Comportamento Convivendo

A história de um livro e de um amor


O amor, um dos maiores temas da humanidade. Talvez seja esse, o amor; muito embora tente-se formular explicações, boa parcela daquilo que movimenta a vida das pessoas escapa a racionalizações, permanecendo no plano do mistério.

Agora, em junho, chega às livrarias o livro Os Homens no Jogo do Amor, escrito por Thais de Menezes e Verónica Aravena Cortes, quem vos escreve. A obra é fruto de uma pesquisa no curso de Psicologia da Universidade Metodista de São Paulo, sobre o mistério do amor, visto pela ótica do masculino.

O livro aborda o amor na nossa contemporaneidade, tempos fluidos para o amor, versa sobre a busca do relacionamento amoroso que ocorre via redes sociais e aplicativos, mas aqui aproveito para registrar a minha história de amor. Ela começa em um tempo distante, no qual nem celular ou internet havia, o encontro podia acontecer na padaria, no metrô, no cinema ou nos assentos de um banco ou de uma praça.

Capa do livro "Os Homens no Jogo do Amor", com fundo em vermelho e uma ilustração de um homem segurando um celular preto.

Com o Igor, nos conhecemos na universidade, os dois cursando pós-graduação em Sociologia na USP, ainda no século XX. Eu com 29 anos e ele com 30, e algo, ele acabando de se separar, eu terminando um longo relacionamento. Até hoje recordo a primeira vez que o vi e de pensar “Que cara interessante!”. Naquele momento saímos, mas não rolou. “Imagina, nada a ver!”, pensei eu, ele idem. Cada um foi para o seu lado.

Dez anos mais tarde, nos reencontramos em uma festa de amigos em um espaço yoga, ambos ficamos surpresos, papo vai, papo vem, sentimos novamente aquele frio na barriga. Começamos a sair, sentimos o turbilhão, quase rompemos novamente, mas agora já mais velhos, percebemos o movimento e apostamos no amor.

Passamos a viver sob o mesmo teto e, coisa fora de moda, casamos, dissemos um ao outro “Prometo estar contigo na alegria e na tristeza, na saúde, na doença, até que a morte nos separe!”.

O livro passa longe desta história. Aborda os homens no jogo do amor, procurando identificar, no momento atual, o que os homens heterossexuais desejam quando entram em aplicativos para encontros amorosos, iniciando uma dinâmica em que um curtir, pode resultar num flerte ou num casamento, passando, claro, por todas as outras possibilidades.

Será que as novas formas de encontro trariam novas formas de amor? 
Ou hoje, como há séculos, busca-se viver a magia que, imagina-se, faria a vida valer a pena? Há tanta idealização nisso que chamamos amor!

Esta obra foi desenvolvida ao longo do primeiro semestre de 2017, aquele que viria a ser o último ano de vida do Igor. Naquele momento, eu não sabia. Ficou um ano soterrada, porque eu não podia ouvir a palavra amor. No Dia dos Namorados de 2018, decidi ficar em paz com os afetos e buscar publicá-lo. Um ano depois, chega às redes e às livrarias, sob o selo da editora Appris, como uma homenagem ao amor eterno e à eternidade do amor.

Os Homens no Jogo do Amor

Autoras: Thais de Menezes e Verónica Aravena Cortes

Editora Appris, 2019


Você também pode gostar de outros artigos do autor. Acesse: A sabedoria de Delfos

Sobre o autor

Verónica Aravena Cortes

Psicóloga (Terapia infantil, adultos e familiar, orientação e aconselhamento aos pais).

Graduação em Filosofia/USP e em Jornalismo pela Cásper Líbero, doutorado em Sociologia /USP e mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina pela Universidade de São Paulo.

Trabalhou como professora na Universidade Metodista de São Paulo nos cursos de Psicologia, Jornalismo, Ciências Sociais e Filosofia (1998-2018).

Organizou o livro "Chilena tu eres parte no te quedes aparte".

Edita o blog Saber Plural - Psicologia e afins para mentes curiosas.

Contatos:
Email: [email protected]
Site: saberplural.wordpress.com
Facebook: veronica.aravenacortes