Relacionamentos

A banalização do Amor

Palavra amor escrita em inglês, entalhada em um pedaço de madeira
Lilian Campos
Escrito por Lilian Campos


Corriqueiramente falamos para aqueles que nos são caros: eu te amo.

Mas por que falamos ‘eu te amo’ ao invés de dizer, simplesmente: eu gosto de você?

Dizemos ‘eu te amo’ porque queremos demonstrar o sentimento mais sagrado, nós associamos o amor ao que é divino, às virtudes perfeitas e puras do espírito e é isso que queremos demonstrar.

Casal sentado em um sofá, abraçado, se cobrindo com um cobertor, encostando seus rostos um no outro.

No entanto, falamos muito, mas pouco refletimos sobre a importância de vivenciar o amor, e, dessa maneira, ele tem se tornado banal, vazio, praticamente apartado do seu real significado. Muitas vezes, estrategicamente, usamos o amor como arma de manipulação, de realização pessoal; transformamos o amor em grades que aprisionam, em ferramentas que moldam; e, assim, nos distanciamos cada vez mais do seu real significado.

Quando dizemos ‘eu te amo’ estamos evocando e invocando o que existe de mais perfeito, bom e belo, mas é isso que estamos praticando?

O amor respeita
O amor aceita
O amor não fere
O amor não se importa em disputar a razão
O amor é compreensivo e paciente
O amor não barganha
O amor não manipula
O amor não julga
O amor não condena
O amor não aprisiona e nem tenta dominar
O amor não se exibe.
O amor não faz distinção

O amor se manifesta não por palavras, mas em nossas atitudes por meio de sua essência pura e verdadeira, ainda distante da nossa compreensão;

Dizemos ‘eu te amo’ para, em seguida, exigir a mudança, criticar, acusar, julgar, condenar; só amamos quem nos ama, só amamos se fazem nossos gostos, só amamos se atingem o nosso ideal de perfeição, amamos se, se, se e se… Não sabemos amar sem uma condição, e o amor em essência é incondicional!

Casal jovem, rindo e sorrindo, se abraçando

Está tudo certo, essa é nossa condição de consciência no momento, e é assim que entendemos o amor, contudo, isso não precisa anular nossa capacidade de avaliação, não nos exime da responsabilidade sobre aquilo que cativamos, não nos impede de refletir sobre como estamos usando essa palavra pequena, mas grandiosa em significado.

Então por que não falar ‘eu te amo’ com mais consciência?

Por que não viver esse amor no sentido divino, lembrar do seu real significado e praticá-lo? Se falamos ‘eu te amo’, é porque queremos mostrar o sagrado, então por que não vivenciar e praticar as virtudes desse sagrado?

Foto preta e branca de casal de idosos sentados de mãos dadas

É difícil? Sim, não é fácil, mas se não estamos dispostos a tentar, então não seria mais honesto e verdadeiro apenas dizer: gosto muito de você?

Dessa maneira, estaríamos mostrando os sentimentos coerentes e relativos a nossa condição humana, e não estaríamos tentando divinizar um sentimento que ainda não conhecemos.

Ou falamos e praticamos, ou corremos o risco de banalizar o amor, transformá-lo em palavras vazias e sem essência.

O amor é o que é, é perfeito em si, não precisa dos nossos critérios e exigências para existir. Ele é e sempre foi o começo, o meio e o fim, e jamais será verdadeiro enquanto for usado apenas como um meio.


Você também pode gostar de outros artigos da autora: Estou mas não sou desse mundo

Sobre o autor

Lilian Campos

Lilian Campos

Escritora, filósofa, aluna, esposa, irmã e curiosa incansável, apaixonada por leitura, psicanálise, espiritualidade e por todas as formas de autoconhecimento.

Em meus mestres encontrei o exemplo, o amor, a força, a alegria, a determinação e principalmente um caminho de luz. Em meu companheiro de jornada encontrei a mão estendida que me apoia durante a caminhada.

Assim sigo esta vida, buscando aprendizados que me tornem um ser humano melhor, consciente de que a perfeição ainda está distante.

Acredito sinceramente que a mudança do mundo começa em nós, e só acontece por meio de nossos exemplos.

Contatos
Email: [email protected]
Site: guiandoalmas.blogspot.com
Facebook: guiandoalmas