Autoconhecimento

História de São Valentim, o santo do Valentine’s Day

Imagem de dois anjinhos de cristal e ambos seguram um coração um verde e o outro vermelho.
Sonymega / 123RF
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Os casais apaixonados, que são namorados há muito tempo ou há apenas alguns meses, costumam encontrar qualquer motivo para celebrar o amor que sentem um pelo outro. Um casal composto de duas mulheres, de dois homens, de um homem e de uma mulher, ou relações poliamorosas, compostas de mais de duas pessoas, sempre devem ser celebradas!

Para quem ama, o amor é lindo. Para quem tem um negócio, o amor é um sentimento que pode ser traduzido em objetos de muito significado. Então é comum que celebrações como o Dia dos Namorados rendam presentes inesquecíveis e marcantes, como joias, roupas, artigos para casa, perfumes e outros acessórios, além das tradicionais rosas.

Mas você já deve ter percebido que o Dia dos Namorados comemorado no Brasil é um pouco diferente do Dia dos Namorados comemorado em outras partes do mundo, como na Europa e nos Estados Unidos da América. Essa data recebe o nome de Valentine’s Day ou Dia de São Valentim. É comemorada no dia 14 de fevereiro. A seguir, conheça a história do bispo que levou ao surgimento dessa data e por que ele é associado ao amor!

Quem foi São Valentim?

Valentim é o nome de um bispo que viveu durante a Idade Média. O imperador que comandava a sociedade, na qual ele estava inserido, era Cláudio II, um homem que defendia que o casamento e o amor eram prejudiciais para os soldados, principalmente em tempos de guerra, porque isso poderia distraí-los na hora do combate.

Contrariando a autoridade do imperador, Valentim continuou realizando casamentos de casais apaixonados. Evidentemente, a rebeldia não durou muito tempo. Assim que o comportamento do bispo foi identificado, Cláudio II o capturou e o condenou à morte. O que o imperador não sabia era que o amor seria ainda mais forte do que isso.

Imagem da estátua de um anjinho do amor e ao lado dela um coração de cera na cor vermelha.
Tashka2000 / 123RF

Enquanto Valentim estava preso, jovens da cidade lhe enviavam cartas afirmando que, assim como ele, acreditavam no amor, e lutariam para a manutenção desse sentimento. Com o coração cheio de belas palavras, o bispo também se abriu para a experiência amorosa.

Um carcereiro, que era responsável por Valentim, tinha uma filha que costumava frequentar a prisão. Ela despertou o interesse do bispo que, perdidamente apaixonado, reverteu a cegueira da jovem. Nem mesmo esse milagre foi capaz de salvá-lo. No dia 14 de fevereiro ele foi assassinado pelo governo da época, deixando apenas um bilhete para a mulher que amava, assinado como “de seu namorado”.

O Dia dos Namorados

O gesto de amor de São Valentim conquistou a atenção das pessoas que viviam no loca. A partir disso ficou definido que no dia 14 de fevereiro, anualmente, os casais apaixonados trocariam cartas e presentes para celebrar o sentimento que existe entre eles. A tradição persiste até os dias de hoje, provando que o amor e São Valentim são eternos!

A partir da história de São Valentim, aprendemos que o Dia dos Namorados não é só uma celebração do amor e um dia de trocar presentes. É também a luta pelo reconhecimento de todas as formas de amar e a importância de o Estado aprovar todo tipo de união. Da mesma maneira que o bispo lutou pela preservação do casamento, devemos lutar pela liberdade de amar a quem quisermos!

E no Brasil?

Você deve estar se perguntando “por que, no Brasil, o Dia dos Namorados é comemorado no dia 12 de junho e não no dia 14 de fevereiro?”. Isso acontece porque no nosso país um publicitário chamado João Doria definiu que a celebração próxima ao meio do ano seria mais interessante para o comércio, além de ser um dia antes do Dia de Santo Antônio, padroeiro dos casamentos.

Imagem de fundo azul e sobre ela vários corações na cor rosa. Ao lado uma estátua de um anjinho segurando um envelope na mão com um coração vermelho. Ao lado um papel cinza onde está escrito a palavra Love - amor em inglês.
Tatiana Sviridova / 123RF

Você também pode gostar

Independentemente da data em que você escolha comemorar o Dia dos Namorados, o mais importante é celebrar o amor, a união, o carinho e o respeito entre duas pessoas. Com a benção de São Valentim, ou com o reconhecimento de Santo Antônio, mostre o quanto esse sentimento é transformador, poderoso e essencial!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br