Autoconhecimento Comportamento

10 passos para levar a maternidade com mais leveza

Mãe segurando seu filho recém-nascido
Kristina Paukshtite / Pexels / Canva
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Ser mãe é um grande sonho na vida de muitas mulheres, e, por mais lindo que seja maternar, essa realidade chega repleta de desafios. Desde a descoberta da gravidez, o turbilhão de hormônios com que as mulheres precisam lidar, as mudanças físicas e de humor e o amor incontrolável que nasce sem saber explicar. Com a chegada de uma nova vida ao mundo, nasce também uma mãe, uma mulher guerreira, uma leoa incansável, que fará tudo para proteger e dar o melhor de si para esse serzinho indefeso. Porém mesmo a mulher mais guerreira ou a leoa mais forte do bando também precisam descansar, comer e, principalmente, sentir-se viva após a maternidade.

Olhando a maternidade de um modo geral, cada fase dos filhos gera uma reação na mãe e na forma como encará-la. Muitas vezes as mães se culpam, se comparam, se cobram a perfeição de uma educação que não existe. Filhos não têm manual de instruções, e cada filho é único. Por isso, o melhor a se fazer é sempre olhar o que é possível para a sua família, na sua casa, dentro do que vocês acreditam estar correto ou não. Para ajudar as mães e futuras mamães a olharem para o caminho da maternidade com mais leveza e aproveitar ainda mais cada fase com suas crias, listamos aqui 10 passos para inspirar. Confira!

Aceite e peça ajuda quando precisar

A maternidade é cansativa, e pode doer ainda mais passar por momentos difíceis sozinha. Não tenha medo ou vergonha de pedir ajuda ou aceitar, isso é normal e fará bem tanto para você quanto para seu filho. Na maioria das vezes, a família tenta ajudar como pode, e o instinto materno pode fazer com a mulher negue a ajuda ou tenha receio e algumas inseguranças. Sentir isso é normal, mas, por mais que queira, você não é de ferro e precisará descansar.

Mulher descansando na sacada
mediaphotos / Getty Images Signature / Canva

Quando puder receber ajuda, aceite. Crie uma rede de apoio e reserve um tempo para si. A rede de apoio é muito importante para a saúde mental da mãe. Aproveite para ouvir músicas de que gosta, tomar um banho demorado, hidratar os cabelos, assistir a um filme que ainda não viu. Busque algo prazeroso fora da rotina com os filhos. Isso fará você voltar energizada e até com uma saudadezinha.

Os dias difíceis também passam

O puerpério é difícil? Demais. Ele acaba? Sim. Amamentação é difícil? Sim. Ela acaba? Sim. Ver seu filho chorando com cólicas dói? Muito! Elas também acabam? Sim. E isso serve para inúmeras outras situações que encontramos na maternidade. Desde a introdução alimentar ao desfralde. A adaptação na escola, o processo de aprendizagem, a infância até a adolescência. Os dias difíceis virão, e eles também vão embora. Aproveite cada fase para aprender a resolver as situações da melhor maneira possível, e então se lembrará desses momentos com orgulho e satisfação.

Tenha uma rotina

Quando falamos em rotina, pensamos em um cronograma de coisas com horários a serem seguidos todos os dias, não é mesmo? A rotina na maternidade deve existir, mas precisa ser adaptada para a família toda. Não adianta colocar uma rotina impossível de ser seguida e que não funcione.

Mulher feliz tomando suco de manhã
Milan_lovic / Getty Images Signature / Canva

O desafio da rotina é fazer com que o tempo seja aproveitado da melhor maneira possível e que ainda reste um tempinho para fazer nada juntos. A rotina precisa existir mas não precisa ser desgastante para os filhos, muito menos para a mãe.

Olhe o mundo com novos olhos

Uma das melhores experiências que a maternidade pode oferecer é a nova forma de enxergar o mundo. Como assim? A casa parece tão grande, o céu parece tão perto, as nuvens voltam a fazer desenhos lindos no céu e parecem ser feitas de algodão. As brincadeiras voltam a ter sentido, e tudo pode ser bonito outra vez aos olhos da criança, que parece estar sempre pronta para descobrir mais e mais. Conte histórias, pesquise, mostre fotos, ensine o que sabe e verá como o mundo pode ser belo e interessante de novo.

