Espiritualidade

Desvendando a Cabala

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Cabala é conjunto de ensinamentos relacionados a Deus, universo, homem, a criação do mundo, a vida e a morte. É um ensinamento místico de origem judia.

Torá, ou Pentateuco, primeiro dos cinco livros do Antigo Testamento da Bíblia, é utilizado como crença de que os segredos do Universo foram revelados por Deus, de forma codificada, nesses livros.

Árvore da Vida é um dos mais importantes símbolos cabalísticos. É representada por 10 esferas, denominadas sefirot, e cada uma delas reflete os aspectos de Deus dentro da vida de cada pessoa: a Coroa, a Sabedoria, a Compreensão, a Compaixão, a Beleza, a Justiça, a Vitória, a Renovação, o Fundamento e o Reino.

Árvore da Vida

Através dos séculos, a filosofia foi transmitida oralmente a um número reduzido de discípulos. Nos dias atuais, o seu estudo não é totalmente aceito em algumas vertentes do Judaísmo.

À medida que o tempo foi passando, a cabala se tornou popular quando celebridades como Mick Jagger, Angélica, Luciano Huck, entre outros, começaram a seguir essa filosofia. A partir dos anos 1990, Madonna, uma de suas frequentadoras, deixou claro que, através da prática dos estudos, obteve boas vibrações em sua vida.

Segundo Shmuel Lemle, grande estudioso da Cabala, a primeira coisa que os ensinamentos proporcionam é uma nova atitude e uma nova visão diante da vida. “Do mesmo jeito que existem leis físicas, como a lei da gravidade, a cabala diz que existem leis espirituais que regem este mundo e nos ensina a conviver com elas em harmonia”, defende. Um dos ensinamentos da Cabala defende que não existe o acaso, mas sim a lei de causa e efeito, ou causalidade. Tudo o que acontece na nossa vida foi criado de alguma forma ou outra por nós mesmos. Assim, o ensinamento mais importante para quem começa a estudar a Cabala é deixar de ter um comportamento reativo diante das adversidades e passar a ser proativo com a própria vida. Ou seja, deixar de ser o efeito das situações que acontecem e se tornar a causa delas para uma vida melhor.

Lemle continua dizendo: “Sendo proativo na vida, você deixa o papel de ser vítima, que nunca tem controle sobre a situação. Você aprende a parar, pensar e buscar a melhor forma de agir em cada momento”.
Segundo ele, isso pode ser aplicado em situações do dia a dia: “Os cabalistas milenares também eram proativos. Abraão ensinava às pessoas que existia um único Criador e que havia uma lei de causa e efeito. Ou seja, ensinava uma forma de encarar a própria vida”, afirma.

Por que a Cabala é necessária nos tempos atuais?

O estudo da Cabala nos dias de hoje não é importante apenas porque precisamos dos ensinamentos que ele fornece, mas trata de um momento importante na evolução das pessoas que compõem o mundo.

A obra mais importante da Cabala, denominada Zohar, descreve uma era que espelhará o dilúvio de Nôach – um mundo inundado com sabedoria em vez de água.

Sobre isto, o Zohar declara: “No 6º século do 6º milênio, os portões da sabedoria sobrenatural serão abertos, como as fontes de sabedoria terrena, preparando o mundo para ser elevado ao sétimo milênio.”

Objetivo principal

Esse momento do milênio corresponde ao período de 1740-1840, um período de inúmeros avanços em tecnologia e ciência. Avanços não somente presos nesse tempo, mas presentes também nos anos atuais, como no século 21 em que vivemos. Ao mesmo tempo, O Zohar elucida que “os portões da sabedoria foram abertos através dos mestres chassídicos da Cabalá”.

A missão dos estudos da Cabala é partilhar ambas as sabedorias, a terrena e a celestial, para fundi-las como uma só e propagá-las pelo mundo, no intuito de difundir uma coexistência de harmonia entre as pessoas e os seres viventes.


Texto escrito por Bruno da Silva Melo da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]