Autoconhecimento Terapia Anti Abuso Emocional

Narcisistas perversos, o adoecimento psicológico do século XXI

Silvia Malamud
Escrito por Silvia Malamud
O começo do enredamento: Alguma vez você conheceu alguém que a todo custo quis te seduzir e que ficou te levando no papo, em meio a uma conversa encantadora como se você fosse a pessoa mais importante do universo, porém, sem deixar de se enaltecer enquanto ficava te contando mil e uma façanhas sobre si mesmo, mostrando o quanto é o máximo em suas aventuras, o quanto é o mais engraçado, o mais culto e o mais especial em qualquer área que pudesse te agradar?

Em relacionamentos abusivos com narcisistas perversos, tanto na hora da sedução, como na sequência dos fatos, o céu é o limite. Após o tempo da sedução, porém, na segunda parte da história, a ideia de acabar com tudo o que significa existência no outro faz parte deste cenário macabro, onde apenas um cabe.

O efeito desta trama costuma ser devastador na vida daqueles que morderam a isca de tais psicopatas sociais. Hoje são reconhecidas como uma das relações mais destruidoras que se pode existir. É tão grave, que ao se comparar com as características desses agressores com as de um psicopata propriamente dito, poucas diferenças serão encontradas.

O narcisismo perverso sempre existiu, mas é em nossa era do espetáculo, o tempo em que tem espaço para a sua concretização. 

Suas presas, já feridas em seus campos de desenvolvimento emocional, possuem um medo quase que impensável e na maioria das vezes inconsciente, de passarem por algum tipo de rejeição com aquele que prometeu ser o seu cuidador e o seu salvador e que ainda afirmou com todas as letras que lhe daria o seu mais profundo amor. Aquele que a princípio demonstrou saber das necessidades mais secretas e que pareceu ter mais empatia do que qualquer pessoa que se tenha anteriormente encontrado. Inventam que são os únicos e legítimos substitutos de um amor legítimo que os próprios pais jamais tiveram pelas suas presas. Na maioria das vezes, as pessoas dos seus relacionamentos já foram vítimas de pais narcisistas e ainda estão na esperança de serem vistos e acolhidos por um olhar de presença amorosa. De algum modo, sabendo disso, mesmo que inconscientemente, tais narcisistas também sabem que as suas vítimas desde muito cedo aprenderam a funcionar em meio a submissão massiva visando satisfazer desejos e necessidades de seus genitores, na busca de terem algum sentimento de pertencimento para com eles. Aprenderam, também, que agindo como cordatos, teriam a esperança de receberem algum olhar de acolhimento que poderia preencher o terror do sentimento de vazio, da solidão, da insegurança e do abandono afetivo que esses pais provocaram.

O narcisista propriamente dito, vai fazer com que o relacionamento afetivo, de trabalho ou do que seja, se transforme em um verdadeiro inferno na medida em que habilmente manipulará as pessoas ao seu redor para o seu único objetivo que é o reconhecimento apenas de si mesmo.

A única coisa que o Narcisista perverso tem a capacidade de amar, é o amor do outro em direção a si mesmo. Não há saída possível nesse grau de patologia cega. Ele de tudo fará para que as suas vítimas escolhidas relembrem que não devem ter absolutamente nenhum desejo pessoal, pois apenas o dele é o que vale. Com isso, as que ousarem clamar pela individualidade, passarão por toda sorte de humilhação e vergonha até que aprendam quem é a única pessoa que pode existir dentro deste tipo de relacionamento. E mesmo quando se encontram emocionalmente dilaceradas, as vítimas são intimidadas e induzidas a se apresentarem para a sociedade como os seus troféus conquistados.

Em meio aos seus núcleos psicóticos e como são inteligentes, desenvolvem-se de modo altamente articulado, em meio a percepção totalmente distorcida e delirante de si mesmos, na certeza de que possuem um merecimento ilimitado sobre tudo e todos. Podem possuir um alto funcionamento social possuindo habilidades de persuasão suficientes para invalidar e de diminuir qualquer um que estiver à sua frente como impedidores de suas conquistas de brilho pessoal, fazendo-os sentirem-se desprezíveis, duvidando da sua própria percepção e saúde mental.

