Relacionamentos

A importância da terapia para o abandono do relacionamento abusivo

Mulher sentada com a mão no rosto.
MART PRODUCTION / Pexels

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o relacionamento abusivo não se trata somente de relacionamentos afetivos; em relações de amizade e familiares também pode ocorrer o abuso.

Afinal o que é um relacionamento abusivo? Ele pode dar sinais pequenos no início, como amor em excesso, demonstrações de carinho de forma excessiva, de maneira exagerada, e desejo de que a pessoa retribua, e retribua da mesma maneira. Manifestações de carinho de forma exagerada não significam amor de verdade, ainda mais quando se cobra na mesma proporção.

Outro sinal de abuso em relacionamento é o controle e a dependência financeira. Muitas pessoas permanecem em um relacionamento abusivo por não terem condições de ter seu controle e sua independência financeira, por isso têm receio de não terem um suporte ao abandonarem a pessoa abusadora. Geralmente, o abusador usa o dinheiro como forma de segurança e proteção no início. Com isso, sua vítima muita vezes abandona um emprego por confiar nele e, depois disso, torna-se dependente.

A agressão verbal geralmente é um dos primeiros indícios de abuso no relacionamento. A pessoa passa a agredir com palavras, a magoar e a ofender.

Homem segurando a mão de uma mulher com força.
Alex Green / Pexels

Um dos principais sinais desse processo é a manipulação e o arrependimento. Nessas ações, o abusador faz com que a vítima se sinta culpada por algo que muitas vezes não tenha feito e, depois de acusar, demonstra arrependimento, alega que isso não ocorrerá mais. É um círculo vicioso de manipulação.

Portanto é preciso estar atento aos sinais. Alguns comportamentos podem passar despercebidos e, com isso, as ações podem se intensificar.

O processo terapêutico é importante nesse sentido para que se possa fazer uma autoanálise e uma análise da relação. Como Freud dizia, é importante avaliar o ciclo de repetição das ações, repetir, recordar e elaborar. Geralmente o relacionamento abusivo se dá pela ação, que é o insulto, o julgamento, a vitimização do agressor (alegando que fez tudo isso porque a vítima provocou) e, por fim, o arrependimento (quando o agressor diz que nunca mais fará aquilo).

Você também pode gostar

O processo de recordar é quando há a associação livre, quando a vítima narra o que houve. Às vezes, por mais difícil que seja falar, é preciso e necessário e na elaboração. Entende-se o contexto das ações para que não haja repetição.

Geralmente, as vítimas se sentem culpadas, acreditam que provocaram alguma situação que pudesse desencadear esse tipo de relacionamento. Portanto, o papel da terapia é fazer com que a vítima entenda sob ótica de vítima mesmo o que está passando e, assim, liberte-se desse tipo de relacionamento.

Sobre o autor

Beatriz de Andrade Silva

Psicóloga clínica, orientada pela psicanálise freudiana, especialista em diversidade nas organizações (PUC-SP), pós-graduada em direitos humanos, responsabilidade social e cidadania global (PUC-RS), pós-graduanda em psicologia e desenvolvimento infantil e pesquisadora das relações étnico-raciais. Atuou por oito anos no mercado financeiro, na área de recursos humanos, com foco em atração, seleção, treinamento e desenvolvimento. Na área social, é voluntária em um coletivo que busca colocar a diversidade e a inclusão em pauta e ação e, por fim, é mentora voluntária de jovens de 16 a 23 anos, auxiliando no propósito de carreira.

Contatos
Email: psicologa.beatrizandrade@outlook.com
Facebook: Beatriz Silva
Instagram: @eupsicologabeatriz
Linkedin: Beatriz de Andrade Silva