Autoconhecimento Terapia Anti Abuso Emocional

Você acha que já viu tudo em matéria de sedução? Veja o que tem por ai e você pode não saber

Silvia Malamud
Escrito por Silvia Malamud
Dentre as violências existentes, certamente a violência psicológica é a mais difícil de se detectar e como existe muita manipulação de verdades, como o famoso Gaslighting*, as vítimas correm o risco de demorarem tempo por demais extenso até terem a certeza do que está ocorrendo em suas vidas.

O abuso emocional é uma das formas de violência das mais devastadoras que podem existir na vida de alguém, portanto, o quanto mais cedo se puder saber detalhes sobre a pessoa com quem está se envolvendo, mais garantida fica a proteção em todas as áreas da vida.

No início de uma nova possibilidade afetiva, mantenha um certo distanciamento se atentando para não cair em uma observação cega contaminando-se pelas suas próprias paixões e desejos. Como regra geral para se evitar de cair em alguma cilada afetiva, sempre é bom procurar saber tudo o que puder sobre a vida desse outro que está começando a entrar em sua intimidade. Conheça as suas histórias de vida, suas origens, família, meio social e trabalho, esse movimento inicial pode valer a sua vida. Observar com um certo distanciamento tudo o que ele puder contar sobre a sua própria história, sobre as suas ex-namoradas, se ele fala muito mal das outras ao mesmo tempo em que se coloca de vítima de suas histórias de vida e, inclusive, se te contar da má sorte que teve por ter se associado com pessoas que não foram tão legais, serão fatores importantes para se ponderar.

Atente se as falas e as ações estão de acordo com o clima emocional que vai se instalando no campo da sedução e se acaso existir algo no ar que em determinados momentos te traz um certo desconforto e em outros tudo fica tranquilo, mas ainda em meio a um clima de insegurança, a melhor dica é não entrar de cabeça na relação enquanto não estiver com mais detalhes sobre quando e como esse clima sutil e não palpável se manifesta.

Para os abusadores, logo após o momento da sedução onde tudo é especial e maravilhoso, começa a fase da desqualificação massiva e do descarte afetivo. Por parte das vítimas, existe dificuldade de perceber o que está acontecendo porque as situações desconfortáveis surgem quando menos se espera, ao ponto de ficarem se perguntando o que poderiam ter feito para gerar todo aquele clima emocional ruim no parceiro. Logo na sequência, como em um jogo de morde e assopra, ficam tensas entrando em um esquema de automonitoramento, ao mesmo tempo em que gradativamente vão se sentindo cada vez mais angustiadas e culpadas, com medo de fazerem algo que desarrume os breves momentos de paz, que cada vez serão menores. Com certeza essa é uma das táticas mais perversas de manipulação emocional que existe, pois vai confundindo e fragilizando de modo obscuro e altamente perturbador. Já ouvi vários relatos de vítimas dizendo que parecia que existiam duas pessoas dentro de uma nos parceiros. A primeira seria incrivelmente legal e bacana em tudo, sempre trazendo a esperança do resgate da paz e da harmonia do início da relação, e a segunda, totalmente virada, repleta de mal humor, comportamentos explosivos, ameaçadores e, muitas vezes, intimidadores. 

Sempre é bom lembrar que as manipulações perversas são de difícil detecção, mas não de impossível captura.

Ter clareza do que está acontecendo e romper com o silêncio sobre os abusos sofridos não é tarefa fácil de se conquistar uma vez que as vítimas passam por uma espécie de lavagem cerebral que sequencialmente vai fragmentando os seus psiquismos mediante a inserção de dúvidas sobre as suas próprias percepções.

Para sair desse ciclo tóxico triunfante, a sugestão inicial é a escuta do alerta interno que os mecanismos de sobrevivência sempre insistem em avisar, na sequência, ativar de modo crítico as lembranças sobre exatamente como foi o início da relação, o que foi falado e as histórias contadas, lembrar detalhadamente de tudo e, o mais importante, recordar como você era antes do relacionamento.

O autorresgate e as forças pessoais se ampliam quanto mais lucidez e atitudes em nome da vida ocorrerem.
Mesmo que esteja frágil, desesperançosa e triste nesse cenário, leve em conta que esses são preciosos sinais enviados pela sua consciência lhe avisando de que está na hora de tomar novas atitudes ao seu favor.

