Comportamento Convivendo

Ser amigo é se animar com o outro

Daniella de Paula
Escrito por Daniella de Paula
Em algum momento vamos perceber que a amizade é uma experiência profunda da própria vida. Uma dinâmica que envolve diálogo, mas também silêncio. Pede conhecimento, mas também capacidade de não saber tudo. É convivência, mas talvez seja possível cultivar um amigo por um dia apenas. Depende do olhar, da qualidade do tempo vivido e, principalmente, de uma espécie de ânimo pelo outro.

Vamos falar da amizade que é convívio, por enquanto. Da amizade sol e chuva, daquela que é dia após dia, da amizade com detalhes e histórias. O conviver nos modifica. Por isso, os bons amigos não se perdem. Se acontece o desencontro, eles se reencontram, mesmo que seja apenas em uma lembrança.

Podemos dizer que a amizade só acontece quando nos dispomos realmente a estar com o outro e quando nos animamos por isso. A amizade precisa desse ânimo que contém verdade e coragem. Fora isso, os amigos não passam de alguns padrões estabelecidos. A amizade não é baseada em alguma forma de obrigação, etiqueta ou cumprir certos papéis. Às vezes, medimos a amizade pela quantidade de amigos que temos. Também não é isso. O que vale é realmente a experiência profunda de vida.

A amizade só acontece quando nos dispomos realmente a estar com o outro e quando nos animamos por isso.

A amizade acontece no íntimo espaço que é possível surgir entre dois seres que estão animados. Um com o outro. Isso também envolve liberdade. Podemos olhar para os vínculos de amizade como algo que não nos prende. Aliás, a amizade é totalmente livre. Estamos prontos para ela porque estamos animados.

amigo

Só um ser que se anima com o outro, oferece. Ouvimos, falamos, silenciamos, dançamos, ficamos tristes ou nos alegramos juntos, sofremos, emprestamos o ombro, esperamos, somos abrigo e nos abrigamos, servimos. O ânimo da amizade é dinâmico. Oferecer o que há de melhor em nós para o outro é uma escolha de quem se anima também apenas por oferecer.

A amizade é a capacidade de se animar com a existência do outro. Isso é vida, mas podemos chamar de amor também.

Sobre o autor

Daniella de Paula

Daniella de Paula

Daniella de Paula é redatora. Propõe breves reflexões sobre a vida cotidiana.

Para ler mais textos, acesse: contavida.com