Convivendo

Estratégias de manipulação das massas

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Asopiniões que você tanto defende e argumenta são realmente suas? Não é de hoje que os meios de comunicação e quem tem um alto poder de influência têm o poder de transmitir informações de forma bem tendenciosa para a população. O autor francês Sylvain Timsit, inspirado pelas ideias do cientista e filósofo Noam Chomsky, sintetizou as dez estratégias mais usadas para manipular as pessoas de forma massificada.

Para ter uma ideia do que isso significa, é como se alguém que quer te convencer de algo comece a colocar informações de forma contínua para você consumir até o ponto em que você acredita naquilo sem questionar nada.
E, levando isso para uma escala massificada, é bem perigoso principalmente em tempos de crise política e econômica que passamos aqui no Brasil.

Veja abaixo as dez estratégias de manipulação e fique atento para não cair em nenhuma delas:

1 – Distração

A melhor forma de tirar a atenção das pessoas de algo que você não quer que elas saibam é criar outros focos e fazê-las focarem neles. Muitos problemas são negligenciados exatamente pelo uso dessa estratégia. Ou você acha que todo o circo montado em cima da Copa do Mundo de futebol em  ano de eleição é mera coincidência aqui no Brasil? Ou então o governo fazer uma campanha contra a Dengue e o Zika, e fazer os insetos como vilões enquanto milhares de pessoas morrem devido a situação precária dos hospitais públicos são somente para informar? Muitas vezes esses casos servem para tirar o foco de coisas que também são importantes para a população ter conhecimento.

2 – Criar problemas, oferecer soluções

Essa é uma técnica usada muito no processo de venda de produtos. Mas também é utilizada de forma massificada para outros fins. Por exemplo: você atira um tijolo na janela do seu vizinho e no dia seguinte toca a campainha dele para oferecer um serviço de vidraceiro. Você pode falar para ele que os vândalos estão tomando conta do bairro e ter um vidro mais resistente pode fazer toda a diferença para a segurança da família dele. Repare nas causas que os políticos defendem em época de eleição e você vai encontrar alguns bons exemplos.

3 – Gradualidade

Ideias muito chocantes não são aceitas de uma hora para outra. Pois isso elas precisam ser divulgadas aos poucos e de forma constante. O nazismo levou anos para conseguir o apoio da população alemã antes de Hitler chegar ao poder. Um pouco por vez, e uma hora toda uma população pode acreditar em uma ideia absurda.

4 – Diferir

Diferir, ou procrastinar, significa levar algo a durar mais que o necessário, e assim tirar o foco do presente e colocá-lo no futuro. “Adotamos medidas que vão fazer a economia do país melhorar em dois anos”. Já ouviu esse discurso em algum lugar? Porquê protestar e tomar atitudes hoje se amanhã vai ficar tudo bem, não é mesmo?

5 – Falar às pessoas como se elas fossem crianças

Se você falar com uma pessoa em um tom sério, ela vai reagir e prestar mais atenção porque inconscientemente ela vai entender que o assunto deve ser considerado. Ao contrário, se você falar em tom infantil e brincalhão ela vai encarar de forma mais leve e pode aceitar o que você está falando sem questionar. Sabe aquele produto que você comprou no mercado e nunca usou? Será que não foi por causa daquela propaganda divertida e brincalhona que você viu na TV?

6 – Mais emoção, menos razão

Raiva, medo e amor. São apenas algumas das muitas emoções que nos fazem perder totalmente a razão. Já reparou como no Brasil os defensores de algum partido político perdem totalmente a razão por parecem apaixonados pelos seus líderes ou como torcedores de futebol entrem em brigas violentas por amarem o clube? O povo brasileiro é bem emocional e cai muito nesse tipo de manipulação.

7 – Ignorância

Se algo parece muito difícil de entender a tendência é a pessoa abandonar aquilo e acreditar que não é inteligente o suficiente para lidar com a situação. O resultado é alguém que aos poucos adota completamente uma postura de vítima, pois o mundo parece difícil demais de ser compreendido. Pensando por esse lado, alguns governantes preferem que as escolas públicas continuem em estado deplorável aqui no Brasil. A educação é a melhor forma de combater esse tipo de manipulação.

8 – Mediocridade

Se você tem heróis e como fonte de inspiração pessoas bem-sucedidas, inteligentes e livres, você vai se esforçar para ser como elas. Mas, se as suas referências de pessoas, seus heróis, forem pessoas estúpidas, você também vai buscar ser como elas. Ligue a TV e veja a referência de pessoas que os meios de comunicação oferecem para as pessoas.

9 – Culpa

Faça alguém se sentir culpado, e a pessoa ficará depressiva e sem ação. E, se você tiver algum poder sobre ela, a última coisa que você vai querer é que ela tome atitude e comece a mudar as coisas. Aqui no Brasil essa estratégia de manipulação deu tão certo que até hoje temos presente no inconsciente coletivo da população o “complexo de vira-lata”. Você é totalmente capaz de mudar o seu futuro, mas tem que acreditar nisso antes. Pare de se sentir culpado.

10 – “Nós sabemos o que é melhor para você” – Especialistas

Se alguém diz que consumir tal produto ou tomar tal atitude é porque ela deve ser especialista nisso e devemos seguir as orientações, correto? Errado. Se você seguir tudo o que te dizem você perde a capacidade de pensar e questionar. Aprenda a pensar por si mesmo. Exercite o seu cérebro. Assim você não vai cair na opinião de “especialistas” que estão sempre nos programas jornalísticos, propagandas e horários políticos na TV.


Texto escrito por Ricardo Sturk da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]