Ao sentir que algo de muito errado está acontecendo em sua vida, jamais banalize tais avisos. Atitudes de fortalecimento por meio de leituras, conversas com amigos e ajuda terapêutica competente sempre são benéficas.

Conforme as evidências forem tomando corpo existe total possibilidade de sair desse tipo de relação convicta e, se for o caso, de exercer o direito do não contato.

Muitas vítimas que estão em relacionamentos tóxicos e em meio a bastante abuso psicológico necessitam de ajuda terapêutica para conseguirem se libertar de vez. Em alguns casos, advogados e a lei também podem se fazer necessários.

*Gaslighting: é uma forma de abuso psicológico no qual informações são distorcidas, seletivamente omitidas para favorecer o abusador ou simplesmente inventadas com a intenção de fazer a vítima duvidar de sua própria memória, percepção e sanidade.

*Embora o artigo tenha sido escrito na versão feminina, fica declarado que homens igualmente podem ser vítimas da mesma ordem de situações abusivas e passarem pelos mesmos aflitivos contextos emocionais e com as mesmas possibilidades de resgate.

Quanto mais despertos, melhor!

 


Você também pode gostar de outros artigos da autora. Acesse: Como saber se o relacionamento é abusivo?

Sobre o autor

Silvia Malamud

Silvia Malamud

- Psicologa
- Especialista em temas relacionados ao Abuso Emociona com narcisistas perversos em relacionamentos afetivos, familiares, mãe/pai filhos, escolares, sociais e de trabalho.
– Especialista em Terapia Individual, Casal e Família /Sedes
- Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA
- Terapeuta Certificada em Brainspotting - David Grand/ EUA
- Terapia de Abordagem Direta a Memórias do Inconsciente.

EMDR e Brainspotting são terapias de reprocessamento cerebral que visam libertar a pessoa do mal estar causado devido à experiências difíceis de vida, vícios, traumas, depressões, lutos e tudo o mais que é perturbador e que seja uma questão para que a pessoa queria mudar. Este processo terapêutico, por alterar ondas cerebrais viciadas num mesmo tipo de funcionamento, abre espaço para que a vida mude como um todo, de modo muito melhor, surpreendente e inimaginável anteriormente.

Mais sobre Silvia Malamud: Além de psicóloga Clínica, é também formada em Artes plásticas- Terapia Breve - Terapia de Casais e Família pelo Sedes Sapientiai. Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA e em Brainspotting David Grand/EUA. Desenvolveu-se em estudos e práticas em Xamanismo, Física Quântica, Bodymirror. Participou e se desenvolveu em metodologias de acesso direto ao inconsciente, Hipnose, Mindskape, Breakthrough e outras. Desenvolveu trabalho como psicóloga Assistente no Iasmpe, Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual, com pesquisa sobre o ambiente emocional de residentes durante o período de suas residências, de 2009 até 2013. Participou do grupo de atendimentos de casais do NAPC de 2007 à 2008. Autora dos Livros "Projeto Secreto Universos", uma visão que vai além da realidade comum e Sequestradores de Almas, sobre abuso emocional que podemos estar vivendo, sem ao menos saber, sobre como despertar e como se proteger.

· Conhecimento terapêutico: Cenários e imagens: Já presenciei diversos pacientes fazerem "viagens" às vidas anteriores, paralelas, sonhos e mesmo se reinventarem em cenas reais ocorridas ou não. Vi-os saindo do túnel do reprocessamento, totalmente mudados e transformados, inclusive em suas linhas de tempo. Para mim, fica uma pergunta de física quântica... O que acontece com a rede de memória da pessoa se a matriz do acontecimento muda totalmente não o afetando mais? A linha do tempo e todos os significados emocionais transformam-se simultaneamente. Todos os eventos difíceis que a pessoa teve em relação ao tema ao longo da vida perdem o sentido e até parece que nem existiram, embora se saiba. A pergunta que fica é: O que é o tempo quando podemos nos transformar e nos auto-superarmos nesta amplitude?

· Coexistimos em inúmeras camadas de realidades que são atemporais. Por exemplo, o seu “eu” criança pode estar existindo e atuando em você até hoje... Outros aspectos desconhecidos também podem estar, sem que você suspeite.

Silvia Malamud
Psicóloga clinica Especialista em Terapias Breves individual, casal e
família/Sedes - CRP: 06-66624
Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA
Terapeuta Certificada em Brainspotting – David Grand PhD/EUA.
Terapia de Abordagem Direta a Memórias do Inconsciente.
email.: [email protected]