Autoconhecimento Convivendo

Se amar fosse fácil já teriam criado um algoritmo

algoritmo do amor
Benedito Milioni
Escrito por Benedito Milioni

esses tempos em que vivemos tudo é volátil e efêmero, porque tudo corre contra si mesmo, desde que a tecnologia da informação (TI) invadiu nossas vidas com incontida fome de tudo mudar e transformar em velocidade alucinante. E, desde então, para o bem e para o mal, o que era passageiro aceitou mansamente ser imperceptível e o inconstante assumiu as feições indistintas de algo condenado a ser mistério.

Um dos rebentos da transformação acelerada que nos tem afetado todos os dias é a popularização do algoritmo como matriz, ora de compreensão, ora de regência de rumos e tendências.

Do novo aroma para um outrora inocente sabonete, serve o onipresente algoritmo para até determinar o comportamento final do consumidor. Numa outra dimensão, o algoritmo é a matriz para a navegação espacial, levando a que minúscula nave acerte o ponto exato de distante corpo celeste e cumpra uma série de tarefas de alta complexidade, quase sempre procurando por sinais de vida além da que temos pelas bandas de cá. A moderna e evolutiva ciência da computação cria e recria com seus algoritmos as hipóteses e as respostas de que tanto necessitamos para seguir adiante por todos os mundos, conhecidos, desconhecidos, aqui perto ou lá pelos fins das distancias medidas em milhões de anos luz.

algoritmo

Uma boa programação inspirada em precisos e disciplinados algoritmos tem sempre forte inspiração nas teias armadas pela Natureza para definir e reger a Vida, o que me leva, muitas vezes assustado com a grandiosidade de tudo o que consigo aprender e entender, a acreditar que o Senhor desde antes da gênese apreciava as possibilidades dos algoritmos, na verdade criados por Ele ou por seus preferidos que agiam como engenheiros da Criação.

Mas não precisamos de um algoritmo para mergulhar e deslizar pelas imensas pradarias e vales floridos do amor, conversando com passarinhos e brincando de pega-pega com brilhantes peixes, ou saltando de um floco de nuvem para outro, nessa destemperada viagem pelos estados oníricos da existência, em que o amor se alimenta para a sua parte na obra da expansão do Universo.

E não precisamos porque nem o mais complexo dos algoritmos seria capaz de definir caminhos e regras para o amor, porque de simples este só tem mesmo a composição da palavra, quatro letras, duas consoantes e duas vogais. O resto é matéria complexa porque menos que isso não pode ser o que mais se aproxima do magnífico, e temos que os apelos complexos requerem condições especiais de sintonia, para que sejam compreendidos e vivenciados. Bem que tentaram os poetas, os músicos, os artistas plásticos, os literatos e muitos mais que dedicaram suas vidas a explicar e definir o amor. Viveram, aprenderam, amaram, desamaram, foram surpreendidos e tragados pelo inimaginável e foram para outras dimensões sem submeter o amor aos limites do explicável o que, paradoxalmente, levou a que este alcançasse o estado de arte, pois assim é esse tal de amor.

amor

Não é fácil viver o jorro de emoções que acompanham a experiência de amor, não importa quem sejam seus elementos ativos: de amor por uma plantinha que emergiu de semente distraidamente cultivada num vasinho de canto de janela até o amor por todos aqueles seres pelo mundo afora mais carentes e menos conhecedores do amor verdadeiro, como o que vem das ondas que só são formadas nos oceanos internos de emoções e sentimentos de homens e mulheres de enorme compaixão pelo semelhante. É grande demais para ser contido nas instruções de delimitações da lógica precisa de um algoritmo, bastando que nos lembremos que até existe o chamado amor à primeira vista, de geração espontânea e sem previsibilidade e regras temporais, fatores admissíveis nos algoritmos que gerenciam a rede de comunicação que capilariza-se pelo mundo inteiro e não demora estará definindo as regras em planetas que ainda serão descobertos… por um algoritmo!

E o mais intrigante nesse tal de amor que descobrimos (ou pensamos fazê-lo) é que se deve assumir serenamente que sua grandiosidade não permite que seja composto como algo fácil.

Nós o sentimos, dele nos alimentamos, com ele transformamos todas as relações e interações humanas e cada um tem a sua própria fórmula, qual soberano alquimista no mundo em que só valem as próprias emoções e sentimentos!

Para nossa imensa sorte – ufa! – o amor que nos humaniza e aproxima do divino não se submete às manipulações do marketing e nem à prisão das regras cartesianas e desde sempre se safou das teorizações das ciências que supõem ter resposta para tudo.

Por ser simples o amor é viável. E o melhor negócio é não dar trela para os que tentam compô-lo em linguagens que permitam decifra-lo. Melhor mesmo é olhar com mais atenção para a sabedoria dos poetas, seres que à incapacidade de explicar o amor contrapõem a entrega absoluta sem outra intenção que não a de transcender a miúda condição humana e, por breves instantes que sejam, sentir a proximidade da face de Deus.

Texto de Benedito Milioni


Você também pode gostar de outros artigos desse autor. Acesse: Quero virar passarinho!

Sobre o autor

Benedito Milioni

Benedito Milioni

Graduado em Sociologia e Administração, 46 anos de carreira executiva e técnica em Desenvolvimento de Pessoas, autor de 32 livros, autor de 5 e-books, co-autor de 15 livros e autor de 25 manuais técnicos.

Dirigiu treinamento para mais de 3.349 grupos (cerca de 81.000 treinandos), dos quais 36.760 da área de RH, cerca de 24.736 Gestores e Líderes, 18.610 na área Comercial e 3.318 em Competências de Negociações . Formou cerca de 2.450 Instrutores e Multiplicadores Internos e 610 Consultores Internos Participa, regularmente, como conferencista sobre Tecnologia de Gestão em T&D em eventos nacionais e internacionais.

Apresentou mais de 2.104 conferências e palestras para mais de 200.000 pessoas. Prestou serviços a mais de 440 empresas, no Brasil e no exterior (América Latina, América Central, África e Europa). Júri de prêmios de Excelência na Gestão de Pessoas.

Publisher da GESTÃO DE PESSOAS EM REVISTA.

Contatos:

Av. Paulista, 2.202 , 3o. Andar CEP 01310-300 - São Paulo – SP
Site: www.milioni.com.br
Email: [email protected]
Telefone: 11 3508-1990 | 4158-7435 | 99909-5858
Facebook: www.facebook.com/bmilioni Linkedin: linkedin.com/benedito-milioni

Canal no Youtube