Espiritualidade

Alcoólatra do braço ressecado

Homem bebendo ao lado de garrafas de bebida alcoólica.
Axel Bueckert / 123RF
Nilton C. Moreira
Escrito por Nilton C. Moreira

É comum pessoas que já fizeram a passagem serem conduzidas para esclarecimentos nas casas religiosas que praticam a mediunidade. Os que são trazidos para as reuniões são pessoas que se foram e que por acreditarem que nada existia depois ficam perdidas, sem rumo, não entendendo a nova realidade. Muitos acreditam estar sonhando, tendo pesadelos, e outros tantos têm a sensação de estar ainda vivos e procuram continuar vivendo como se estivessem ainda no corpo carnal.

É verdade que mesmo em condições confusas esses irmãos não deixam de estar amparados pela Espiritualidade Maior, pois o Pai nunca abandona Seus filhos.

Numa dessas reuniões de atendimento aos necessitados que se foram, compareceu um desencarnado, sendo o caso narrado assim pelo autor da psicografia: “Era um homem esguio e triste, exibindo o braço direito paralítico e ressecado. Atendendo-me ao olhar interrogativo, o companheiro, como quem não mais dispunha de tempo para o comentário fraterno, apenas me disse: “Faça uma auscultação. Repare por si mesmo.” Acerquei-me do amigo sofredor. Toquei-lhe a fronte, de leve, e registrei-lhe a angústia. Nas recordações que se lhe haviam cristalizado no mundo mental, senti o drama interior. Fora musculoso estivador no cais, alcoólatra inveterado que, certa feita, de volta a casa, esbofeteou a face paterna, porque o velho genitor lhe exprobrara o procedimento. Incapaz de revidar, o ancião, cuspinhando sangue, praguejou desapiedado: “Infame! O teu braço cruel será transformado em galho seco… Maldito sejas!” Ouvindo tais palavras que se fizeram seguidas por terrível jacto de força hipnotizante, o mísero tornou à via pública, sugestionado pela maldição recebida, bebericando para esquecer.

Homem debruçado sobre uma bancada abraçado a uma garrafa de bebida alcoólica.
Pixabay / Pexels

Cambaleante, foi vitimado num desastre de bonde, no qual veio a perder o braço. Sobreviveu por alguns anos, coagulando, contudo, no próprio pensamento a ideia de que a expressão paternal tivera a força de uma ordem vingativa a se lhe implantar no fundo d’alma e, por isso, ao desencarnar, recuperara o membro dantes mutilado a pender-lhe, ressecado e inerte, no corpo perispirítico.

Você também pode gostar

Enquanto refletia, o nosso orientador reaproximou-se de nós e, percebendo quanto se passava, informou: “É um caso de reajuste difícil, reclamando tempo e tolerância.” E, afagando os ombros do paralítico, acentuou: “Nosso amigo traz a mente subjugada pelo remorso com que ambientou nele mesmo a maldição recebida. Exige muito carinho para refazer-se.”

Às vezes praguejamos, amaldiçoamos, emitimos raiva para uma pessoa. Não sabemos que efeito esse nosso comportamento poderá causar ao final. Somos responsáveis pelos desejos de fazer o mal a outrem e seremos cobrados.

Pensemos nisso!

Sobre o autor

Nilton C. Moreira

Nilton C. Moreira

Policial Civil, natural de Pelotas, nascido em 20 de maio de 1952, com formação em Eletrônica, residente em Redentora (RS), religião Espírita, casado.
Email: [email protected]
Facebook: /Nilton-C-Moreira