Comportamento Convivendo Relacionamentos

A tecnologia mudou o amor?

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
O amor nos tempos da internet
O sofrimento por amor não é uma temática atual, muito pelo contrário. Desde a Idade Antiga, os casais abandonaram tudo para viver romances arriscados. Lutas, mortes e vidas colocadas em jogo por pessoas que lutaram para superar grandes obstáculos pelo(a) amado(a). O tempo passou e o amor ainda existe. Existe? Sim, mas a sua manifestação ocorre de maneiras variadas de acordo com a época e a sociedade que manifesta esse sentimento mobilizador.

Quem não conhece um casal que se conheceu pela internet, seja numa sala de bate-papo, no Facebook, no Tinder ou em alguma outra rede social? Engana-se quem pensa que as relações são apenas pontuais. Para muitos, a internet é uma maneira de encontrar pessoas que têm gostos semelhantes, porém sem a limitação das grandes distâncias. Tecnicamente, a internet só aumentou a chance de você encontrar uma alma-gêmea apaixonada por videogame do outro lado do planeta, sendo que antes havia uma restrição para aqueles que moram nas proximidades. Relacionamentos a distância eram exceções no passado, enquanto hoje são cada vez mais frequentes.

Interpretar a manifestação do amor sob essa ótica positiva é perfeitamente possível. A questão é que também possui uma faceta não tão favorável, que é a “coisificação” dos seres humanos e as relações “tapa-buracos”. Vale destacar que quando há consenso entre duas pessoas que sabem exatamente o que esperam do parceiro(a) não há absolutamente nenhum problema. Os obstáculos começam a aparecer quando visões diferentes deixam de se complementar e aprender mutuamente, passando a se cobrar excessivamente e viver de maneira infeliz.

É muito difícil saber a hora de desistir ou de continuar tentando. O problema é que quando a tecnologia propicia uma maior facilidade para conhecer outras pessoas, desistir fica muito mais fácil. Como diz o cantor Tom Zé numa música sobre a cidade de São Paulo, eis que se forma uma “aglomerada solidão”, ou seja, podemos ter um(a) parceiro(a) por dia, baseando-se em relações rotativas que não criam raízes e não saciam a necessidade de não estar sozinho(a). 

Com tecnologia ou não, o amor mais fiel é o amor-próprio.

No final das contas, a internet pode ser usada de variadas maneiras, inclusive para o amor. Relações obsessivas e histórias maravilhosas ficaram mais fáceis de acontecer. A tecnologia não criou absolutamente nada no que diz respeito às relações afetivas, apenas facilitou a criação dos caminhos a serem trilhados, seja para a felicidade, seja para o sofrimento.


Escrito por Diego Rennan da equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]