Autoconhecimento

A difícil arte de fazer escolhas

Escolher nunca é fácil. A gente nunca sabe verdadeiramente o que está escolhendo. São apostas. E quando algo está em jogo é mais do que normal ter medo. E também é normal a resistência, o “não quero enfrentar isso” ou o protelar, o “talvez eu não precise enfrentar isso agora”. Significa que nossos problemas são difíceis. Mas nem tudo está perdido, pois não deixamos de querer.

Impressiona-me a sensação de que tudo o que queremos é certo. Nem tudo o que desejamos convém, mas tudo o que queremos, como processo consciente, reflexivo, aquela verdadezinha que às vezes queremos negar ou que em vezes por impulso negamos, nunca se esconde, e sempre volta para nos dizer o que é mais importante e o que devemos fazer.

Mas, escolher de forma consciente é impossível.

Placas apontando diferentes direções.

Pois escolhemos futuros e os futuros não existem ainda. Tentamos criá-los com nossas escolhas, mas nossas escolhas não são as únicas coisas que os criam.

A maior parte do que queremos escolher não está em nosso controle. Basta apenas ter certeza do que queremos e saber-se, fazendo o seu melhor. O resto é do destino.

Às vezes, o protelar ajuda-nos nestas certezas. Mas não devemos deixar-nos enganar. A procrastinação nunca nos trará o que queremos, calando a voz sabiamente irritante que insiste em nos guiar para nosso melhor.

Você também pode gostar

Você provavelmente caiu neste texto procurando dicas de como escolher bem.

Eu só tenho esta: uma escolha é melhor do que nenhuma. Ah, mas se eu errar? Se você errar, você saberá que escolheu errado, e terá uma chance de escolher diferente. A maior parte das vezes. E se não der, ok, porque a única coisa que seria impossível, desde já, é desviar da necessidade de fazer escolhas. Evitar as escolhas ou postergá-las também é uma escolha. E, em geral, não é das melhores.

Sobre o autor

Guilherme Henz Franco

Psicólogo desde 2007, com formação em Antropologia Social na Alemanha (2015), trabalhou por 8 anos em Psicologia Organizacional, tendo também boa experiência em Psicoterapia Adulta e Infantil, e ainda Psicologia Escolar e Avaliação Psicológica. Na área cultural, é editor do site "O Franco Atirador", desde 2016, com produções artísticas e divulgação de material científico e político, e também do Blog "O Auscultador do Invisível", desde 2007, com produção literária (traduções, poemas, aforismos e ensaios).

Dados de Contato:

Celular: (62) 99801-0867
E-mail: ghenzfranco@gmail.com

Site: www.ofrancoatirador.com
Facebook: facebook.com/oauscultadordoinvisivel
Instagram: @ghenzfranco
Twitter: @ghenzfranco
Tumblr: ghfranco.tumblr.com/