Autoconhecimento Psicanálise

Por que não consigo atrair uma relação saudável?

Ana Racy
Escrito por Ana Racy



Essa é uma pergunta que muitas pessoas se fazem durante a vida. Já ouvi várias mulheres dizendo que têm um “dedo podre”, mas o que isso quer dizer?

Antigamente, as mulheres eram educadas para encontrar o seu príncipe encantado, casar, cuidar dele, dos filhos, da casa e isso seria a definição de felicidade. Não havia espaço para se discutir sobre a relação, cada um desempenhava o seu papel: o homem era o provedor e a mulher cuidava das coisas domésticas.

Com o passar dos anos, tudo foi se modificando e as mulheres começaram a compreender que podiam fazer escolhas para ter uma profissão, um parceiro e decidir se queriam se tornar mães ou não, entre outras coisas. Os relacionamentos afetivos começaram a ter uma nova forma, ao mesmo tempo que a insatisfação na vida a dois ficou mais visível.

As pessoas frequentemente se perguntam onde foi parar o companheiro ou a companheira do início do relacionamento e é nessa hora que percebem “o dedo podre”. Mas afinal, como podemos atrair uma relação saudável, qual a receita para encontrarmos o parceiro perfeito e sermos felizes para sempre?

É importante lembrar que “para sempre” pode ser muito tempo e “nunca” também pode ser forte demais.
 É necessário olharmos para dentro de nós mesmos, conhecermos a nossa história e lembrarmos do que vimos no relacionamento dos nossos pais, assim como a forma como nos relacionamos com eles. Isso acabará influenciando de maneira inconsciente na escolha que faremos para a nossa vida afetiva no futuro. Muitas pessoas estranham o fato desse passado ter tamanha influência quando escolhemos um parceiro. Acontece que nós repetimos padrões vistos ou vividos e escolhemos inconscientemente o companheiro que possa nos dar aquilo que sentimos não ter recebido quando éramos crianças. Às vezes, não nos sentimos amados ou cuidados e achamos que o companheiro que escolhermos na vida adulta fará isso por nós. Quando isso não acontece, vem a frustração, a dor e o pensamento de não conseguir fazer boas escolhas.

Uma outra situação muito comum é as pessoas perguntarem o porquê escolhem sempre a mesma coisa, ou seja, escolher uma pessoa com quem briga, se desentende com frequência e se sente desrespeitada até que termina esse relacionamento. Quando encontra um outro parceiro, acontece a mesma coisa e é quando vem à sua mente que ela realmente não sabe fazer boas escolhas. Por que isso acontece? Porque pensamos que podemos mudar o outro, porém isso é impossível! O outro só pode mudar quando ele sentir que é hora. É preciso compreender que não temos controle sobre o pensamento, a fala e as atitudes do outro. E outra vez nos sentimos frustrados.  

Segundo a Lei de Atração, semelhante atrai semelhante, independentemente da energia que emitimos, positiva ou negativa.

Existem muitas outras razões para não escolhermos adequadamente um parceiro e eu falarei sobre mais uma, de extrema importância, que é o fato de não nos acharmos merecedores de coisas boas, mesmo que inconscientemente. Essa é uma crença que nos impede de muitas conquistas. Vale lembrar que a mudança está sempre em nós mesmos, daí a importância do autoconhecimento, de sabermos o nosso valor, de compreendermos que temos os nossos limites e ao ultrapassá-los nos desrespeitamos, lembrando que, se somos capazes de desrespeitar a nós mesmos, podemos abrir todos os caminhos para sermos desrespeitados.

E o que podemos fazer para evitar esse tipo de comportamento? A resposta está no autoconhecimento, que nos tornará mais fortes e não seremos dependentes de pessoas, coisas e sistemas. Isso aumentará a autoconfiança, nos tornará mais completos e fará com que possamos nos sintonizar com aquele que é semelhante a nós.

Por isso, compreender que cada um pode fazer a sua história, pensar no que desejamos e agir de forma adequada com o nosso desejo, nos fará atrair o semelhante. Que a frase da semana e para a vida seja: “Sou merecedora de felicidade”. Assim, a resposta para o tema de hoje está em suas mãos… Desejo a todos bons momentos de reflexão, bons pensamentos e muitas conquistas!


Você também pode gostar de outros artigos da autora. Acesse: A dor do amor 

Sobre o autor

Ana Racy

Ana Racy

Psicanalista Clínica com especialização em Programação Neurolinguística, Métodos de Acesso Direto ao Inconsciente, Microexpressões faciais, Leitura Corporal e Detecção de Mentira. Tem mais de 30 anos de experiência acadêmica e coordenação em escolas de línguas e alunos particulares. Professora do curso “Psicologia do Relacionamento Humano” e participou do Seminário “O Amor é Contagioso” com Dr. Patch Adams.

E-mail: [email protected]