Convivendo

Refugiados em busca de esperança

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Écada vez mais alto o número de refugiados que deixam os seus países e migram para outros em busca de uma melhor condição de vida. Em quatro anos, somente no Brasil o número de refugiados aumentou 70% de acordo com o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare).

Mas as condições e números altos de refugiados mortos encontram-se em alerta em diversas regiões da África, que buscam nos países europeus chances para continuar uma vida digna,  o que em seus países não tiveram.

Mesmo que o destino seja algum país da Europa, os sonhos acabam ficando em meio aos confrontos. Um relatório da ONU, divulgado recentemente, anunciou que entre os dez países que mais abrigam o número de refugiados no mundo, não há um país europeu. Os países onde os refugiados encontram seu espaço são os seguintes: Turquia, seguida de Paquistão e Líbano. Na lista constam ainda Irã, Etiópia, Jordânia, Quênia, Uganda e Chade.

Sonhos e vida melhor

Se descolonizar do seu país, do seu lugar de origem, deixar para trás familiares, casas e amigos, talvez seja uma das atitudes mais difíceis que se possa tomar. Aconteceu com muitos imigrantes quando vieram ao Brasil, os italianos, alemães e japoneses, entre outros.

Hoje, os senegaleses e haitianos fazem o mesmo caminho.

Se de fato encontram um país mais caloroso que o seu, que bom. Mas esta árdua escolha dói. Abandonar um país é dizer adeus à última esperança que restava em continuar lá.
Esse trajeto que é feito de barco, muitas vezes em condições precárias, onde muitos acabam falecendo, ou outras vezes a pé, e quando quase chegam a seus destinos são expulsos, confrontados e muitas vezes mortos. Logo, o que mais prezavam como a dignidade humana também se foi.

 

Atuação dos Médicos sem Fronteiras

Neste sentido, a atuação da organização Médicos Sem Fronteiras deixa uma esperança e dá a força aos refugiados que tanto precisam, quando estão em condições precárias. A corporação oferece assistência psicológica e tratamento nutricional vital. Eles dão acesso a hospital, garantem água potável, bem como assistência de alimentos, abrigos e cuidados gerais com saúde. Estima-se que 41 milhões de pessoas estão atualmente fugindo de conflitos e perseguições pelo mundo.

Mas o trabalho do Médicos sem Fronteiras é árduo. Não basta apenas querer oferecer assistência e ajuda de profissionais. Em muitas regiões, devido a conflitos armados e violações de direitos humanos, fica muito difícil oferecer um abrigo, justamente por colocar em risco a vida de muitas pessoas.

Deixando o preconceito de lado

shutterstock_303627605Mesmo que essas pessoas passem por tantos problemas desde a sua saída, ainda de acordo com o relatório do ONU, somente em 2014, quase 20 milhões de pessoas tiveram que deixar o país de origem fugindo de guerras civis.

Passando por dificuldades, os refugiados ainda precisam passar pelo preconceito em relação à fuga. Respeito e compressão são fundamentais para que os refugiados consigam um espaço digno, seja aqui no Brasil ou em outro lugar.


• Artigo escrito por Angélica Weise da Equipe Eu Sem Fronteiras

Créditos das imagens: OlegDProcyk Radek 

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]