Autoconhecimento Terapia Anti Abuso Emocional

Filhos de pais narcisistas perversos e o resgate da identidade

Pais narcisistas perversos sempre exigem muito dos seus filhos e primam para que eles tenham aparência impecável frente à sociedade, independentemente do sofrimento e da situação que possa estar acontecendo.
Silvia Malamud
Escrito por Silvia Malamud
Pais narcisistas perversos sempre exigem muito dos seus filhos e primam para que eles tenham aparência impecável frente à sociedade, independentemente do sofrimento e da situação que possa estar acontecendo. Como esses pais não têm a capacidade empática para com os seus filhos, na maioria das vezes, tudo o que eles passam e sentem é anulado, o paradoxo, porém, é que esses mesmos filhos têm a obrigação de ter um farol ampliadíssimo de empatia para com os seus pais, sob pena de, se não estiverem atentos às necessidades deles, sofrerem com castigos, inserções de culpas e palavras depreciativas, que ao longo do tempo construirão de modo drástico personalidades totalmente anuladas e assustadas com enorme medo de um desamparo maior. A regra do jogo, portanto, é devoção absoluta a esses magnânimos pais.

pais narcisistas

Em meu consultório, tenho inúmeros relatos de filhos que, não poucas vezes, sofreram riscos reais de vida por conta da negligência de pais narcisistas perversos, que estão apenas a serviço de si mesmos. As histórias vão desde esquecimento em festinhas, escola e reunião de pais, até o fato de não levarem a sério quando eles passam por algum mal-estar físico ou emocional, desqualificando e desacreditando-os ao ponto de poderem deixá-los sob intenso sofrimento, alegando que tudo é manha.

Pais narcisistas jamais valorizam o que os filhos fazem, exigem obediência cega a tudo o que eles acham importante para si mesmos e,
 muitas vezes, têm comportamentos além de desqualificadores, extremamente agressivos quando a correspondência não está a contento e, na verdade, nunca está. As punições vão desde castigos impedindo que os filhos façam algo que desejam muito, até surras, incluindo xingamentos de toda ordem.

Quando os filhos vão se tornando adultos, esses pais continuam a fazer de tudo para se perpetuarem em suas alucinadas percepções de autoengrandecimento. Muitos acabam denegrindo a imagem dos próprios filhos para os seus parceiros, em suas vidas sociais, trabalho e outros. Quando estes têm filhos, rivalizam querendo a todo custo mostrar aos netos que são melhores com eles do que os próprios pais. Um verdadeiro inferno que, muitas vezes, se faz necessário um afastamento emocional severo ou até mesmo físico, quando não há contenção possível desse adoecimento do psíquico parental.

Em algumas circunstâncias, quando em terapia, os filhos conseguem se desidentificar de tal modo dessa trama, que não mais se sentem afetados por quaisquer artimanhas manipulativas provocadas por esses pais.

Por mais terrível que essas situações de vida possam ser, em algum momento é importante que as vítimas tenham consciência de que os seus pais, por mais difíceis que sejam, também são frutos de histórias emocionais e familiares que os fizeram ser e agirem desse modo.

pais narcisistas

Um bom processo terapêutico, além de ajudar no reprocessamento dos traumas, tem grande valia no auxílio do resgate de uma identidade bastante diferente de tudo o que foi imposto. Existem ferramentas eficientes para se trabalhar com esses temas nas abordagens de EMDR e Brainspotting.

Quanto mais despertos, melhor!


Você também pode gostar de outros artigos da autora: Como é o status psicológico de algumas vítimas de abuso emocional?

Sobre o autor

Silvia Malamud

Silvia Malamud

- Psicologa
- Especialista em temas relacionados ao Abuso Emociona com narcisistas perversos em relacionamentos afetivos, familiares, mãe/pai filhos, escolares, sociais e de trabalho.
– Especialista em Terapia Individual, Casal e Família /Sedes
- Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA
- Terapeuta Certificada em Brainspotting - David Grand/ EUA
- Terapia de Abordagem Direta a Memórias do Inconsciente.

EMDR e Brainspotting são terapias de reprocessamento cerebral que visam libertar a pessoa do mal estar causado devido à experiências difíceis de vida, vícios, traumas, depressões, lutos e tudo o mais que é perturbador e que seja uma questão para que a pessoa queria mudar. Este processo terapêutico, por alterar ondas cerebrais viciadas num mesmo tipo de funcionamento, abre espaço para que a vida mude como um todo, de modo muito melhor, surpreendente e inimaginável anteriormente.

Mais sobre Silvia Malamud: Além de psicóloga Clínica, é também formada em Artes plásticas- Terapia Breve - Terapia de Casais e Família pelo Sedes Sapientiai. Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA e em Brainspotting David Grand/EUA. Desenvolveu-se em estudos e práticas em Xamanismo, Física Quântica, Bodymirror. Participou e se desenvolveu em metodologias de acesso direto ao inconsciente, Hipnose, Mindskape, Breakthrough e outras. Desenvolveu trabalho como psicóloga Assistente no Iasmpe, Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual, com pesquisa sobre o ambiente emocional de residentes durante o período de suas residências, de 2009 até 2013. Participou do grupo de atendimentos de casais do NAPC de 2007 à 2008. Autora dos Livros "Projeto Secreto Universos", uma visão que vai além da realidade comum e Sequestradores de Almas, sobre abuso emocional que podemos estar vivendo, sem ao menos saber, sobre como despertar e como se proteger.

· Conhecimento terapêutico: Cenários e imagens: Já presenciei diversos pacientes fazerem "viagens" às vidas anteriores, paralelas, sonhos e mesmo se reinventarem em cenas reais ocorridas ou não. Vi-os saindo do túnel do reprocessamento, totalmente mudados e transformados, inclusive em suas linhas de tempo. Para mim, fica uma pergunta de física quântica... O que acontece com a rede de memória da pessoa se a matriz do acontecimento muda totalmente não o afetando mais? A linha do tempo e todos os significados emocionais transformam-se simultaneamente. Todos os eventos difíceis que a pessoa teve em relação ao tema ao longo da vida perdem o sentido e até parece que nem existiram, embora se saiba. A pergunta que fica é: O que é o tempo quando podemos nos transformar e nos auto-superarmos nesta amplitude?

· Coexistimos em inúmeras camadas de realidades que são atemporais. Por exemplo, o seu “eu” criança pode estar existindo e atuando em você até hoje... Outros aspectos desconhecidos também podem estar, sem que você suspeite.

Silvia Malamud
Psicóloga clinica Especialista em Terapias Breves individual, casal e
família/Sedes - CRP: 06-66624
Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA
Terapeuta Certificada em Brainspotting – David Grand PhD/EUA.
Terapia de Abordagem Direta a Memórias do Inconsciente.
email.: [email protected]