Comportamento Convivendo

É possível viver em um mundo de competição sem SER competitivo?

Garotas no computador e garota ao fundo em foco olhando garota da frente comemorando
Deise Aur
Escrito por Deise Aur

Apesar de vivermos em um mundo competitivo e utilitarista existem muitas pessoas que simplesmente não são competitivas e intimamente querem viver uma vida simples e pacífica, sem querer SER melhor ou estar acima de ninguém, simplesmente SER elas mesmas, com o que sabem fazer e com o que se sentem bem em viver.

Enquanto existem pessoas que ficam confortáveis em competir e dominar o próximo, o mercado ou a audiência, outras apreciam desenvolver suas habilidades e serem úteis, sem a preocupação de buscar SER mais, imperar no mercado ou ter mais audiência que os demais.

Existem aqueles que acreditam em uma existência mais pacífica, justa e igualitária, na qual prevaleça o respeito, a individualidade e a diversidade, para que possa existir a troca e o intercâmbio mútuos de talentos e habilidades entre os seres, sem a preocupação de ser melhor e ter mais que os outros.

A sociedade que fazemos parte prioriza status quo, CEO disso e CEO daquilo, doutorados, mestrados, enfim, quanto mais títulos e certificados, mais você é valorizado no mercado de trabalho e distinto no cenário social, mas, de fato, para um ser humano ser valorizado isso é fundamental???

Além do mais, será que ter views, seguidores, curtidas, patrimônios e domínio imperialista no mercado é mais importante do que ser humano de verdade com todas as sua implicações, contradições e fragilidades?

Pessoas de mãos dadas se apoiando
Foto por Rémi Walle via Unsplash

Entre competir e deixar o outro para trás e procurar viver com mais humanidade e comunhão o que é melhor?

Entre disputar para ter mais e mais e contribuir para provocar mais exploração e desigualdade ou ser e criar condições e se adaptar para uma realidade mais justa e humana, o que é preferível?

Cada um de nós tem sua Luz própria e pode brilhar do seu jeito peculiar, com sua expressão individual, vocação e talento, nessa diversidade todos somos UM!

Por isso, é justo valorizar também aqueles que com seu suor e energia constroem edificações ou aqueles que dedicaram suas existência para “construírem” seres humanos e aos anônimos que trabalham e servem para essa sociedade que tanto preconiza a competição e desvaloriza a dedicação deles!

Por que continuar só valorizar os que são competitivos e dominadores e esquecer dos que servem e trabalham com o que têm de melhor, sua energia e os seus talentos?

Como diz o líder espiritual do Tibete, Dalai Lama:

Mãos de monge unidas em seu colo
Foto por Dean Moriarty via Pixabay

“O planeta não precisa de mais pessoas bem-sucedidas, o planeta precisa DESESPERADAMENTE de mais pacificadores, curadores, restauradores, contadores de histórias e amantes de todos os tipos.”

Seguindo essa linha de pensamento, nosso mundo está carente de simplicidade, sutileza, leveza, sacralidade, poesia, sensibilidade, transparência, sinceridade, solidariedade sem interesse e autenticidade espontânea e natural.

Valorizar o simples é valorizar aqueles que doam suas vidas e não são valorizados, por conta de uma sociedade que enaltece mais a ostentação, as aparências e o marketing inescrupuloso, dando combustível para essa roda da competição passar por cima dos que, mesmo com pouco recursos, fazem a diferença e não são reconhecidos.

Ainda bem que hoje em dia várias pessoas estão despertando para essa realidade e saindo desse condicionamento promovendo atitudes contrárias ao que a sociedade dita desde tempo remotos.

Silhueta de menino em cima de montanha ajudando outro a subir
Foto por Sasin Tipchai via Pixabay

Mesmo sabendo que a competição faz parte da organização de uma sociedade, podemos minimizar seus efeitos de desigualdade, ganância e injustiça social, valorizando aqueles que não estão em evidência ou no poder: pessoas simples, mas, que não deixam de ser Estrelas ambulantes!

Sim, cada um de nós é uma Estrela, tem a sua Luz e Energia e consequentemente o seu brilho, assim como, as estrelas que podem ser vistas no céu noturno e nem sempre as pessoas olham, pois, estão identificadas com os problemas terrenos.

Para uma inspiradora e poética reflexão, assista esse vídeo com a mensagem Somos Estrelas, narrada por Antonio Pereira, apresentador do programa Mundo Incrível na Rádio Inverso:

Quantos Universos ou Estrelas ambulantes andam nesse planeta e não foram desvendados e reconhecidos?

Você também pode gostar

Reflita e pense nisso!

Que a Estrela que somos brilhe cada vez mais e não se ofusque pela nebulosidade do medo, da ganância, da frieza, da indiferença e da ignorância!

Sobre o autor

Deise Aur

Deise Aur

Meu nome é Deise Aur. Exerci a carreira de professora, primeiro de alfabetizadora, depois de professor de História, até me aposentar.

Em sala de aula procurava despertar nos seres humanos a sensibilidade para a arte, filosofia, mística e psicologia. Atualmente, faço isso através das mídias digitais.

Tenho diversas áreas de interesse, focando vários temas como Vida, Veganismo, História e Moda.

Gosto de escrever, expressando inquietudes e anseios que habitam na nossa alma e traduzo em palavras, utilizando minha sensibilidade, principalmente, com relação à espiritualidade e também aos sentimentos humanos.

Contatos:

Sites:

deiseaur.blogspot.com.br

veganpelavida.com.br

historia-dinamica.blogspot.com.br

E-mail: [email protected]

Youtube: Canal Deise Aur