segundo suas obras”.

A presente colheita é o fruto daquilo que foi semeado, sendo esse processo constante, até que nos despojemos por completo dos equívocos praticados nas diversas viagens existenciais. Nessa ótica, devemos buscar o entendimento para tudo que se reporta ao mundo espiritual, plantando boas sementes para que as próximas colheitas sejam promissoras.

Ressaltamos o contido em Gálatas 6:8:

”Quem semeia para a sua carne, da carne colherá destruição; mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá a vida eterna”.

Jamais devemos esquecer de que a verdadeira vida reside no Espírito, sendo o desencarne o portal das inúmeras moradas que deveremos conhecer, conforme as sábias palavras de Jesus, segundo João 14:2: ”Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar”.


Você também pode gostar de outro artigo do autor. Nós temos desafios ou problemas?

Sobre o autor

Luiz Guimaraes

Luiz Guimaraes

Sou médico diplomado no ano de 1972, pela Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco. Já era funcionário do Banco do Brasil e em 1977 assumi o cargo de médico no serviço da Instituição. Em 1988, assumi a chefia daquele serviço e em 1996 aposentei-me. Escrevo para o Jornal do Commercio e Diário de Pernambuco (ambos em Recife) sobre a Doutrina Espírita e também sobre nossa conjuntura política. Sou membro efetivo da Academia Pernambucana de Música desde 1998.

Contato:

Telefones: (81) 9 9973 6363 | (81) 9 9290 7030

E-mails: [email protected] | [email protected] | [email protected] | [email protected]