Não se compare com outras mães

O maior erro da mulher que é mãe é se comparar com outras mulheres que também são mães. Seja na aparência, seja na forma de se vestir, na forma de educar, na maneira de falar. Procure sempre lembrar: não existe fórmula certa! A mãe do lado tem os motivos dela para ser como é, assim como você tem os seus para ser como é, e está tudo bem nisso.

Duas amigas conversando no sofá
milorad kravic / Getty Images Signature / Canva

Não se compare, não aponte o dedo, não julgue. Às vezes, aquela mãe está em um dia difícil, assim como você também tem os seus. Talvez ela não tenha rede de apoio, o casamento esteja esfriando, ela não tenha com quem conversar ou só esteja cansada mesmo. Apenas respeite e entenda.

Seja abrigo

Por mais clichê que possa parecer, é verdade: o tempo passa rápido demais. Na maternidade, essa sensação é ainda “pior”, já que o bebê que parece ter nascido dias atrás logo estará totalmente independente, correndo sozinho por aí. Esse passo é simples: seja abrigo para seu filho sempre que ele precisar e quiser. Um dia, ele não caberá mais nos seus braços, a mãozinha pequena que hoje segura um dedo de cada vez estará cada vez maior. E chegará um momento em que seu abraço não será mais a primeira coisa que ele vai buscar quando quiser chorar. E isso vai doer, mamãe. Então, aproveite enquanto é tempo. Dê abraço, dê beijo para parar a dor, dê colo, durma grudada. O tempo não será compreensivo com você, e depois só restarão lembranças.

Escute e entenda seus filhos

Em tempos malucos que vivemos, com tantas maldades acontecendo a cada esquina, a melhor coisa a se fazer é aprender não só a falar com os filhos, mas também ouvir o que eles têm para dizer e permitir isso. Estimule a conversa sempre.

Mãe e filho felizes se olhando
Liderina / Getty Images Pro / Canva

Pergunte de forma leve, fale um pouco também e deixe-o expressar-se. Isso serve não só para as crianças e adolescentes, como também para os pequeninos, que não falam direito, mas se expressam muito bem. Atenção aos sinais – o corpo fala, e as atitudes também. E os bebês são mais inteligentes do que imaginamos. Fique atenta!

Não se cobre tanto

Você não precisa ser perfeita. Sabe por quê? Porque ninguém é! É normal errar de vez em quando. É normal esquecer alguma coisa, é normal falhar, é normal estar cansada, é normal ter preguiça. Mães também sentem isso e têm esse direito, assim como qualquer outra pessoa. Perdeu a hora? Tudo bem! Dormiu mais tarde? Tudo bem! Esqueceu de passar no mercado? Amanhã você passa. Está tudo bem. Aceite suas falhas como parte de você e faça melhor amanhã sem se martirizar por coisas tão pequenas. Um bom motivo para isso: você comemora toda vez que acerta? Talvez não, então por que sofrer tanto por falhar às vezes? Tenha uma boa noite de sono, que amanhã será um novo dia.

Desabafe

Tenha alguém para conversar, desabafar, chorar. Falar para outra pessoa o que está passando, dividir o que está acontecendo, o que está pensando pode não resolver coisas que só dependem de você, mas deixa a alma e o coração mais leves. O dia a dia na maternidade nos faz chorar também – às vezes por tanto amor dentro do peito; às vezes por culpa, medo, insegurança, exaustão. E é normal.

Você também pode gostar

A saúde mental de ninguém está 100% preparada para segurar as pontas sozinha sorrindo, chorar faz parte. Lembre-se do item citado anteriormente: os dias difíceis também passam!

Divirta-se

Para encerrar, divirta-se! Dê risadas com seus filhos, faça-os rir, volte a rir de si mesma, um sorriso pode mudar tudo e ainda faz bem à saúde. Tire o dia para curtir com a criançada, tire-os da frente da TV, proponha brincadeiras, deixe a louça para mais tarde (ou amanhã), dance, pule, proporcione momentos gostosos ao lado de seus filhos, e verá como a energia e a conexão entre vocês será cada vez melhor.

Após estes 10 passos, desejamos que a maternidade seja um presente para você. Namastê!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]