Autoconhecimento

Como consumir conteúdo digital de forma harmoniosa

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

As redes sociais são a febre da nova última década. Desde os primórdios tempos do falecido Orkut, que já não existe mais, pessoas de todo o mundo se viciam cada dia mais em dar aquela famosa olhadinha no Facebook durante o dia, em tuitar a respeito da vida, em postar uma foto no Instagram, além de tantas outras atividades para se fazer em todas as redes digitais que existem.

Mas, controlar o consumo tem sido desafiador. Pessoas chegam a perder seus empregos por não conseguirem se desconectar do mundo virtual. Logo, o que deveria ser diversão e um refúgio nos momentos de lazer, acaba se tornando mais um vício do novo milênio.

É preciso saber usar a tecnologia a seu favor. Use com moderação e você nunca será prejudicado pela internet. E para tratar desse assunto de forma mais abrangente uma norte-americana, Jennifer, escreveu um artigo em seu blog Simply + Fiercely.

E como a leitura é extremamente pertinente, o Eu Sem Fronteiras traz o artigo de Jennifer traduzido para o português na íntegra, abaixo, para vocês. Leia, envolva-se e reflita sobre o assunto!

Como consumir mídias sociais conscientemente

Ah… Mídias sociais. Se você for minimamente parecido comigo, você provavelmente tem uma relação de amor e ódio com as mídias sociais (especialmente agora, com tantas coisas acontecendo no mundo, além de tanta dor e raiva flutuando ao nosso redor).

Como uma minimalista (e introvertida!), há uma parte de mim que sonha diariamente em deletar todas as minhas contas em redes sociais, para ignorar tudo isso completamente. Afinal, às vezes pode ser seriamente estressante. É muito fácil ser atraído para conversas tóxicas, comparações nada saudáveis e – vamos encarar – também pode ser uma enorme perda de tempo. Não é difícil imaginar o quanto as nossas vidas seriam mais simples sem Facebook, Twitter, Instagram, etc.

Dito isso, eu seria uma grande mentirosa se não admitisse que eu amo as redes sociais em diversos aspectos.  Em primeiro lugar, e mais importante de todos, é uma forma rápida e fácil para manter contato com amigos e familiares em todo o mundo (isso é especialmente importante para mim, porque eu cresci nos Estados Unidos, mas moro na Austrália).

E além de me ajudar a manter contato, as mídias sociais também são ótimas aliadas para:

  • Conhecer pessoas que pensem como você e compartilhem interesses. Por exemplo, eu faço parte de vários grupos do Facebook que tratam sobre minimalismo e compartilham blogs a respeito do tema. Porque a maioria dos meus amigos da “vida real” simplesmente não estão interessados nesses assuntos.
  • Aprender coisas novas e compartilhar ideias. A primeira vez que fui introduzida ao minimalismo aconteceu graças a um artigo que eu vi no Facebook! Um clique levou a outro e, “eventualmente”, mudou toda a minha vida.
  • Estar sempre atualizado a respeito dos eventos da sua comunidade, como shows e festivais.
  • Pesquisar a respeito de viagens, comida, artesanato etc. Eu uso regularmente o Pinterest para planejar um feriado ou o Facebook para procurar recomendações de restaurantes, por exemplo.

Você pode amar, odiar ou estar em algum lugar entre essas duas categorias. Não importa. As mídias sociais se tornaram uma ferramenta e cabe a cada um de nós fazer uma escolha intencional sobre como isso impacta as nossas vidas.

Alguns podem optar por cortar essa ferramenta completamente. Mas, para outros faz sentido encontrar uma maneira equilibrada e harmoniosa de utilizá-la. Esse é o caminho que eu escolhi e, por isso, aqui estão algumas das minhas dicas sobre como consumir as mídias sociais de forma consciente.

Pensive girl with a laptop daydreaming and looking through a window in a house with a green background outdoors in a beautiful day

  • Seja honesto a respeito de como as redes sociais fazem você se sentir

Ser consciente a respeito do uso das redes sociais começa por ser consciente a respeito de si mesmo. Pense sobre as plataformas digitais, as contas que possui e as páginas que você mais visita em cada uma delas. Reflita sobre como você se sente depois de utilizar cada conta, visitar cada página, etc.

“Algumas fazem com que você se sinta culpado, irritado, magoado ou inadequado? E outras fazem com que você se sinta positivo e inspirado?”

Considere porque isso acontece – às vezes pode ser somente a fonte de informações, mas em outras circunstâncias pode também ser um reflexo daquilo que está acontecendo em nossas vidas agora.

Não há respostas certas ou erradas. Mas, quanto mais você entender a si mesmo e quanto mais você entender os seus sentimentos, mais preparado você estará para fazer escolhas conscientes.

  • Defina sua intenção antes de ficar on-line

Antes de fazer o login (ou seja, antes de iniciar sua sessão em alguma das suas contas em redes sociais), use alguns minutos para definir a sua intenção, tendo em mente como você se sente enquanto usa a rede social. É para conversar com amigos? Fazer planos para o fim de semana? Para relaxar um pouco e assistir vídeos de gatos fofinhos?

