Autoconhecimento

Vegana viajando

Vegana
Juliana Ferraro
Escrito por Juliana Ferraro
Eu sempre associei a hora de comer com o afeto. Tipo, sabe quando a sua avó fez um prato muito bom e você come tudo, às vezes não porque tinha fome, mas porque foi ela que fez? Ou quando ela fala: gostou? Sim! Então, come mais! E você já está quase passando mal… Mas come mesmo assim, pois sabe que ela vai ficar feliz?

Bom, não sei se você é assim, mas eu sou…

VeganaE estou vendo que comer a mais ou comer coisas que, a longo prazo, não me fazem bem, para agradar aos outros e ser educada, talvez tenha sido uma merda de hábito que eu aprendi a ter.

A gente aprende desde criança que é falta de educação deixar comida no prato e recusar comida quando somos convidados na casa do outros. Falta de educação? 

Isso ficou tão forte gravado em mim que, mesmo tendo uma voz que me diz: “Agora chega, não precisa, não come!”, tem um impulso mais forte que vai lá e come.

É bizarro! 

VeganaE agora que eu ando muito mais sem comer derivados de leite, vim para a Europa, onde tem queijos para todos os lados. Ainda mais na França! E, imagina, estou na casa dos meus sogros e parentes daqui… E eles amam queijo… Eu andei comendo. Sim, é gostoso. Sim, é uma tradição, quase que um ritual. Sim, é sociável. Mas não, não me faz bem. Estou sentindo o meu corpo inchado, às vezes os olhos pesados e o mau humor mais frequente. Eu liguei os pontos. Quando eu comia queijo direto, nem percebia esses efeitos, achava que era normal ou podia ser outra coisa. Mas agora ficou bem claro. E é bizarro mesmo a minha atitude de, mesmo sabendo e totalmente consciente da merda que é a indústria leiteira e dos efeitos no meu corpo, eu ainda como. Parece um vício. Eu acordo de manhã pensando: hoje vou ficar de boa, não vou comer queijo, vai me fazer mal. Mas quando eu estou com fome e o que tem é queijo, ou mesmo quando eu vejo aquele prato cheio de queijos diferentes e gostosos, eu como. Qual a solução? Não sei…

O que eu posso fazer agora? Primeiro, tomar consciência dessa voz meio autossabotadora que diz: “Foda-se o preço que vou pagar, vou comer mesmo assim!”. Segundo, julgá-la menos, pois sou humana.

Não é aceitar mais e cair vítima de mim mesma, mas tomar a responsabilidade e ficar de boa quando aparecer o efeito colateral.
Talvez, o mais complicado disso tudo mesmo é o círculo vicioso: comportamento (comer o queijo), prazer, culpa (essa é a pior parte), sensações grosseiras no corpo e julgamento (por que eu fiz isso?), e come de novo para compensar a sensação ruim da culpa. E o ciclo continua e continua… Sinto que se conseguir tirar um pedaço da corrente, ela quebra e pode ser que tirar a culpa e/ou julgamento ajude. Vou fazer o teste e conto para você.

E você, quando viaja e não consegue manter uma rotina saudável, como se sente?

VeganaPelo menos a prática de yoga estou mantendo (salva o dia)!

Beijos!


Você também pode gostar de outros artigos da autora: Você já refletiu sobre a sua alimentação?

Sobre o autor

Juliana Ferraro

Juliana Ferraro

Juliana Ferraro é psicóloga por formação e viajante por amor às coisas novas da vida. Seu contato com diferentes línguas e culturas começou quando ela ainda trabalhava no Club Méditerranée, depois disso fez um mochilão pelo mundo em busca de autoconhecimento. Em pouco mais de 1 ano conheceu diversos países asiáticos, em especial a Índia, onde fundou uma paixão profunda pelo Yoga e pela meditação. Hoje, ela é professora de Yoga e terapeuta reikiana em Paraty, RJ.

Contatos:

Facebook: /juliana.ferraro | /lotusviajante
Instagram: @ferrarojuju | @lotus_viajante
Site: www.lotusviajante.com | www.casadodharma.com
E-mail: [email protected]