Autoconhecimento

Tipos de abusos que as mulheres vivem

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Ofavorecimento da posição masculina e submissão da mulher como objeto sexual se deve a um desenvolvimento histórico, que envolveu um sistema de sociedade patriarcal em que o homem tem a figura de trabalhador, produtor e poderoso, e a mulher de submissa, servente e vista como objeto de reprodução e prazer para o primeiro.

Ao longo dos anos, o machismo veio tomando diferentes formas, moldou-se de acordo com a evolução da organização social e hoje se manifesta menos explícito, mas ainda muito presente.

A luta feminista

A causa feminista defende, primeiramente, a igualdade de direito entre os gêneros.
Observa-se atualmente uma disparidade de oportunidades e credibilidade em relação à mulher no mercado de trabalho. A visão, mesmo que não declarada, de que a mulher deve cuidar da casa e dos filhos, ter boa aparência e servir o homem, como fez em muitos períodos da história da humanidade, ainda é uma realidade triste e atual.

O conceito de machismo é geralmente associado ao descarado destrato de mulheres, ao abuso sexual e à posição de supremacia do homem. 

Young abused woman defending with pray looking at camera with outstretched arm. Selective focus. Focus on background on woman face.

Essas são realmente características do machismo, entretanto, a ideia transpassa tais atitudes maiores e é também expressa por pequenas atitudes de destrato, muitas vezes não notadas pelos outros, mas muito sentidas pelas mulheres.

“Pequenos” abusos

Listamos algumas situações comuns no dia a dia das mulheres, que as atingem de forma indireta e sustentam a posição favorecida do homem. Confira:

Interrupção

Perceba que as mulheres são constantemente interrompidas por homens em palestras e discursos. Atribui-se uma fraqueza à figura feminina, que diminui a credibilidade e o espaço de seu argumento.

Para os norte-americanos, o fenômeno foi registrado como “manterrupting”, uma junção das palavras ‘homem’ e ‘interrupção’, em inglês.

Palavra não concedida

Além de muitas vezes não serem escutadas, as mulheres sofrem de perda de argumento. Principalmente no ambiente de trabalho, elas expõem a sua opinião e não ganham a atenção merecida, que normalmente é transferida para uma figura masculina, que pode se apropriar e utilizar os mesmo argumentos que uma mulher expôs anteriormente.

Em inglês o termo cunhado foi “bropriating”, que representa a apropriação por parte de um amigo, com ironia.

Inteligência incerta

Dentro do quadro de desconfiança e falta de crédito à mulher, muitos homens do ambiente corporativo passam a tratá-las como burras, fazendo questão de explicar cada detalhe a fim de garantir que entendam. Tal atitude parte de um preconceito machista sobre a incapacidade intelectual feminina.

Nos Estados Unidos foi chamado de “mansplanning”, algo como ‘homem que explica’.

Com essas e outras atitudes, o homem continua afirmando-se superior e mantendo uma sociedade machista e mascarada. O papel da militância feminista é quebrar tais tabus e oferecer igual espaço as mulheres e homens, sem que nenhum dos lados seja desfavorecido ou agredido, mesmo que ‘sutilmente’.


Texto escrito por Julia Zayas da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]