Em relacionamentos abusivos, muitas vezes amigos e familiares não enxergam situações abusivas que podem estar acontecendo debaixo dos seus olhos, até mesmo as vítimas, durante um tempo que pode ser longo demais, podem ter dificuldades de ter clareza sobre o que está ocorrendo. Encaram a vida e as pessoas como se fossem parte de um jogo, são calculistas, ambiciosos e interesseiros, e jamais se relacionam com alguém que não possa lhe beneficiar ou proporcionar algo em troca.

A questão do Narcisismo perverso e de suas implicações é um tema extremamente necessário de ser visto, conhecido e reconhecido mundialmente. A consequência deste estado patológico do psiquismo nas pessoas desavisadas pode ser um relacionamento violento e altamente destrutivo na medida em que a vítima é desacreditada em suas percepções enquanto está sendo abusada emocionalmente. Se a pessoa não despertar a tempo, passará por um inferno solitário e não poucas vezes, ainda quando lúcida, poderá ser desacreditada diante dos outros. O discurso perverso é hábil em inverter verdades, jogando para a vítima toda a culpa, a vergonha, a confusão e a loucura.

Graças a artigos como este e outras fontes de conhecimento necessárias em nossa atualidade, o que antes era pouco ou nada identificável como patologia do psiquismo, hoje cada vez mais é conhecido pela população em geral como Narcisismo Perverso.

Sobre o autor

Silvia Malamud

Silvia Malamud

- Psicologa
- Especialista em temas relacionados ao Abuso Emociona com narcisistas perversos em relacionamentos afetivos, familiares, mãe/pai filhos, escolares, sociais e de trabalho.
– Especialista em Terapia Individual, Casal e Família /Sedes
- Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA
- Terapeuta Certificada em Brainspotting - David Grand/ EUA
- Terapia de Abordagem Direta a Memórias do Inconsciente.

EMDR e Brainspotting são terapias de reprocessamento cerebral que visam libertar a pessoa do mal estar causado devido à experiências difíceis de vida, vícios, traumas, depressões, lutos e tudo o mais que é perturbador e que seja uma questão para que a pessoa queria mudar. Este processo terapêutico, por alterar ondas cerebrais viciadas num mesmo tipo de funcionamento, abre espaço para que a vida mude como um todo, de modo muito melhor, surpreendente e inimaginável anteriormente.

Mais sobre Silvia Malamud: Além de psicóloga Clínica, é também formada em Artes plásticas- Terapia Breve - Terapia de Casais e Família pelo Sedes Sapientiai. Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA e em Brainspotting David Grand/EUA. Desenvolveu-se em estudos e práticas em Xamanismo, Física Quântica, Bodymirror. Participou e se desenvolveu em metodologias de acesso direto ao inconsciente, Hipnose, Mindskape, Breakthrough e outras. Desenvolveu trabalho como psicóloga Assistente no Iasmpe, Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual, com pesquisa sobre o ambiente emocional de residentes durante o período de suas residências, de 2009 até 2013. Participou do grupo de atendimentos de casais do NAPC de 2007 à 2008. Autora dos Livros "Projeto Secreto Universos", uma visão que vai além da realidade comum e Sequestradores de Almas, sobre abuso emocional que podemos estar vivendo, sem ao menos saber, sobre como despertar e como se proteger.

· Conhecimento terapêutico: Cenários e imagens: Já presenciei diversos pacientes fazerem "viagens" às vidas anteriores, paralelas, sonhos e mesmo se reinventarem em cenas reais ocorridas ou não. Vi-os saindo do túnel do reprocessamento, totalmente mudados e transformados, inclusive em suas linhas de tempo. Para mim, fica uma pergunta de física quântica... O que acontece com a rede de memória da pessoa se a matriz do acontecimento muda totalmente não o afetando mais? A linha do tempo e todos os significados emocionais transformam-se simultaneamente. Todos os eventos difíceis que a pessoa teve em relação ao tema ao longo da vida perdem o sentido e até parece que nem existiram, embora se saiba. A pergunta que fica é: O que é o tempo quando podemos nos transformar e nos auto-superarmos nesta amplitude?

· Coexistimos em inúmeras camadas de realidades que são atemporais. Por exemplo, o seu “eu” criança pode estar existindo e atuando em você até hoje... Outros aspectos desconhecidos também podem estar, sem que você suspeite.

Silvia Malamud
Psicóloga clinica Especialista em Terapias Breves individual, casal e
família/Sedes - CRP: 06-66624
Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA
Terapeuta Certificada em Brainspotting – David Grand PhD/EUA.
Terapia de Abordagem Direta a Memórias do Inconsciente.
email.: [email protected]