Não há respostas certas ou erradas (sem julgamentos por aqui!). Mas, uma vez que você definiu a sua intenção e que você sabe o porquê quer ficar on-line, você pode utilizar as dicas a seguir para melhorar a sua experiência.

  • Use a tecnologia para filtrar o seu feed

Um dos maiores problemas das redes sociais é que, muitas vezes, você precisa passar por muito “lixo” (ou, talvez, apenas assuntos que não são interessantes para você) antes de encontrar as informações que você realmente quer ver. A boa notícia é que existem algumas dicas simples para te ajudar a filtrar o que você quer ver:

  • Você sabia que, no Facebook, você pode customizar o que você quer ver primeiro? Você pode escolher 30 amigos ou páginas que mais te interessam e você verá essas escolhas em primeiro lugar no seu feed (ou seja, na sua página inicial).  
  • Se você usar o Facebook para participar de grupos, considere usar o aplicativo Grupos do Facebook em vez do aplicativo geral do Facebook – dessa forma, você tem menos chances de se distrair com outros assuntos.
  • Se você usa o Twitter, você pode usar listas para gerenciar e organizar quem você segue. Por exemplo, eu tenho listas específicas para trabalhos on-line, para outros minimalistas, viagens e muito mais – isso me ajuda a ver apenas as informações que são mais relevantes para mim.
  • Além disso, observe que os principais sites de redes sociais usam algoritmos para tentar descobrir sobre o que você gosta, baseado no seu comportamento. Então, não dê “like” (ou seja, dar um “curtir) em coisas que você não está realmente interessado!
  • Diga adeus a qualquer um que não esteja agregando algum valor à sua vida

Eu sei que você provavelmente já ouviu isso antes, mas vale a pena repetir: vai ficar tudo bem se você deletar amigos da sua lista. Se houver alguém (uma pessoa, uma página de alguma companhia, um grupo, etc.) que o incomoda ou faz com que você se sinta mal, apague-o da sua vida.

Sugestão: se você se sentir culpado por deixar de ser amigo de alguém no Facebook, você pode optar por deixar de seguir essa pessoa. Ou seja, você permanecerá como amigo, mas não verá mais as atualizações dessa pessoa no seu feed.

  • Pare de ler comentários

Embora haja exceções, os comentários feitos em redes sociais são tóxicos para a grande maioria das pessoas – não importa quais sejam as suas crenças pessoais. Existe algo sobre as plataformas da internet: mesmo que não sejam sempre anônimos, os perfis que não conhecemos estão a poucos passos das nossas contas pessoais.

Eu posso apenas especular, mas eu acredito que isso contribua para a total falta de respeito sobre todos os pontos de vista e os espaços de comentários são, raramente, um espaço para discussões abertas e honestas. Então, como regra geral, eu tento ignorá-los.

  • Faça logoff, desinstale ou rastreie

Se você sabe que as redes sociais são um problema para você e você deseja usá-las menos vezes (e você está lutando para conseguir quebrar esse hábito), considere:

  • Fazer logoff depois de cada sessão e não salvar sua senha: precisar fazer login cada vez que quiser acessar as redes pode ser o suficiente para ajudá-lo a quebrar o hábito.
  • Deletar aplicativos do seu celular: nós temos uma tendência em sermos mais desleixados com os nossos hábitos de navegação em nossos celulares do que em nossos computadores.
  • Rastreie o seu uso: existem milhares de aplicativos gratuitos que acompanham e rastreiam seu uso no celular. Ou seja, eles te dizem quanto tempo você está gastando usando o celular. Às vezes, perceber o tempo que você gasta on-line é o primeiro passo para mudar os seus hábitos de uso.
  • Utilize barreiras naturais para limitar o seu consumo

Todos nós sabemos como é ficar perdido no famoso “buraco do coelho” das mídias sociais: você pega o seu telefone celular apenas para “checar algumas coisas” e a próxima coisa que você percebe é o tempo que você embaraçosamente gastou vendo “besteiras”.

Se isso acontece com você, uma boa dica é usar barreiras naturais para limitar o tempo que você passa nas redes sociais. Por exemplo: Se você sabe que você precisa sair de casa às 15 horas todas as tardes para buscar seus filhos, planeje-se para chegar suas redes sociais às 14h45. Justamente porque você precisa sair às 15h, você sabe que não gastará mais do que 15 minutos on-line.

Essas são apenas algumas dicas que tem me ajudado a me tornar mais consciente enquanto uso as minhas redes sociais. Apenas lembre-se de que as redes sociais são uma ferramenta e depende de cada um de nós fazer uma escolha intencional sobre a forma que essa ferramenta será usada em nossas vidas.

Como você se sente a respeito das redes sociais?


Artigo traduzido e adaptado por Giovanna Frugis da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]