Comportamento Comunicação Não-Violenta Energia em Equilíbrio

4 maneiras de lidar com a raiva e outras emoções negativas

Silhueta de mulher praticando Yoga na praia de frente para o pôr do sol
Dulcineia Santos
Escrito por Dulcineia Santos

Quem nunca cedeu a um ataque de raiva ou falou num tom mais ríspido do que gostaria de ter falado?

À medida em que vamos aprendendo, o ideal é que esses eventos diminuam. A realidade, no entanto, é que somos humanos e falhamos – e está tudo bem. Aqui vão algumas dicas para que possamos estar atentos e não sermos levados tão facilmente a agir condicionadamente:

Não suprima a raiva

A raiva suprimida só alimenta o ego e acaba se transformando em algo maior: um ataque de fúria ou, pior ainda, uma doença.

A primeira coisa a fazer é reconhecer que você tem isso dentro de si e aceitar. À medida em que vai colocando luz sobre essa emoção e reconhecendo-a, ela começa a perder força.

Mão feminina equilibrando pedras

Você vai dizer que já tentou isso e a raiva não diminuiu, mas a verdade é que agora você a reconhece! Como diz o Eckhart Tolle, primeiro você se dá conta que agiu com raiva dez dias depois, depois dois, depois uma hora mais tarde. Até que um dia você vai reconhecer os sinais da raiva antes e então passa a ter a escolha de como agir.

Conheça o que provoca a sua raiva

A budista Pema Chödron ensina que muito do combustível da raiva é a polaridade: certo ou errado, bem ou mal, amigo ou inimigo. É quando julgamos algo sob esse prisma que ela surge.

Para o eneagrama, a raiva é fomentada para o tipo 1 (o tipo que tem a raiva como “fraqueza”) quando, por exemplo, ele entende que segue todas as regras e as pessoas que estão vivendo mais livremente estão se dando melhor que ele.

Você já pensou por que sente raiva? Isso é um bom caminho para ver o que a dispara em você.

Finalmente, o remédio.

Sim, vou falar de presença. De novo.

Rudolf Steiner, criador da antroposofia, ensina um exercício de observarmos uma flor, sem nomeá-la (“isto é um cravo”), até entendermos a força vital que emerge dela. O Tolle ensina o mesmo exercício, porém em conexão com esse tipo de emoção: através dessa observação você começa a se reconhecer como um com tudo. Quando você reconhece o outro em si mesmo, a chance de você ter raiva dele diminui, além disso esse exercício te coloca num estado em que você consegue reconhecer a raiva antes que ela tome conta de você.

Para o eneagrama, o remédio para a raiva (ou o contrário dela) é a aceitação: do que é, do outro, de si mesmo.

Seja paciente

Silhueta de uma mulher meditando frente ao mar e ao nascer do Sol

Silhueta de uma mulher meditando frente ao mar e ao nascer do Sol

Parece contraditório falar em ser paciente no mesmo artigo em que estou falando sobre raiva, mas é isto: você vai precisar de paciência.

Primeiro para entender que isso não vai acontecer da primeira vez que você tentar. Reconheça, porém, que a consciência de estar movido pela raiva está aparecendo antes, e que isso por si só já é uma evolução.

Segundo: você está trabalhando no controle da sua raiva, mas as pessoas em volta de você, não. A Pema Chödron chama ainda a atenção para o fato de que as pessoas, às vezes, demoram muito a perceber que você está mudando. Mesmo que você não aja da maneira antiga, talvez elas ainda reajam ao seu velho “eu”. Ela dá o exemplo de uma pessoa que observou o prazo de dois meses até que as pessoas começassem a perceber que ela tinha mudado.

Lembre-se: o simples fato de tentarmos já muda a consciência geral, e isso é um trabalho grandioso!

E você? Tem mais antídotos para a raiva que quer compartilhar?

Você também pode gostar de outros artigos desse autor. Acesse Não, você não é uma pessoa ingrata.

Sobre o autor

Dulcineia Santos

Dulcineia Santos

Dulcinéia Santos é terapeuta multidimensional, life coach e praticante certificada da ferramenta MBTI® de tipos psicológicos e Barras de Access®. Acredita que a vida é cheia de lições, e que se não as aprendemos não passamos pro próximo nível do jogo. Saiu de casa cedo e foi morar no mundo – agora está na Suíça, onde estudou Antroposofia por três anos. Gosta de tomar cerveja no boteco enquanto papeia, de aconselhar, da língua portuguesa, de cozinhar, de ficar só e de flexibilidade de horários. É esotérica, mas acha que estamos encarnados pra viver as experiências terrenas com o pé no chão – de preferência dançando.

Formações:
Brain Based Coaching Certification
NeuroLeadership Group - Londres

MBTI - Myers-Briggs Type Indicator - Step I and Step II
Myers-Briggs Foundation - Florida, USA

Antroposofia
Goetheanum - Dornach, Suíça

Terapia Multidimensional
Genebra - Suíça

Access Bars®
Nyon - Suíça

Contatos:
Site: dulcineiasantos.com

Facebook: Cura de Amor

Youtube: Canal Cura de Amor

Instagram: @dulci.alcock

Áudios: soundcloud.com/dulcineiasantos

Blog: medium.com/@dulcineiasantos

E-mail: [email protected]