Convivendo

O problema dos refugiados e imigrantes que estão morrendo no mediterrâneo

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Muito tem se ouvido e lido sobre o drama dos refugiados e dos imigrantes que ao tentar fugir da Síria e de outros países em conflito, morrem no Mediterrâneo. Somente no ano de 2015, mais de 470 mil pessoas atravessaram o Mediterrâneo na tentativa de chegar na Europa, número duas vezes maior se comparado ao ano de 2014, segundo a Organização Internacional das Migrações, também conhecida pela sigla OIM.

Calcula-se que cerca de 1.700 imigrantes e refugiados morreram no ano passado. O problema está no jeito em que eles tentam deixar seus países de origem. No geral, eles colocam verdadeiras fortunas e tudo o que possuem nas mãos de traficantes de pessoas e atravessam o Mediterrâneo a bordo de embarcações extremamente precárias, perigosas e com superlotação.

Quando há algum problema, não é sempre que a ajuda vem a tempo.
Todos os dias são resgatados alguns imigrantes por navios comerciais e por barcos costeiros. Recentemente, a Europa transformou suas fronteiras em algo impenetrável. Elas foram fechadas na tentativa de impedir a travessia e entrada ilegal deles, e as dificuldades e os riscos são muitos para se chegar até um lugar seguro em que eles possam reestabelecer suas vidas.

A maioria dos refugiados é oriunda do Afeganistão, da Síria, do Iraque e do Sudão. A maioria dessas pessoas foram perseguidas, torturadas e ameaçadas de morte se resolvessem permanecer em suas terras.

shutterstock_313292219

Podemos dizer que este é um cenário completamente complexo. É uma questão de direitos humanos e humanitário ajudar essas pessoas que tanto necessitam de cuidados. Seria necessário que os países mais ricos adotassem juntos uma política que garantisse uma solução efetiva para os refugiados e imigrantes. Além disso, a fim de salvar o maior número de vidas possível, os países da Europa teriam de lançar desde já uma operação para salvar quem tenta fazer a travessia pelo mar.

É importante termos a consciência de que esses refugiados não irão parar de deixar seus países de origem para fugir da pobreza e de toda perseguição que enfrentam. Deve-se dar oportunidade de uma vida digna a essas pessoas.

A vida desses indivíduos é abarrotada de sofrimento e de dor. As condições duras e o instinto de sobrevivência fazem com que esses imigrantes passem por situações de privações em todas as áreas, colocando-se em zonas de perigo, correndo risco de adoecerem, passando fome e contraindo traumas que são difíceis de serem superados.


Texto escrito por Flávia Faria da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]