Convivendo

Projeto “Solte o cabelo, prenda o preconceito”

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras


A cada dia que passa ouvimos falar mais sobre empoderamento, e ele se apresenta de muitas formas. Há diversas campanhas com o objetivo de empoderar mulheres e homens, com diferentes tipos de corpos e belezas. Com isso, cada vez mais pessoas estão se aceitando como são e isso inclui, é claro, os seus cabelos crespos.

Menina com o cabelos loiros e crespos sorrindo com as mãos na cabeça.

Há algum tempo atrás, a escola Saint Hilaire, localizada no Rio Grande do Sul, desenvolveu um projeto que além de trabalhar o empoderamento para as crianças que têm cabelos crespos, também faz campanha antibullying. O nome do projeto é “Solte o Cabelo, Prenda o Seu Preconceito”.

A iniciativa incentiva as crianças da escola a aceitarem seus cabelos, sejam eles como forem. Além disso, a campanha também as conscientiza para que elas respeitem as diferenças que existem entre as pessoas, evitando assim o bullying dentro da escola.

Segundo Larisse de Moraes, professora e idealizadora do projeto, ele surgiu em sala de aula baseado em um projeto anterior para conscientizar as crianças, porque ela percebeu que a forma como as crianças se tratavam não era a mais adequada, e então buscou soluções para fazer daquele ambiente um lugar mais construtivo para todos.

Menina de cabelos crespos deitada na grama sorrindo.

Larisse ainda conta que por 25 anos alisou o seu cabelo e não aceitava que estava fora dos “padrões”, e ainda elogia uma de suas alunas que escreveu a seguinte frase:

Quando falam do meu cabelo, eu fico com aperto no coração, isso não me entra. Eu não consigo acreditar que isso me machuca muito. O que tem meu cabelo? Eu não sei mesmo.

O diretor da escola, Ângelo Barbosa, disse que o projeto traz muita alegria, porque ao empoderaras crianças, elas conseguem se colocar no mundo e enfrentar as atitudes de bullying “com a tranquilidade de quem sabe que o preconceito é besteira e se o outro tem preconceito, bom, deixa ele lá com o preconceito dele”.


Você também pode gostar de outro artigo. Acesse: Quem são os adultos índigos?

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]